Canário vermelho é cruzamento entre o canário e o tarim-da-Venezuela

Inicio » Meio Ambiente » Canário vermelho é cruzamento entre o canário e o tarim-da-Venezuela
23/03/2021 Por
Canário vermelho é cruzamento entre o canário e o tarim-da-Venezuela

Cruzamento entre espécies dá origem ao canário vermelho, uma ave que até hoje levanta inúmeras possibilidades. À primeira vista, o canário vermelho pode soar distinto das demais espécies da família. Isso deve-se ao fato de que essa tonalidade foi introduzida a partir dos primeiros canários domésticos, como o pintassilgo-da-Venezuela.

Como base na evolução biológica, o surgimento do canário vermelho tem o apoio de especialistas para ser apontado como a primeira espécie animal a ser manipulada geneticamente na história natural mundial. Enfim, apesar de modestos treze centímetros de comprimento, você já vê que essa espécie não chama a atenção apenas pela sua beleza.

  1. Características do canário vermelho
  2. Tons do canário vermelho intenso
  3. Canário belga vermelho
  4. Canário vermelho mosaico
  5. Canário vermelho nevado
  6. Alimentação do canário vermelho
  7. Acasalamento do canário vermelho
  8. Época de acasalamento do canário vermelho
  9. Quanto custa um canário vermelho?
  10. Gaiola para canário vermelho
  11. Poleiro para canário vermelho
  12. Existe canário vermelho no Brasil?
  13. Doenças do canários vermelhos
  14. Outros tipos de canários de cor
  15. Criação de pássaros no Brasil


Características do canário vermelho

Canário vermelho é uma das variedades mais inusitadas dessa família de aves que encanta tanto pelo canto quanto pela beleza de suas plumagens. Aliás, esse encanto tem origens prováveis a partir do cruzamento entre uma fêmea de canário e a espécie Spinus cucullatus, o tarim-da-Venezuela (ou pintassilgo-da-Venezuela).

De qualquer forma, essas aves foram criadas no início do século passado com uma que já variava de laranja a vermelho intenso. Em linhas gerais, essa tonalidade tem base mesmo no Tarim, uma ave da família dos Fringíllidae.

Ou seja, são peculiares o pescoço e a cabeça preta, as asas pretas e tons laranja-vermelho. Por outro lado, sua cauda pode ser negra e o resto vermelho, mas ventre e peito costumam ser mais brilhantes. Vale ressaltar que, durante sua reprodução, são parecidos à do canário, pertencente à mesma família.

Em outras palavras, seus machos férteis híbridos eram criados a partir do cruzamento com canárias fêmeas e amarelas. Com isso, deram início a uma seleção de crias para obter a hoje reconhecida tonalidade avermelhada.

Em contrapartida, para conquistar o tom, alguns criadores dizem que é preciso apenas dar ao canário vermelho produtos à base de cataxantine. Para isso, bastar criar misturas de farinhas encontradas em vários aviários legalizados.

Em todo caso, você pode fazer análises pela coloração das fezes do canário vermelho. Dessa forma, ao estarem rosas ou meio avermelhadas, a dose está ideal. No entanto, nos casos sem coloração ela está baixa e, quando muito escuro, está exagerada.

Enfim, vale ressaltar para você não exagerar na dose, pois isso pode prejudicar a ave e até provocar doenças diversas.

Assim sendo, não é à toa que o canário vermelho conquista pela quase raridade de sua existência. Afinal, toda ave exótica e silvestre nasce com uma singularidade que conquista seus apreciadores.

Tons do canário vermelho intenso

Para analisarmos a história do canário vermelho intenso, saiba que ela é repleta de tentativas e episódios que remontam há cerca de cem anos. Afinal, os registros datam do ano de 1895. Isso porque, no ano de 1914, o pioneiro dessa criação fez a introdução da espécie tarim-da-Venezuela no processo.

De fato, não fora conquistado o canário vermelho original em toda a sua extensão. Para isso, teve que ser usada uma complementação alimentar especial para obter esse tom de vermelho. Ainda assim, exceções como o tico-tico rei ainda são provas de que híbridos possam dar o tom especial à sua plumagem.

Em linhas gerais, sobre as teorias do fator colorido do canário vermelho, são duas as hipóteses aceitadas por biólogos: uma genética e outra química.

Em relação à questão genética, a teoria diz demonstrar que o fator de tom do canário vermelho tem origens na propriedade da espécie Tarim. Isso porque ele pode transferir à primeira geração híbrida um gameta que contém a genética da fatoração vermelha. A partir de então, pode surgir um heterozigoto para esse tom.

Na questão química, acredita-se que a célula da ave conte com estruturas relativas a vermelho e amarelo.

Apesar de ter origem em seus ancestrais, o canário vermelho não tem catalisadores para o metabolismo acelerar suas reações bioquímicas. Ou seja, sua plumagem lipocromática amarela esperou até ocorrer uma mutação que inibiu a cor, originando a espécie branca.

Canário belga vermelho

Exótico por natureza, o canário belga vermelho sofre especulações sobre a origem da coloração do canário vermelho.

Em especial, os que apresentam linhas claras levantam dúvidas sobre seus segredos e origens. Ainda assim, seguindo a linha do mistério, podemos dizer que se trata apenas de experiências diversas ao criar essas aves, mantendo apenas teses e hipóteses casuais.

De qualquer forma, profissionais orientam a não poupar no corante em meio às refeições. Todavia, é preciso rever com muito cuidado a administração desses produtos, pois até mesmo a redução de investimento pode gerar problemas na evolução biológica.

Assim, não queira ter resultados de forma caseira, visto que essa coloração vem a partir de uma soma de fatores. Em suma, é preciso alinhar profissionalmente uma alimentação balanceada, uma seleção rigorosa e a dosagem correta dos corantes.

Por certo, considere que cada canário vermelho precisa ter uma quantidade de pigmentação alimentar suficiente para ocorrer saturação em sua capacidade de assimilação. Com isso, possa haver um processo fenotípico aliado ao seu potencial genético.


Canário vermelho mosaico

Em relação ao canário vermelho mosaico, saiba que no início da dosagem, seja para a linha clara ou para os melânicos, há uma regra básica que deve seguir normas profissionais. Com isso, queremos dizer que, diariamente, o ideal é de cerca de dez por cento de produtos adequados e testados ou nove gramas de cantaxantina para cada quilo de farinha pronta.

No entanto, alguns criadores utilizam dosagens diferentes, variando de acordo com a idade da ave. Em todo caso, essa prática é difícil para criadores amadores, pois não recomendamos nenhum processo experimental nessas belas aves.

Com essa metodologia, é vital que você mantenha uma dosagem padrão e assistida por biólogos legais. Afinal, é preciso manter a saúde do seu canário vermelho ou de outra espécie. Além do mais, isso evita que ocorra uma variação anormal na coloração do seu plantel, atrapalhando a seleção em geral.

No entanto, para você saber se determinado canário vermelho não possui tom correto ou coloração errônea, temos a resposta para você. Neste caso, certifique-se de que todos os exemplares consumam de modo homogêneo o pigmento à disposição.

Canário vermelho nevado

Canário vermelho nevado, canário-belga nevado ou, ainda, canário-belga vermelho nevado é mais uma variação de cor desse pássaro que encanta pessoas no mundo todo.

Quando você pensa em neve, qual é a primeira coisa que vem à mente? Certamente, os floquinhos brancos característicos dessa ocorrência meteorológica.

Agora, imagine as ruas e as casas cobertas pela neve. Imaginou? Pronto: é a mesma coisa com o canário vermelho nevado.

O canário-belga nevado, como o próprio nome indica, possui uma coloração de brilho menos intenso. Entretanto, não é somente isso que o diferencia dos outros canários vermelhos, incrivelmente belos e chamativos.

As pontas das penas dos canários nevados são branquinhas. Isso ocorre não somente com a variante de cor vermelha, mas também com qualquer tipo de canário que, porventura, seja chamado de nevado.

É fácil diferenciar um canário nevado de um canário não nevado, já que somente o primeiro possui essas peninhas branquinhas características como se, realmente, estivesse coberto por floquinhos de neve.

Alimentação do canário vermelho

Como vimos logo no início do artigo, o canário vermelho é parente distante do pintassilgo-da-Venezuela (que, por natureza, exibe as cores vermelho e preto). O que isso tem a ver a alimentação do canário vermelho? Muita coisa.

Se você tudo com atenção, deve se lembrar de termos mencionado que o canário vermelho provém do cruzamento de duas espécies diferentes, ou seja, uma fêmea de canário silvestre e um macho do pintassilgo-da-Venezuela.

Também conhecido como cardinalito-da-Venezuela, a espécie do macho que origina o canário vermelho tem, em sua herança genética, o gene vermelho. Por isso, muitos criadores incluem em sua alimentação o carotenoide vermelho de nome cantaxantina, que está presente em alguns vegetais, para manutenção e intensificação de sua cor.

Isso significa, portanto, que o canário vermelho pode comer cantaxantina? Sim, porém há ressalvas.

O carotenoide, que pode ser oferecido à ave tanto de maneira natural através de alimentos como cenoura e pimentão vermelho com sementes, quanto de maneira química através de suplementos, é metabolizado no fígado. Assim, a fim de evitar riscos, recomendamos também oferecer um protetor hepático à ave.

Além disso, claro, os alimentos mais indicados para o canário vermelho são:

  • Farinhada para canários (caseira ou industrializada);
  • Mistura de grãos contendo alpiste, aveia, linhaça, nabão, colza, níger, entre outros;
  • Óleo de soja e óleo de girassol misturados à farinhada.


Acasalamento do canário vermelho

Para quem deseja acasalar o canário vermelho belga, algumas dicas são essenciais a fim de obter sucesso na empreitada.

A primeira regra de ouro é que você nunca deve acasalar canários com fator e sem fator entre si. Igualmente, também não deve acasalar canários de maior porte com canários de cor. Por fim, fique atento também para nunca acasalar um canário de plumagem nevada com outro canário da mesma plumagem.

Dito isso, também é interessante cuidar para equilibrar o casal e suas características. Veja alguns exemplos:

  • Rabo comprido / curto;
  • Perna mais longa / mais curta;
  • Penas longas / curtas;
  • Cabeça de proporções finas / mais arredondada;
  • Peito imponente e saltado / normal;
  • Pescoço alongado / curtinho;
  • Asas mais cruzadas / abertas e normais.

Na hora de acasalar canários de coloração vermelha, seja qual for a variante, procure combinar macho e fêmea que assimilem o caroteno de maneira similar na plumagem. Ou seja, os mais vermelhos com os mais vermelhos; os mais clarinhos com os mais clarinhos.

Alguns cruzamentos possíveis e indicados são:

  • Intenso com marfim nevado (o resultado será um canário com o vermelho enfraquecido);
  • Marfim com nevado;
  • Marfim com marfim nevado;
  • Nevado com marfim (o resultado será um aspecto marfim mais destacado);
  • Mosaico com mosaico;
  • Mosaico com marfim mosaico (o resultado será um aspecto marfim mais destacado);
  • Marfim mosaico com marfim mosaico (o resultado será um canário com o vermelho enfraquecido).

Época de acasalamento do canário vermelho

Certamente, os criadores precisam aguardar o momento mais adequado para o acasalamento dos canários belga vermelhos. Esse momento é altamente influenciado pelo clima.

Diante disso, esteja ciente que o indicado é aguardar o término do inverno, ou seja, o momento em que a temperatura começa a ficar mais amena. Isso não é problema, claro, para os criadores que contam com ambiente climatizado.

Só para exemplificar, na região sul do país, o acasalamento dos canários tem início no mês de julho, se estendendo até o finalzinho de dezembro.

Algo importante que você precisa ter em mente é que os canários (não somente os vermelhos, mas todos eles) são fotossensíveis, ou seja, sensíveis à luz. Em média, a partir do dia 24 de junho, os dias ganham mais horas de iluminação solar, deixando as noites mais curtas. Isso, sem dúvida, ajuda a ativar a reprodução dos canários.

Por último, mas de igual importância, é estar atento a um detalhe. Tanto macho quanto fêmea precisam estar maduros e prontos para o acasalamento.

Embora não seja uma regra, os canários costumam estar maduros sexualmente com 8 ou 9 meses de vida. Assim, lembre-se sempre de se informar sobre a data de nascimento do pássaro ao adquiri-lo, sob o risco de considerá-lo inapto para reprodução quando, na verdade, ele apenas não está maduro ainda.

Quanto custa um canário vermelho?

O preço do canário vermelho pode variar com base em uma série de fatores. Uma delas, claro, é a região. Também devemos pesar fatores como idade, saúde e condições gerais.

O preço de casais de canários varia de R$ 150 a R$ 500.

Ao adquirir um canário vermelho, não se esqueça de escolher um local de boa procedência.

Ainda falando sobre custos, é interessante avaliar o gasto médio com outros itens para ter canários vermelhos como, por exemplo, gaiola que comporta uma ave (média de R$ 200), farinhada para canários vermelhos (média de R$ R$ 50 por quilo) e cantaxantina (média de R$ 30 por 25 envelopes).

Dessa forma, leve sempre todos os gastos em consideração, e não apenas o preço das aves.


Gaiola para canário vermelho

As gaiolas utilizadas para os canários vermelhos devem ser espaçosas, afinal, a ave precisa conseguir voar. Além disso, o material mais adequado é o de arame galvanizado, pois é o mais fácil de limpar.

Sempre que comprar uma nova gaiola, você deve adquirir o hábito de lavá-la muito bem com água fervente antes de transferir as aves para o local.

Agora, sobre os tipos das gaiolas:

  • Labarte: tem formato quadrado, com 40 centímetros de frente, iguais 40 centímetros de profundidade e 25 centímetros de altura. Também tem grade divisória e uma grade com fundo removível, incluindo bandeja para colocar os papéis;
  • Argentina: esse tipo de gaiola é um pouco maior, com 70 centímetros de frente, 35 centímetros de profundidade e iguais 35 centímetros de altura. São boas como criadeiras. Assim como as do tipo labarte, as argentinas também possuem grade divisória, grade com fundo removível e bandeja para colocar os papéis;
  • Voadeira: como o nome indica, esse é o tipo de gaiola ideal para garantir mais espaço ao seu canário belga vermelho. Seu formato é retangular e ela possui 1,20m de frente, 45 centímetros de profundidade e iguais 45 centímetros de altura. Além disso, são ótimas para acomodar filhotes.

Poleiro para canário vermelho

Os poleiros dos canários belga vermelhos devem ser confeccionados em madeira. Preste atenção para que não haja nenhum tipo de rachadura, imperfeição ou buraco que sirva como abrigo para parasitas.

A limpeza dos poleiros deve ser constante, a fim de garantir que ácaros e fungos não fiquem no local. Isso poderia causar uma das doenças em canários vermelhos (conforme veremos mais à frente), atacando patas e unhas.

Abaixo, listamos algumas dicas para garantir os melhores poleiros para seu canário vermelho:

  • Verifique se eles estão bem fixos nas paredes da gaiola;
  • A espessura do poleira não deve ser muito grande, pois isso pode fazer com que os canários fiquem com as unhas deformadas;
  • Se os poleiros forem de madeira e fendas de encaixe nas laterais da gaiola, indicamos, de tempos em tempos, pulverizar inseticida nas fendas. Outra alternativa para a manutenção desse tipo de poleiro e lixar o interior da fenda ou mergulhá-los na água com cal;
  • Procure utilizar poleiros de pelo menos dois diâmetros diferentes (um menor e, o outro, maior). Nos poleiros onde a ave puder “abraçar” 50% deles com suas patas, haverá uma menor chance de ataques de insetos como mosquitos.

Existe canário vermelho no Brasil?

Sim! Há vários canaris no Brasil que criam o canário vermelho e todas as suas variações. Além disso, por ser tão imponente e bonito, esse canário de cor também está na casa de muitos brasileiros.

Por não ser uma espécie pura, ou seja, por ser híbrida, resultado do cruzamento de duas espécies diferentes, o canário vermelho não é amplamente encontrado na natureza.

Doenças dos canários vermelhos

Infelizmente, os encantadores canários vermelhos não estão livres de doenças. Algumas das que podem se manifestar estão destacadas em seguida:

  • Bouba (podendo se manifestar tanto na forma de difteria quanto varíola);
  • Coccdiose;
  • Colibacilose;
  • Choque de luz ou excesso de iluminação;
  • Foliculite;
  • Muco excessivo;
  • Candidíase;
  • Ácaros de papo;
  • Ácaros gerais;
  • Pevite;
  • Vermes de traqueia;
  • Micose;
  • Micotoxicose;
  • Micoplasmose;
  • Peito seco;
  • Postura de ovos dificultada;
  • Salmonelose;
  • Fungos (tanto nos dedos como nas unhas);
  • Piolhos.

Melhor do que falar sobre cada uma dessas doenças, o mais adequado é falar sobre as medidas que você pode tomar para evitá-las. Afinal, somente um veterinário especializado em aves pode traçar qualquer diagnóstico.

De qualquer forma, fique sempre de olho nas aves e, ao sinal de qualquer estranheza, procure o médico.

Veja, agora, o que você pode fazer para melhorar a qualidade de vida dos seus canários vermelhos:

  • Lavar muito bem as mãos após tocar em um pássaro doente;
  • Manter uma boa ventilação no local;
  • Nunca usar serragem de madeira para os ovos;
  • Servir maçãs sem casca a fim de evitar que a ave ingira muitos agrotóxicos;
  • Deixar verduras de molho antes de oferecer à ave;
  • Comprar apenas sementes e rações de procedência conhecida e segura;
  • Ao utilizar gaiolas, prefira as de arame galvanizado, evitando madeira e fibra;
  • Ainda em gaiolas, distribuir os poleiras espaçadamente, forçando o canário a voar.

Outros tipos de canários de cor

De acordo com a OBJO (Ordem Brasileira de Juízes de Ornitologia), atualmente há mais de 400 cores de canário. Além do canário belga vermelha, outras bastante conhecidas são:

  • Azul;
  • Azul opalino;
  • Asa cinza prata (ou prateado);
  • Verde intenso;
  • Verde nevado;
  • Cobre intenso;
  • Cobre nevado;
  • FEO lutino nevado;
  • FEO albino;
  • Branco dominante;
  • Albino;
  • Amarelo intenso;
  • Amarelo nevado.


Criação de pássaros no Brasil

Os animais de estimação desempenham um papel fundamental na vida de pessoas no mundo inteiro, inclusive em nosso país.

A criação de pássaros no Brasil é uma atividade altamente prazerosa. Mas, não somente isso. Afinal, ela também pode ser muito lucrativa.

Dentre as espécies de aves mais criadas em terras tupiniquins, podemos destacar algumas. Acompanhe:

  • Calopsita;
  • Canário belga;
  • Curió;
  • Canári do reino;
  • Agapornis;
  • Diamante de Gould.

Ainda, quando falamos em criação de aves, no cenário nacional, podemos definir 5 personagens principais:

  • O criador: certamente, o personagem mais importante. Ele está sempre preocupado com questões como preservação e seleção genética. Graças a eles, muitas espécies estão, hoje, seguras, sem correr risco de extinção;
  • O passarinheiro: esse personagem, de nome engraçado, denomina o indivíduo que possui variadas espécies, gosta de participar de campeonatos e até troca exemplares com outros passarinheiros;
  • O roleiro: obtendo algum lucro, é aquele que escoa a produção excedente do criador, disponibilizando pássaros de boa qualidade para os passarinheiros;
  • O traficante: esse personagem não deveria nem ser citado, mas, infelizmente, faz parte do cenário de criação de aves em nosso país. Ele captura, transporta e vende pássaros silvestres, o que é crime;
  • O IBAMA: por fim, esse é o órgão que regulamenta e fiscaliza todas as atividades de criação de aves.

No Brasil, a criação de pássaros cresce vertiginosamente, ao passo em que a comercialização ilegal também aumenta. De qualquer forma, a mão de obra barata e o baixo custo de alimentos como sementes e frutas fornecem vantagens ao nosso país.

Os custos de criação de pássaros como o canário vermelho variam bastante, principalmente, dependendo da região e da quantidade de exemplares. Assim, vale a pena pesquisar bem sobre o mercado antes de iniciar a empreitada.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo