Seara é catarinense que atua no ramo alimentício desde 1956

Inicio » Agronegócio » Seara é catarinense que atua no ramo alimentício desde 1956
14/08/2019 Por
Seara é catarinense que atua no ramo alimentício desde 1956

Fundada há mais de 60 anos, a Seara mantém o posto de uma das maiores produtoras e exportadoras de alimentos no Brasil

Reconhecida entre as maiores produtoras de alimentos em todo o Brasil, a Seara Alimentos conta com 52 unidades fabris e 14 centros de distribuição. Está presente em 75 países. Processa, anualmente, mais de 1,3 bilhões de cabeças de aves e 5 milhões de cabeças de suínos.

A marca Seara, desde 2013, pertence à JBS Foods que, com a operação de 6 bilhões de reais, se tornou a maior processadora de frango do mundo. A marca, em tentativa de se tornar conhecida globalmente, produziu comerciais com estrelas famosas como Robert De Niro, além de patrocinar grandes eventos como a Copa do Mundo FIFA.

seara

O que é Seara?

Seara é uma empresa brasileira do ramo alimentício. Conta com uma grande diversidade de produtos no segmento; incluindo derivados de processamento de carne de frango, aves, suínos e alimentos industrializados.

É uma das maiores marcas do mercado brasileiro de alimentos e, dessa forma, compete com marcas como Sadia e Perdigão. É detentora de grandes fazendas para a criação de aves, suínos e gado. Produz até bilhões de alimentos a partir do abate desses animais. É, certamente, a maior exportadora brasileira de carne suína e de carne de frango.

A história da Seara

A Seara Alimentos é uma empresa de origem brasileira. Desde a sua fundação, obteve notoriedade em seus empreendimentos. Prova disso é que despertou o desejo de compra por várias empresas ao longo de sua trajetória de mais de 60 anos.

Apesar de passar por mãos diferentes durante a sua jornada, parece que foi marcada para o sucesso, pois nunca parou de crescer e se tornar uma das líderes globais do segmento que atua.

Sua história começa no ano de 1956, no dia 18 de novembro, em decorrência da inauguração de seu primeiro frigorífico.

Desde o seu princípio, a Seara estava marcada para ser grande. O primeiro frigorífico da marca foi o primeiro de grande porte da cidade de Seara, Santa Catarina. Isso, sem dúvida, inspirou o seu nome.

Além disso, seus fundadores eram pessoas importantes, pois foram os irmãos Artêmio Paludo e Aurélio Paludo, Teodoro Barbieri e diversos outros sócios. O segundo Paludo, Aurélio, era nada mais nada menos do que prefeito de Seara na ocasião.

No mesmo ano de fundação, ocorreu a primeira experiência de abate de suínos na empresa. Posteriormente, o abate de aves veio a ocorrer no início da década de 1970, em 1973. À época, a empresa tinha como propriedade uma fábrica de ração, granja de matrizes e contratos com agricultores.

A primeira exportação de carnes se deu no ano de 1975 para o Kuwait. Essa prática viria a se tornar constante, mais ampla e diversa com o passar dos anos.

seara

A primeira venda

Na década de 1980, então, começa a primeira série de compra de empresas para obter o controle da marca. A primeira foi a Ceval Alimentos, na época conhecida como uma grande processadora de soja.

Por ter seu nome já consolidado no mercado brasileiro e ser um fornecedor tradicional no exterior, a Ceval optou em manter o nome da marca e sua identidade visual.

Na era Ceval, sem dúvida, o número de unidades industriais da Seara foi ampliado. Ainda, foi sob a gestão da empresa processadora de soja que ocorreu a primeira exportação de carne para o Japão. E foi também nesse período que a Seara se tornou a primeira empresa brasileira a exportar cortes de frango para o concorrido e exigente mercado europeu.

Os anos 1990 dessa fase foram, sem dúvida, marcados por um maciço investimento na ampliação dos produtos e da atualização tecnológica dos parques industriais.

A segunda venda

Na segunda metade da década de 1990, em 1997, outra importante processadora de soja, mas estrangeira, a Bunge International, assumiu o controle acionário da Ceval. Isso a fez se tornar proprietária da marca Seara. Sob essa gestão, a Seara passou a ser tratada como um segmento totalmente dedicado a aves, suínos e processados.

Na era Bunge, também ocorreram conquistas importantes para a Seara. Por exemplo, o fato de ter tomado a liderança na exportação de carne suína, em 2000.

Outro feito importante foi o de ter realizado a primeira venda para rede de fast food McDonald’s, iniciando uma estreita parceria de fornecimento de carnes.

Data dessa época o lançamento de produtos Seara na linha de pratos congelados, diversificando a sua produção e, assim, chegando a muito mais lares.

Nessa linha de produtos, podemos destacar:

  • Lasanhas;
  • Yakisoba;
  • Escondidinhos;
  • Hambúrgueres;
  • Empanados;
  • Pizza Seara;
  • Carnes suínas e de aves.

A diversidade de produtos Seara ocorreu graças à inauguração de uma moderna unidade de produção de cozidos de carne suína. A capacidade dessa nova unidade de produção de carne processada chegava a oito mil toneladas ao ano. Um marco impressionante, não é mesmo?

Também remonta a esse período o fortalecimento da marca em âmbito internacional. Foi nessa época que ocorreu a abertura de escritórios em diversos países como Japão, Holanda, Argentina, entre outros.

A terceira venda

Em 2005, a nova proprietária da Seara foi a empresa alimentícia norte-americana Cargill. Essa fase foi a de menor duração, por isso, sem grandes registros. No entanto, o que caracterizou esse período foi a continuação de lançamento de diversos produtos Seara para diversificar o ramo de negócios.

seara

A quarta venda

Em uma negociação que girou aproximadamente 900 milhões de dólares, a Seara voltou a ter controle de mãos brasileiras. O frigorífico Marfrig, um dos maiores do Brasil, comprou os direitos de uso e controle da marca junto à Cargill.

A era Marfrig teve como grande destaque o desejo de tornar a marca Seara facilmente reconhecível em qualquer lugar do planeta. Foi o que a motivou a ser uma das patrocinadoras da Copa do Mundo de Futebol FIFA de 2014 e também da equipe do Santos Futebol Clube.

A quinta venda

O endividamento da Seara nessa tentativa de se tornar mundialmente conhecida foi grande, sendo, assim, o principal motivo de venda para a JBS Foods, no valor de 6 bilhões de reais. A aquisição da JBS fez com que a Seara se tornasse a maior processadora de frango do mundo.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo