Pectina é um polissacarídeo cuja função é a cimentação intercelular

Inicio » Agronegócio » Pectina é um polissacarídeo cuja função é a cimentação intercelular
24/07/2019 Por
Pectina é um polissacarídeo cuja função é a cimentação intercelular

A pectina é uma espécie de fibra alimentar encontrada em todas as frutas e utilizada no preparo de compotas e geleias

A pectina, encontrada na casca de frutos e alguns vegetais, além de trazer benefícios para o organismo, pode ser utilizada no preparo de alimentos. Além disso, é aproveitada na indústria farmacêutica e na cosmética na formulação de cremes e loções, entre outros produtos.

Na presença de açúcares, água e um meio ácido, a pectina forma um gel viscoso transformando-se em um excelente agente espessante e emulsificante. Esse gel é fundamental para dar cremosidade, brilho e leveza a geleias, molhos, cremes doces e produtos lácteos.

Pectina

O que é pectina?

Pectina é um polissacarídeo encontrado nas frutas e em alguns vegetais. A palavra deriva do termo grego pectos, cujo significado é “solidificado” ou “gelatinizado”. A substância foi descoberta em sumos de frutas no ano de 1790, por Luis Nicolas Vauquelin, químico e farmacêutico de origem francesa.

Contudo, apenas no começo do século XX, foi reconhecido que a sua boa capacidade de solidificação poderia ser aproveitada na preparação de alimentos. A pectina é utilizada principalmente no preparo de compotas, geleias e sucos concentrados.

Além disso, também é utilizada no preparo de produtos lácteos gelificados, molhos e maionese e na confeitaria de uma maneira geral. Já seu uso farmacológico está voltado para o tratamento de diarreias, bem como auxiliar na perda de peso.

Na indústria do tabaco, é utilizada como cola natural na fabricação de charutos e charutinhos. No uso cosmético, a pectina atua como agente de textura natural em cremes, loções corporais, xampus, unguentos e óleos como estabilizante e espessante.

Onde encontrar pectina?

Primeiramente, iremos esclarecer onde encontrar pectina. Ela é encontrada em todas as espécies de plantas terrestres superiores, principalmente nos caules, nas folhas e nas flores. Aloja-se nas paredes celulares primárias e também nas lamelas médias. Ali, assume a função reguladora da umidade e firmeza.

Sua composição varia conforme o tipo e a idade da planta, bem como depende do tipo vegetal. Por exemplo, na polpa das frutas cítricas, seu teor varia entre 0,5 a 3,5%. Já em suas cascas, o teor é de aproximadamente 30%.

Assim, a pectina é encontrada em todas as frutas, em maior ou menor quantidade e em alguns vegetais. Concentra-se na casca, na polpa, ao redor das sementes e nos caroços, principalmente em frutas mais verdes do que maduras.

As frutas com pectina são:

  • Ameixa;
  • Amora;
  • Banana verde;
  • Carambola;
  • Damasco;
  • Figo verde;
  • Goiaba;
  • Groselha;
  • Jabuticaba;
  • Laranja;
  • Limão;
  • Maçã;
  • Maracujá;
  • Marmelo;
  • Pera;
  • Pêssego;
  • Tangerina;
  • Tomate;
  • Uvas pretas.

Vale ressaltar que as frutas acima mencionadas são ricas em pectina. Por outro lado, frutas como morango, abacaxi, caju maduro, figo maduro, cereja, cajá maduro e framboesa são pobres na substância.

Entre os vegetais ricos em pectina encontram-se a ervilha, cenoura, beterraba, batata e girassol.

Pectina

Para que serve?

Em segundo lugar, iremos esclarecer para que serve a pectina na indústria alimentícia, onde é bastante utilizada. A substância se forma pela ação de enzimas na decomposição da protopectina (hidrato de carbono) presente nas frutas.

Quando em contato com um meio ácido, água e açúcares, a substância possui a capacidade de formar géis. É exatamente esse gel formado que é utilizado como base para a fabricação de geleias, compotas e outros tipos de conservas.

Na prática, para a fabricação de geleias, por exemplo, o teor de pectina e a acidez encontrada na fruta é que determina a quantidade de açúcar que deverá ser utilizado em sua confecção. Se a fruta escolhida possuir pouco desses teores será necessário a adição tanto de pectina, quanto de ácido.

Como é extraída?

A extração da pectina é realizada a partir de matérias-primas com alto teor da substância e subprodutos da indústria de sumos. São exemplos o bagaço da laranja, da beterraba e dos citrinos.

Assim, o uso de matérias-primas diferentes, bem como variados métodos de extração, resultam em substâncias com propriedades distintas. Acompanhe, a seguir, a sequência de etapas de sua extração:

  1. Utilização de água quente para extrair todas as substâncias hidrossolúveis da matéria-prima;
  2. Separação das pectinas das substâncias restantes por precipitação com metanol, etanol ou isopropanol;
  3. Várias centrifugações, filtrações e lavagens;
  4. Tratamento para reduzir o grau de esterilização feito com ácido clorídrico;
  5. Novas lavagens, filtragens e secagem com a finalidade de tornar o pó mais branco;
  6. Adição de aditivos como o açúcar de cana, ácidos orgânicos ou sais de cálcio para tornar a substância adequada à sua utilização.

Como fazer pectina em casa?

É possível, bem como bastante simples, fazer pectina caseira. Acompanhe, a seguir, como proceder para extrair a substância de maçãs.

  1. Em primeiro lugar, higienize e pique 1 kg de maçãs. Mantenha a casca e as sementes;
  2. Depois, coloque-as em uma panela com 1 litro de água, leve ao fogo e deixe ferver por 30 min;
  3. Em seguida, retire do fogo e coloque sobre um pano fino e deixe filtrar naturalmente. Não esprema o pano em hipótese nenhuma;
  4. Por fim, volte o líquido obtido ao fogo e deixe levantar fervura. Guarde em vidros esterilizados e bem fechados.

Pectina

Benefícios da pectina

A pectina é considerada uma fibra alimentar, também chamada de fibra dietética e predominantemente presente em alimentos de origem vegetal. Essa fibra não é digerida nem absorvida no intestino delgado. Entretanto, é benéfica para a microbiota intestinal.

Sua ação prebiótica auxilia na melhora do trânsito intestinal, bem como na saúde da flora intestinal. Listaremos, a seguir, mais alguns benefícios da pectina para o organismo:

  • Auxilia na perda de peso: por ser uma fibra alimentar, proporciona uma maior sensação de saciedade, o que auxilia nas dietas de emagrecimento;
  • Facilita a síntese de lipídios e proteínas e regula a absorção de carboidratos pelo organismo;
  • Auxilia no tratamento de diarreias;
  • Auxilia no controle dos níveis de colesterol por auxiliar na eliminação da gordura consumida através da alimentação;
  • Diminui o risco de degeneração celular e, consequentemente, de desenvolver doenças como o câncer. Isto é, ela impede a absorção de substâncias tóxicas pelo organismo como metais pesados e outros microrganismos responsáveis pela degeneração celular;
  • Auxilia na prevenção de diabetes por absorver a glicose consumida através da alimentação;
  • Auxilia na prevenção de problemas digestivos.

Além disso, a pectina regula a pressão arterial por auxiliar na excreção dos ácidos biliares, intensificando a produção de ácidos esteroides. Ela pode ser encontrada em farmácias e lojas de suplementos alimentares, em forma líquida ou em pó.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo