Tambacu e sua popularidade entre os pesqueiros da região Sudeste

Inicio » Pecuária » Tambacu e sua popularidade entre os pesqueiros da região Sudeste
28/02/2019 Por
Tambacu e sua popularidade entre os pesqueiros da região Sudeste

Criação de tambacu para qualidade de consumo

A pesca de tambacu, tilápia, pacu e várias outras espécies é uma atividade realizada em grande demanda nas proximidades de costas, rios e lagos e em territórios rurais. Tanto pela mão de obra familiar, quanto por hobby para liberação dos peixes.

Algumas das principais espécies de peixes nos pesqueiros são: tambacu, tambaqui, pacu e caranha, entre outros. O índice de comercialização de alevinos – filhotes de peixe – dessas espécies pode chegar a R$330 reais por quilo, de acordo com a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (EMPAER).

Pesca de tambacu

O que é tambacu?

Nativo da Bacia Amazônica e o mais farto dos peixes entre os pesqueiros, o tambacu é um peixe proveniente do cruzamento entre as espécies tambaqui e pacu. Mas o que diferencia o tambacu de sua progenitora tambaqui são as sua características físicas. Enquanto os tambacus possuem um corpo arredondado, liso e lúbrico; os tambaquis têm o corpo comprido e áspero.

Entretanto, a coloração dos tambacus pode confundir os pescadores na hora da pesca; pois, dependendo da região ou da água, sua cor pode apresentar diferentes tonalidades. Algumas cores apresentadas são:

  • negro;
  • marrom;
  • cinza;
  • dourado – tom difícil de ser encontrado;
  • rajado;
  • preto e verde – muito confundido com o tambaqui.

Herdado dos pacus, os tambacus têm forte resistência às quedas de temperatura e conseguem continuar sua jornada mesmo com baixo metabolismo e alimentação menos frequente. Portanto, têm diferentes opções de alimento, seu sustento é prático e pode variar entre rações para peixes, massas, fígado e minhocas.

Criação de tambacu

A criação de tambacu deve ser regrada desde o início. Isso porque, para que criadores mantenham a qualidade do peixe para comercialização, é necessário o controle total. Podendo chegar a 1,5 kg num período de um ano, os tambacus apresentam melhor situação para venda e consumo quando atingem aproximadamente 3 kg.

Grande parte da venda de tambacus para o mercado é enviada para restaurantes, feiras, peixarias e supermercados. Na piscicultura – criação de seres aquáticos -, essa espécie propõe altos lucros e vantagens em sua criação, principalmente por sua carne consistente e saborosa e os benefícios que oferece à saúde dos seres humanos.

Tambacu e tambatinga

O comércio de determinados tipos de peixes como tambacu e tambatinga é ocasionado pelo alto número de buscas de agricultores para reprodução, recria e engorda dos alevinos. Em um intervalo de um ano, os alevinos podem chegar a pesar 800 kg e manter sua baixa taxa de mortalidade, seguindo o processo de crescimento saudável.

A espécie tambatinga é concebida pelo cruzamento de tambaqui com pirapitinga. São peixes conhecidos por sua migração de longa distância em períodos de chuva para a liberação de óvulos e espermatozoides na água. Por serem animais onívoros, têm fácil escolha de alimentos como sementes, frutos e pequenos peixes.

Tambacu

Principais pescados

Contudo, o processo de pescados no Brasil é designado por diferentes espécies de peixe; as principais sendo:

  • Tilápia
    É a espécie de maior criação no país há mais de 15 anos;
  • Carpa comum
    Primeira categoria de peixe inserida para cultivo no país;
  • Tambaqui
    Tem sua maior linha de produção no Amazonas, em Rondônia e no Mato Grosso;
  • Pacu
    Maior nível de produção na região Centro Oeste do Brasil;

Os maiores produtores da espécie tambacu são encontrados desde 2006 até os dias de hoje nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo, respectivamente.

Agro20 | Portal Vida No Campo