Rejeito é toda sobra que não pode ser aproveitada de forma alguma

Inicio » Meio Ambiente » Rejeito é toda sobra que não pode ser aproveitada de forma alguma
19/11/2019 Por
Rejeito é toda sobra que não pode ser aproveitada de forma alguma

Aterro sanitário ou incineração são as destinações ambientalmente corretas para se descartar rejeito

Com as tragédias ambientais de Brumadinho e Mariana, ambas cidades mineiras, se tornou popular a expressão “rejeito” e “barragens de rejeitos”. Por se tratar de termos não tão comuns para a maioria da população, ainda geram muitas dúvidas sobre o que exatamente se trata.

Por ser semelhante a “resíduos” e ter significado parecido com “lixo”, muitos tendem a considerar os termos como sinônimos, mas “rejeito” recebe classificação diferente de resíduos ou de simplesmente lixo. Isso é evidenciado ao se analisar o descarte dessa substância que não pode ser efetuada em qualquer terreno ou lixeira.

Rejeito

O que é rejeito?

Rejeito é uma categoria de resíduo, o que não significa que tenha o mesmo significado. Como estão relacionados, é necessário explicar o significado de um para melhor entendimento do significado do outro.

Veja a diferença entre rejeito e resíduo a seguir.

Rejeito e resíduo

Resíduo é tudo o que pode ser utilizado, ou melhor, reutilizado de um produto. Um exemplo é a embalagem de um produto ou a casca de uma fruta. Com esses materiais, é possível reaproveitá-los para fazer um novo produto ou simplesmente utilizá-los para outras finalidades. Ou seja, tudo que pode ser reciclado é considerado como um resíduo.

Resíduos recebem classificação diferente conforme a sua composição. Por exemplo, se o resíduo é encontrado na forma sólida, é classificado como resíduo sólido; se na forma líquida, resíduo efluente; se na forma gasosa, resíduo de gases e vapores.

O local de origem do resíduo também serve para fazer classificações. Há resíduos:

  • Domiciliares;
  • De limpeza urbana;
  • Sólidos urbanos;
  • Industriais;
  • De serviços de saúde;
  • De mineração;
  • Da construção civil.

Já rejeito é uma variante de resíduos sólidos. É a fase em que o resíduo já foi reutilizado de todas as formas possíveis e já não há meios de se fazer uma nova reciclagem ou uma destinação útil. O rejeito é a fase em que as possibilidades de reaproveitamento estão todas esgotadas.

Nesse estágio, não há mais nada a se trabalhar com esse material, não existindo outra destinação cabível do que o seu descarte definitivo. Contudo, seu descarte deve ser feito em locais apropriados, pois os rejeitos podem provocar impacto ambiental danoso.

Os locais mais indicados para o descarte são os aterros sanitários, devidamente licenciados ambientalmente, ou usinas de incineração.

Assim como os resíduos, os rejeitos têm classificações diferentes. Vejamos quais são a seguir.

Rejeito

Tipos de rejeito

Conforme explicado acima, rejeito é todo material para qual não existe a possibilidade de uma reutilização. Não significa que o que é considerado hoje um rejeito jamais possa deixar de sê-lo.

Se futuramente desenvolver-se tecnologia para dar uma nova utilidade ao que conhecemos hoje como rejeito, ele passará de “rejeito” para “resíduo”.

Mas quais são os tipos de rejeitos hoje categorizados? O que se tornou mais popular por causa das últimas tragédias ambientais no Brasil foram os rejeitos de minério ou rejeitos de mineração.

Estes serão alvo de explicações mais detalhadas adiante, mas existe outra categoria de rejeitos bem mais próxima do cotidiano da população, mas a maioria não tem ciência que lida com uma variante de rejeitos.

Essa categoria são os rejeitos de cozinha. Qual destinação se dá a um guardanapo usado senão o descarte definitivo? O mesmo se aplica para plásticos sujos de sangue, que normalmente embalam as carnes da mistura do dia.

Outro tipo de rejeito é o do banheiro. Papel higiênico usado também não recebe uma nova destinação com função útil, portanto, é considerado um tipo de rejeito.

Mas agora nos centremos na categoria de rejeitos mais famosa.

Rejeitos de mineração

Os chamados rejeitos de mineração são a sobra de quando se faz o processo de separação entre o minério de ferro do material que não tem valor comercial, os próprios rejeitos.

O minério de ferro é a matéria-prima para a fabricação do aço, material base de diversas indústrias, como a automobilística, a de construção civil e a de eletrodomésticos. Por isso, muito valioso.

Para fazer a separação do material de valor do descartável, o minério extraído das rochas é jogado em um tanque com uma boa quantidade de água.

Os rejeitos separados do minério são basicamente constituídos de minério com baixa concentração de ferro, por isso, considerados pobres, além de areia e água. Essa mistura provoca o aspecto lamacento que infelizmente milhões testemunharam nas imagens das tragédias ambientais que devastaram comunidades inteiras.

Após a separação, os rejeitos são transferidos para as barragens de rejeitos, pois é necessário armazenar essa “lama” inútil em algum lugar. Como não é recomendado ambientalmente fazer o descarte em qualquer lugar, é construído um dique em um solo específico. Esse dique é construído para conter os rejeitos em um único lugar.

Esse método de armazenamento é considerado o mais antigo e também o mais econômico e simples de se executar.

Atualmente existem outros métodos de se fazer a separação entre minérios e rejeitos, processo conhecido como “beneficiamento”, que não utiliza água.

Por não utilizar água, o lamaçal de rejeitos não é gerado, fazendo desnecessário o uso das barragens. Mas esse processo que recebe nome de “mineração a seco” exige tecnologia mais sofisticada, portanto, mais onerosa.

Rejeito

Rejeito é lixo?

Falamos da diferença de rejeitos e resíduos, mas qual seria a diferenciação com o que conhecemos mais popularmente como “lixo”?

Para apontar as distinções entre um termo e outro, vale fazer uma conceituação sobre o que é visto e entendido como lixo.

Consultando os principais dicionários, aprendemos que lixo vem do latim lix e significa “cinza”. Também verificamos que os dicionários definem lixo como “tudo aquilo que não se deseja mais”, por isso, joga-se fora. É tudo que não se tem mais valor de alguma ordem e que não pode ser reutilizado para outro fim.

Ou seja, é bem próximo da conceituação de “rejeitos”. Na verdade, na linguagem técnica, o termo “lixo” não é utilizado. Ou é considerado rejeito, por não ter utilidade, ou então é considerado resíduo, quando há possibilidades de reciclar e encontrar um novo uso.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo