Refugo, no cenário agropecuário, pode se tratar de duas coisas

Inicio » Agronegócio » Refugo, no cenário agropecuário, pode se tratar de duas coisas
06/12/2020 Por
Refugo, no cenário agropecuário, pode se tratar de duas coisas

O conceito de refugo é utilizado para nomear aquilo que, por algum motivo, foi recusado ou rejeitado. Da mesma forma que na indústria, há certas atividades agropecuárias que representam perda de tempo e custos adicionais. Assim sendo, o conceito de refugo vincula-se diretamente aos casos de retrabalho, consistindo em realizar novamente a mesma atividade quando os resultados obtidos não são satisfatórios.

Sem dúvida, o refugo é um dos conceitos mais importantes quando se considera os desperdícios. De acordo com as melhores práticas, os materiais e insumos não podem ser mal utilizados por não se adequarem às especificações e características apropriadas.

Refugo

O que é refugo?

O significado de refugo pode ser aplicado em diversos contextos. De modo geral, sempre faz referência àquilo que não é escolhido, posto de lado ou que sobra. Como resultado, os materiais são classificados como defeituosos ou detentores de pouco valor prático.

Conquanto, em contextos humanos e econômicos, a palavra “refugo” tende a ser empregada, na maioria das vezes, para designar o que é considerado censurável do ponto de vista moral, ético ou social.

Refugo e retrabalho

Por outro lado, caso desejemos nos aprofundar na conceitualização, é necessário afirmar o seguinte:

  • Retrabalho: toda e qualquer atividade que necessite ser realizada em função dos produtos finais não apresentarem as características e parâmetros definidos no planejamento inicial. Portanto, em um retrabalho, as unidades defeituosas ainda têm chance de serem reparadas e comercializadas;
  • Refugo: refere-se a todos os materiais que não podem mais ser usados no processo produtivo, seja por não se enquadrarem nas especificações ou por não poderem mais ser processados. Isso é válido, até mesmo, para as operações majoritariamente extrativistas.

Vale lembrar que tanto o conceito de refugo quanto o de retrabalho, embora sejam comumente utilizados na indústria, podem servir, perfeitamente, para compreendermos a realidade da produção agropecuária.

Documentação

Há muitas unidades produtivas que têm documentações sobre os seus produtos somente em uma única ferramenta de gerenciamento. Similarmente, ainda que esses recursos sejam fundamentais, eles podem não captar informações das listas mais completas ou revelar mudanças que tenham sido efetuadas em determinado processo.

Só para ilustrar, confiar exclusivamente em apenas uma ferramenta eleva as possibilidades de erros e da necessidade de retrabalho nos refugos e na produção. De maneira idêntica, além de manter os processos, é altamente recomendável criar e atualizar estruturas para cada um dos processos, com ferramentas específicas.

Posto que essas informações fundamentam os demais processos – como a definição de compra de insumos – é indispensável que os dados da lista sejam atualizados e precisos.

Informações inadequadas podem gerar, por exemplo, a compra de insumos errados. Caso eles não possam ser devolvidos ou aproveitados em outros procedimentos, acabam sendo classificados como refugos de produção.

Refugo

Monitoramento

Primeiramente, não se esqueça de que, além de documentar a lista de materiais, a manutenção de um rigoroso acompanhamento de todas as etapas do processo produtivo contribui para reduzir os retrabalhos e o acúmulo de desperdícios.

Em segundo lugar, pode ser de grande ajuda buscar respostas coerentes para questões como:

  • Os colaboradores contam com procedimentos padronizados, a partir dos quais devem se guiar?
  • A equipe recebe instruções corretas de trabalho?
  • Os funcionários conhecem as ferramentas a serem empregadas em cada uma das etapas de um ciclo de produção?

Nesse ínterim, esse tipo de informação deve ser transmitido com facilidade, assegurando que os membros da equipe atuem com as versões mais atuais do planejamento estratégico da produção.

Ainda mais importante: trabalhar com informações desatualizadas potencializa as falhas e compromete a gestão da qualidade. Bem como os resultados podem ser produtos insatisfatórios, eles gerarão prejuízos e necessitarão ser transformados em refugo ou prontamente reparados.

Treinamento da equipe

No entanto, um dos modos mais eficientes de evitar o retrabalho e o refugo consiste em capacitar continuamente os seus colaboradores. Para que os treinamentos sejam uma excelente intervenção do monitoramento dos processos, eles devem ter impactos diretos sobre a produtividade e a elevação da qualidade dos produtos finais.

Afinal, ao implementar a automatização, por exemplo, os colaboradores devem estar devidamente habilitados a lidar com essas novas exigências. Eventualmente, o desempenho de suas funções deverá agregar cada vez mais valor aos processos produtivos automatizados.

Porquanto a frequência de treinamento deve, idealmente, atender a demandas relativas ao manuseio do maquinário agrícola, você não deve, em hipótese alguma, negligenciar aspectos como os parâmetros de qualidade e o gerenciamento de manutenção, uma vez que ambos contribuem para aumentar os níveis de segurança.

Se bem que, quanto mais alinhados aos padrões da sua organização, tanto menores serão as chances de que existam erros e desvios. Consequentemente, existirá uma carga consideravelmente menor de geração de refugo e retrabalho.

Refugo

Controles eletrônicos ou manuais?

Uma vez que a documentação de quaisquer mudanças é algo indispensável, é igualmente importante a comunicação permanente e efetiva de informações. Seja como for, algumas organizações optam por documentar e registar os processos e estruturas utilizando papel.

Entretanto, existem preocupações óbvias em relação a isso. Tanto quanto podem se perder, os formulários em papel tendem a demorar bastante para serem passados adiante.

Com o intuito de identificar quais documentos se referem às últimas atualizações, os registros em papel deixam tudo mais complicado. Antes que os documentos já estejam rodando por um tempo, com vários profissionais envolvidos nos processos, é altamente recomendável buscar uma alternativa mais eficiente.

Todavia, caso exista um plano para a redução de refugos e teletrabalhos agropecuários, é crucial levar em consideração a implementação de um software. Anteriormente, ele deve permitir a visualização histórica de todas as alterações, incluindo os responsáveis pelas modificações e por suas aprovações.

Logo depois de implantar essa funcionalidade, você garantirá que todos os membros de suas equipes (independentemente de quantas sejam) estejam, efetivamente, trabalhando com as mesmas informações.

Já que essa iniciativa é capaz de eliminar um dos problemas que mais causam retrabalho no cenário agropecuário, será possível também reduzir consideravelmente a produção de qualquer tipo de refugo. A saber, todas as unidades produtivas no mercado do agronegócio que foram capazes de avançar nessa direção conseguiram intensificar sua produtividade e aumentar significativamente a sua lucratividade.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo