Peste suína existe desde o início do século XX no sul e leste africanos

Inicio » Veterinária » Peste suína existe desde o início do século XX no sul e leste africanos
11/11/2020 Por
Peste suína existe desde o início do século XX no sul e leste africanos

Peste suína é assunto de emergência na China no início de 2020. Após uma pandemia global de coronavírus, agora outra doença viral da China atingiu Assam. Trata-se da peste suína na China – ou, melhor dizendo, a febre suína africana. A doença fatal matou cerca de 2500 porcos no estado desde fevereiro de 2020 e isso faz de Assam o epicentro da febre suína africana.

Geralmente, essas doenças costumavam ser encontradas em porcos selvagens. No entanto, desta vez, os porcos domésticos também foram atingidos pela peste suína. A febre suína africana veio da China, segundo especialistas. Além disso, de acordo com os relatórios, 60% da população suína da China foi morta pela doença fatal entre 2018 e 2020. O governo de Assam está tentando salvar a população suína do estado desse surto viral. Mas, afinal, o que é peste suína clássica?

Peste suína

O que é peste suína?

Peste suína é uma doença viral contagiosa dos suínos domésticos e selvagens, conhecida também pelo nome de cólera do porco.

Em suma, é causada por um vírus do gênero Pestivirus, da família Flaviviridae, que está intimamente relacionado aos vírus que causam diarreia viral bovina em bovinos e doença de fronteira em ovinos. Existe apenas um sorotipo do vírus.

Transmissão e propagação da peste suína clássica

A febre suína africana pode afetar os porcos através do contato direto com porcos infectados. Além disso, também pode ser transmitido através do contato indireto com material contaminado, como ração, lixo, desperdício de alimentos, etc. Vetores biológicos também podem causar a infecção viral.

O método mais comum de transmissão é, de fato, através do contato direto entre suínos saudáveis ​​e infectados pelo vírus da peste suína clássica. Assim, o vírus é derramado em saliva, secreções nasais, urina e fezes. Não menos importante, o contato com veículos, canetas, alimentos ou roupas contaminados pode espalhar a doença.

Os animais portadores crônicos da doença (persistentemente infectados) podem não mostrar sinais clínicos da doença, mas podem liberar o vírus nas fezes. É importante verificar que os filhotes de porcas infectadas também podem se infectar no útero e liberar o vírus por meses.

O vírus da peste suína clássica pode sobreviver nos suínos e nos processados ​​por meses quando a carne é refrigerada e por anos quando é congelada. Desse modo, os porcos podem ser infectados pela ingestão de carne ou produtos de porco infectados com a doença da cólera de porco.

Está provado que em partes da Europa a população de javalis pode desempenhar um papel na epidemiologia da doença. Afinal de contas, a doença se espalhou através do transporte legal e ilegal de animais e da alimentação de suínos contendo tecidos infectados aos porcos.

Sinais clínicos podem ajudar a suspeitar da doença, mas testes laboratoriais podem confirmar a infecção. Atualmente, não existe vacina para a gripe suína africana, portanto, a única maneira de prevenir a infecção é não deixar que os porcos saudáveis ​​entrem em contato com os afetados.

Peste suína

Risco da peste suína africana à saúde pública

Felizmente, os seres humanos não são afetados por esse vírus da peste suína africana. De fato, os suínos são as únicas espécies conhecidas por serem suscetíveis ao vírus.

Quais são os sinais clínicos da peste suína?

A doença tem formas agudas e crônicas, e pode variar de severa, com alta mortalidade, a leve ou até mesmo inapta. Na forma aguda da doença, em todas as faixas etárias, há febre, amontoamento de animais doentes, perda de apetite, embotamento, fraqueza, conjuntivite, constipação seguida de diarreia e marcha instável.

Além disso, vários dias após o início dos sinais clínicos, as orelhas, abdômen e parte interna das coxas podem apresentar uma descoloração roxa. Animais com doença aguda morrem dentro de uma a duas semanas, tragicamente. De fato, os casos graves da doença parecem muito semelhantes à peste suína africana propriamente dita.

De fato, com cepas de baixa virulência, a única expressão pode ser o baixo desempenho reprodutivo e o nascimento de leitões com defeitos neurológicos, como tremor congênito.

Diagnóstico da peste suína

Como os sinais clínicos não são exclusivos da cólera do porco e variam amplamente, são necessários testes laboratoriais para detectar anticorpos ou o próprio vírus. Desse modo, é importante se conscientizar e estar atento aos primeiros sinais. Afinal de contas, uma vez que não há vacina, é necessário estar atento à prevenção e controle dessa doença fatal.

Confira a seguir como se prevenir e controlar a propagação da peste suína!

Peste suína

Prevenção e controle da peste suína

Os porcos afetados devem ser abatidos e as carcaças enterradas ou incineradas. A primeira barreira para prevenir um surto de peste suína é, sem dúvida, aplicar profilaxia sanitária rigorosa e frequente, conforme definido no Código Sanitário para Animais Terrestres.

Não menos importante é uma boa comunicação entre autoridades veterinárias, médicos veterinários e criadores de suínos, sistema confiável de notificação de doenças e medidas de higiene que protegem os porcos domésticos do contato com javalis são as medidas mais eficazes para prevenir a doença.

Quando ocorre um surto, muitas ações devem ser implementadas com urgência:

  • Abate de todos os porcos das fazendas afetadas;
  • Descarte seguro de carcaças, roupas de cama, etc;
  • Desinfecção completa;
  • Designação da zona infectada, com controle dos movimentos dos porcos;
  • Investigação epidemiológica detalhada, com rastreamento de possíveis fontes e vigilância da zona infectada e arredores.

Nas áreas onde a doença é endêmica, a vacinação pode impedir a disseminação da doença. As vacinas utilizadas devem ser produzidas de acordo com os padrões para a produção de vacinas. Como a doença é controlada, a vacinação cessa com vigilância contínua. O Código de Saúde Animal Terrestre define os requisitos para um país ou zona ser considerado livre da doença.

Em áreas livres de doenças, uma política deve ser aplicada, consistindo em detecção precoce, controle de movimento, descarte adequado de carcaças e limpeza e desinfecção. Essa política levou à eliminação da peste suína em grande parte da Europa Ocidental, por exemplo.

Distribuição geográfica da peste suína

A peste suína é encontrada na América Central e do Sul, Europa e Ásia e em partes da África. América do Norte, Austrália e Nova Zelândia estão atualmente livres da doença. Nos anos 90, ocorreram grandes surtos de cólera do porco na Holanda (1997), Alemanha (1993-2000), Bélgica (1990, 1993, 1994) e Itália (1995, 1996, 1997).

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo