Ameixa amarela (ou nêspera japonesa) é uma fruta considerada exótica

Inicio » Agricultura » Ameixa amarela (ou nêspera japonesa) é uma fruta considerada exótica
21/09/2019 Por
Ameixa amarela (ou nêspera japonesa) é uma fruta considerada exótica

Deliciosa, doce, picante e maravilhosamente suculenta, a ameixa amarela é uma fruta rica em antioxidantes, minerais e vitaminas

A ameixa amarela é uma fruta originada nas florestas tropicais e nas regiões montanhosas do sudeste chinês, tendo se espalhado por todo o continente asiático, incluindo o Japão, e, posteriormente, para todo o mundo.

A Índia é um bom exemplo de país no qual a ameixa amarela se popularizou e seu consumo foi amplamente expandido ao longo dos anos. Com efeito, seu sabor, a um só tempo, picante e doce, tem agradado o paladar de vários povos asiáticos há gerações.

Ameixa amarela

Características da ameixa amarela

Ameixa amarela, também conhecida no Brasil como nêspera japonesa ou, ainda, ameixa japonesa, apresenta uma casca bastante aveludada. Além disso, ela é rica em sais minerais (como fósforo e cálcio) e vitamina C.

A nêspera japonesa tanto pode ser consumida in natura quanto em saladas, mescladas com outras frutas. Para ser considerada adequada ao consumo, ela deve ser firme e fresca, sem estar demasiadamente endurecida ou murcha. Lembre-se, também, de abster-se de comprar as peças que contenham manchas escurecidas.

Para acessar todos os benefícios da ameixa amarela, é altamente recomendável assegurar-se de que as ameixas amarelas que você estiver escolhendo, no supermercado ou em uma feira, não estejam amassadas. Após comprá-las, coloque-as, sem lavar, em um saco plástico e armazene-as na gaveta de sua geladeira.

O cultivo da ameixa amarela

A ameixa amarela (cujo nome científico é Eriobotrya japônica) é uma fruta tipo pomo, tal como o marmelo, a pera e a maçã, pertencendo à família Rosaceae. Conforme mencionado, encontra-se, atualmente, extensamente distribuída em diversas regiões subtropicais do globo.

A racionalização de sua exploração, com verdadeira relevância econômica, limita-se a algumas nações, como Brasil, Israel, Espanha e Japão. Um fato curioso é que, embora existam muitas receitas com ameixa amarela e a fruta se preste excelentemente à produção de compotas, essa alternativa ainda é muito pouco explorada comercialmente.

Em São Paulo, por exemplo, o cultivo econômico da ameixa amarela iniciou-se na década de 1940, a partir de um crescente interesse dos fruticultores. Sem embargo, chegou-se à produção de 300 mil plantas no ano de 1985, sobretudo em regiões produtoras de maior vulto, como Atibaia e Mogi das Cruzes, por exemplo.

Ameixa amarela

Como plantar ameixa amarela?

Se você quer saber como plantar ameixa amarela, não se esqueça de que essa árvore, isto é, a nespereira, desenvolve-se adequadamente em regiões nas quais a temperatura média excede os 15º C.

Também é importante que não estejam sujeitas a temperaturas inferiores a 3º C. Essa condição provoca a morte prematura dos frutos mais novos.

Em São Paulo, a quantidade de água requerida por essas plantas é, de modo geral, satisfeita pelo uso de cobertura morta e as estações chuvosas. A despeito de as raízes da árvore serem bastante profundas, as plantas podem tombar sob o efeito de ventos muito fortes.

Essa vulnerabilidade pode ser ainda mais acentuada caso o marmeleiro seja o seu porta-enxerto. Nesse caso, as raízes são mais superficiais.

Não obstante, os seus ramos são resistentes, de modo que inexistem perigos de quebra pela ação do vento. Esse fator, entretanto, não impede que algumas frutas sejam prejudicadas pela fricção contra ramos vizinhos e folhas.

Sendo assim, o mais indicado é a instalação de pomares em faces menos batidas pelas ventanias. Outro método viável consiste na instalação de quebra-ventos.

Entre as cultivares, destacam-se:

  • Mizauto;
  • Mizumo;
  • Centenária;
  • Néctar de Cristal;
  • Parmogi;
  • Precoce de Campinas;
  • Precoce de Itaquera.

Mudas de ameixa

A produção das mudas deve ser feita em recipientes. As sementes, por sua vez, devem ser extraídas exclusivamente de frutas amadurecidas e, depois, deixadas para secar à sombra. Para garantir uma germinação elevada, o ideal é semear dentro de, no máximo, uma semana.

Como não existe porta-enxerto específico para as nespereiras, cada muda deve ser enxertada sobre um pé franco de porta-enxertos originados das sementes da própria árvore.

O ponto exato de enxertia ocorre depois de um período que pode variar entre oito e doze meses, nos quais o porta-enxerto deve apresentar algo em torno de 1 centímetro de diâmetro (cerca de 40 centímetros de altura) na região da enxertia.

Por seu turno, o processo poderá ser realizado em quaisquer épocas do ano, por meio do processo de “garfagem”, preferencialmente do tipo “inglês”, e coberta com sacos plásticos enrolados ao enxerto (ou garfo).

É fundamental deixar cerca de 4 folhas saudáveis do porta-enxerto abaixo da parte imediatamente enxertada. Desse modo, é possível assegurar a melhor aderência possível e o desenvolvimento correto das mudas enxertadas.

As nespereiras que são enxertadas sobre os marmeleiros apresentam, também, perspectivas promissoras. Afinal, são propiciadas plantas de crescimento reduzido, possibilitando espaçamentos adensados e dando origem a pomares de portes mais compactos.

Ameixa amarela

Espaçamento

Os espaçamentos demandados para as nespereiras são de:

  • 8 x 4 m (para os plantios convencionais);
  • 4 x 2 m (para os plantios adensados).

As quantidades necessárias de mudas são, respectivamente, 208 a 313 e 667 a 1250 por hectare. As variações devem-se, obviamente, pelas distintas necessidades de espaçamento em cada caso.

Plantio

O método científico, portanto, mais apropriado para o plantio da ameixa amarela, parte da análise do solo. Na maioria das vezes, é identificada a necessidade da aplicação de calcário. Isso é feito com o intuito de incrementar a saturação por bases a cerca de 70%.

Ao aplicar o corretivo em uma área total, antes de proceder o plantio ou, inclusive, durante a exploração dos pomares, é possível incorporar essa ação mediante gradagem e/ou aragem.

Os plantios das mudas devem ser efetuados, preferivelmente, nos períodos mais chuvosos e quentes de cada região. No estado de São Paulo, por exemplo, a melhor época se dá a partir do mês de outubro. Tenha em mente que as dimensões das covas devem ser de 60x60x60 cm.

A primeira camada (até cerca de 30 centímetros iniciais de solo), deve ser separada do subsolo (isto é, os demais trinta centímetros) e misturada com 10 kg de esterco de curral (previamente curtido) ou 2 kg de esterco de galinhas, bem como de 60 g de K2O, 160 g de P205 e 1 kg de calcário.

Tal mistura deve ser posicionada no interior da cova. Você pode completar o que faltar com terra provida de raspagens superficiais do terreno. A terra do subsolo é usada para construir uma bacia que circundará a muda de ameixa amarela depois do plantio.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo