Óleo de mamona é um laxante que ainda ajuda a melhorar a digestão

Inicio » Agronegócio » Óleo de mamona é um laxante que ainda ajuda a melhorar a digestão
26/10/2020 Por
Óleo de mamona é um laxante que ainda ajuda a melhorar a digestão

A mamoeira, planta que se extrai o óleo de mamona, tem forte cultivo na Bahia e Ceará. Também conhecida como óleo de rícino, o óleo de mamona vem da mamoeira, planta em que o Brasil já ocupou o primeiro lugar do ranking mundial em sua produção em baga. Atualmente, se mantém como um dos principais produtores ao lado de China e EUA.

O óleo de mamona tem grande importância econômica, pois é usado em várias indústrias. Também tem aplicação para fins medicinais e estéticos. É comum utilizá-lo para resolver problemas de prisão de ventre e para tratar fios capilares.

O que é óleo de mamona?

Óleo de mamona é um óleo extraído da semente da mamona, fruto da mamoeira (Ricinus communis L.), planta de origem asiática ou africana (não há um consenso sobre a sua origem).

No Brasil, é possível ser plantada em várias regiões, contudo, os estados que mais se destacam na sua produção são a Bahia e o Ceará.

O óleo é extraído das sementes pelo processo de prensagem, contudo, após serem cozidas e limpas.

O óleo de rícino não contém a toxicidade presente das sementes da mamona, estas são muito tóxicas e podem levar uma pessoa à morte se consumidas in natura.

Uma criança pode vir a óbito se consumir 3 sementes e, um adulto, se consumir 8 sementes.

O veneno dessas sementes se deve a ricina, proteína tóxica conhecida por inocular em células e as paralisar.

Como dito, o óleo de mamona, por ser uma substância líquida, não carrega consigo tal substância tóxica, sendo seguro para se aplicar no corpo.

Esse óleo representa 50% da semente.

Um componente que está ativo em toda a planta é a ricinina – não confundir com a ricina, a proteína tóxica. Está presente na planta e nas flores. Quando ingerida, gera efeitos no sistema nervoso.

Características da mamoeira

A mamoeira é uma planta em forma de arbusto e tem uma parte ramificada. Essa parte é avermelhada, mas essa coloração pode variar dependendo da região.

A mamoeira pode alcançar até 6 metros de altura. Sua altura mínima é de 1 metro. A altura está atrelada ao tipo de porte da planta.

Óleo de mamona

Características da mamona

O fruto da mamoeira é a mamona. A sua forma é capsular e pode ter diversos tipos de tamanho. A parte externa desse fruto apresenta espinhos.

Em seu interior, tem sementes que são ovais e lisas. Essas sementes são as que oferecem o maior perigo por conterem uma substância tóxica conhecida como ricina.

Seu consumo é proibido, pois pode levar uma pessoa a óbito, como informamos.

Dessas sementes, é extraído o óleo de mamona. A extração ocorre por meio de prensagem a frio e a quente.

A prensagem fria é usada quando se pretende utilizar esse óleo para fins medicinais, pois a extração dessa forma garante um óleo mais incolor, límpido e livre de acidez.

Já a prensagem a quente é recorrida quando a utilização é voltada para fins industriais. A diferença do óleo nesse processo de extração é que apresenta acidez, no entanto, essa acidez não deve ser superior a 1% e também não deve ter mais de 0,5% de impurezas.

Para que serve o óleo de mamona?

Vimos que esse óleo extraído das sementes da mamona é usado para fins industriais, médicos e cosméticos. Mas para que serve o óleo de mamona exatamente? Quais os produtos que podem ser derivados a partir de seu uso?

No tocante a parte industrial, o óleo extraído das sementes do fruto da mamoeira é utilizado na produção de tintas, colas, plásticos e vernizes.

Também é aplicado como matéria-prima de lubrificantes e náilon. Isso se deve a uma de suas qualidades que é a de ser estável tanto em altas como em baixas temperaturas.

O óleo de mamona ainda é usado na fabricação de lubrificantes biodegradáveis e na composição de transformadores e compressores.

Na parte medicinal, o óleo de mamona é usado como um poderoso laxante.

Quando ingerido, libera o ácido graxo da fruta, o ácido ricinoleico. Esse ácido é absorvido pelo organismo, aumentando a movimentação dos músculos intestinais.

Tal movimentação ajuda a expelir o bolo fecal e provocar alívio da constipação intestinal. Por isso, é muito receitado para pessoas de terceira idade que necessitam de muito esforço durante a defecação.

O efeito do óleo de ricina é de rápida ação, variando de 1 a 3 horas. Recomenda-se a ingestão de 15 ml de óleo de mamona ou uma colher de sopa.

Óleo de mamona

Óleo de mamona no cabelo

Outra aplicação do óleo de mamona é para fins estéticos, no caso, no cabelo, embora possa ser usado também diretamente na pele, pois o ácido ricinoleico é uma gordura que age como umectante, que tem por efeito tratar a pele.

Para o cabelo, as propriedades do óleo de rícino são benéficas em termos de hidratação e limpeza dos fios.

Ele é indicado para:

  • Restauração e crescimento de fios mais fortes;
  • Combater a caspa;
  • Hidratação;
  • Oleosidade excessiva;
  • Queda de cabelo.

Para usar o óleo de mamona no cabelo você deve separar uma colher de sopa para um pote de creme hidratante ou condicionador de 200 ml.

A mistura tem que ser aplicada durante o banho e agir por alguns minutos nos fios. Na hora de retirar, faça-o com capricho, pois é importante que não fiquem resíduos no cabelo.

Como fazer óleo de mamona?

Veja o passo a passo de como fazer óleo de mamona:

  1. A primeira etapa é a extração do óleo por meio de pressão, prensagem do fruto para que saia o líquido;
  2. Mas lembre-se que esse líquido vem acompanhado de substâncias tóxicas da semente. Por isso, é preciso fazer a separação de elementos. Essa divisão ocorre pelo processo de aquecimento;
  3. Coloque as frutas esmagadas junto ao óleo devidamente separado. Coloque-os em uma panela para ferver e depois adicione água;
  4. A vaporização da água irá resultar no óleo de mamona;
  5. O próximo passo é esperar pelo seu esfriamento para, em seguida, coar com um pano limpo.

Finalize armazenando o óleo de mamona em um frasco de vidro, preferencialmente escuro. É recomendável manter o pote em temperaturas não muito altas e longe da luz.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo