Saúva, a formiga-cortadeira, tem mais de 200 espécies

Inicio » Meio Ambiente » Saúva, a formiga-cortadeira, tem mais de 200 espécies
24/12/2019 Por
Saúva, a formiga-cortadeira, tem mais de 200 espécies

A partir do cultivo de uma colônia de fungos, as formigas saúva ou cortadeira obtêm alimento

As espécies de formiga saúva são conhecidas por sua habilidade em cortar as folhas vegetais. Elas são capazes de carregar essas folhas por longas distâncias até o formigueiro.

A saúva não se alimenta da folha em si, mas de um fungo que degrada as partes vegetais carregadas pela formiga para dentro do formigueiro. A partir da sua atividade de cultivo do fungo, elas podem ser prejudiciais para lavouras e pomares.

Saúva

O que é saúva?

Saúva é o nome dado a 200 espécies de formigas cortadeiras. Para entender o que é saúva, é importante conhecer as principais características do inseto.

Vivem em sociedades organizadas e possuem relação mutualística com fungos. As atividades das formigas costumam ser divididas entre elas, com diferentes funções.

O significado de saúva vindo do Tupi é a identificação de formiga mestra.

Essa denominação ocorre devido ao tamanho e proporções que pode chegar a formiga saúva quando comparada a outros gêneros de formigas. São caracterizadas por carregar folhas, por vezes maiores do que elas, as quais elas mesmas cortam.

Alimentação da formiga saúva

Estes insetos cortam as folhas de plantas mono e dicotiledôneas, de diversas espécies, e as carregam para o seu formigueiro. O formigueiro é construído em locais com pouca ou nenhuma incidência de luz e com grande umidade.

Deste modo, o ambiente fornece as condições perfeitas para o desenvolvimento de uma colônia de fungos. Ademais, as formigas fornecem as folhas cortadas como meio de cultura para desenvolvimento das colônias, sendo capazes de carregar até cem vezes o próprio peso.

Os fungos, por sua vez, recebem o alimento e se reproduzem, concomitantemente à realização da degradação da matéria orgânica.

Após esse processo, as formigas alimentam-se do fungo. Sua forma anatômica é constituída por um exoesqueleto impermeável. As formigas contam, como os outros insetos, com três pares de pernas e um par de antenas. O corpo é dividido em cabeça, tórax e abdome.

O nome é atribuído à sua atividade de cortar, a qual só é realizada pela existência de mandíbulas fortes e robustas. Os ovos fecundados irão originar fêmeas diploides, enquanto os ovos haploides não fecundados darão origem aos machos.

A formiga passa por fase completa de metamorfose: do ovo surge a larva, da larva transforma-se em pupa e da pupa originam-se os insetos. Todas as formigas comunicam-se por meio de feromônios para formação de trilhas e sinalização durante a procura por alimentos.

Seus predadores naturais podem ser pássaros, sapos e rãs predadores de insetos, os tatus brasileiros, aranhas, entre outros. Na ausência de predadores naturais, as formigas têm crescimento populacional exponencial.

Saúva

A estrutura de sociedade das formigas

Estas espécies de formigas saúva são consideradas tão inteligentes quanto as abelhas e têm estruturas sociais tão complexas quanto as existentes nas colmeias.

A sociedade e as relações hierárquicas das formigas podem ser bem complexas. Ao fundar um formigueiro, as formigas saúvas fêmeas voam para encontrar os machos reprodutores. A então rainha começa a produzir as formigas machos e fêmeas que irão compor o formigueiro.

As formigas passam por metamorfose, chegando à forma de inseto após três anos. Um único formigueiro pode abrigar de 6 a 7 mil insetos.

Estrutura do formigueiro

  • A rainha, responsável por reproduzir e fundar o formigueiro;
  • As cortadeiras são as formigas destinadas à procura de alimento para o fungo;
  • As formigas de guarda ou soldados são responsáveis pela proteção do formigueiro e do fungo;
  • As formigas operárias são responsáveis pela construção e pela limpeza e manutenção do formigueiro, retirando o fungo que não é mais utilizado e outras formigas mortas. Normalmente essa classe é estéril;
  • As formigas enfermeiras são as que cuidam das larvas, pupas e ovos da rainha depositados no interior do formigueiro e protegidas.

Cada formiga desempenha o papel fundamental para o bom desenvolvimento do formigueiro. Ademais, as rainhas podem ter expectativa de vida de até 30 anos. As formigas enfermeiras e as rainhas cuidam mais de ovos fecundados, os quais originam fêmeas, do que aqueles que vão originar formigas do sexo masculino a partir da partenogênese.

As formigas do sexo masculino, ao atingirem a maturação sexual, acasalam e morrem.

Deste modo, a sociedade de formigas é um exemplo de sociedade matriarcal. Após a fecundação das formigas fêmeas, elas regressam ao solo e perdem suas asas. Após essa metamorfose, cada formiga irá fundar o seu próprio formigueiro.

Saúva

A formiga na lavoura

Por sua reprodução acelerada e formação de novos indivíduos e colônias, as formigas podem ser prejudiciais a espécies vegetais. Conforme ocorre a grande oferta de alimento, o potencial de proliferação destes insetos aumenta. A formiga saúva então começa a cortar as folhas de plantas na lavoura, podendo se tornar uma praga.

Em contrapartida, o trabalho realizado pelas formigas para a construção de formigueiros beneficia o solo, assim como a ação das minhocas. A escavação promove a aeração dos solos, bem como a inserção e decomposição de matéria orgânica contribuem para a fertilização do solo.

Porém, a população de formigas Saúva chegou a ser uma ameaça em todo o Brasil para as plantações. A agricultura brasileira teve prejuízos devido ao ataque destas espécies às lavouras, as quais foram devastadas pelos insetos.

Além disso, a saúva, assim como as formigas do gênero Quenquém, causam a desfolhação das plantas de pinus, eucalipto, cana de açúcar, entre outras culturas.

Os ninhos podem abrigar milhares de insetos que, por sua vez, procuram alimento nas plantações. Devido a isso, os agricultores procuram aplicar métodos para controle ou erradicação da população de formigas. Estes métodos podem consistir no controle biológico, introduzindo predadores naturais no ambiente, como o tatu.

Do mesmo modo, podem ser aplicados defensivos agrícolas. Entretanto, o uso de inseticidas tem sido menos procurado. Outrossim, seja qual for o método para manter a integridade das cultivares, deve ter acompanhamento de técnicos responsáveis, como agrônomos.

A saúva é uma iguaria comum em algumas tribos e culturas regionais no Brasil. Além disso, também pode ser utilizada em rituais e desenvolvidas receitas culinárias com esta espécie, pois são fonte de proteínas e vitaminas.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo