Aprisco com boas condições garante melhor produtividade aos ovinos

Inicio » Pecuária » Aprisco com boas condições garante melhor produtividade aos ovinos
12/02/2019 Por
Aprisco com boas condições garante melhor produtividade aos ovinos

As boas condições do aprisco impactam diretamente no manejo e na produtividade econômica das fazendas. Devido isso, mão de obra e análises precisas de construção são extremamente importantes.

O aprisco garante conforto e comodidade, além disso garante bons rendimentos e bem-estar aos bichos. Para isso, alguns cuidados são essenciais para o seu bom funcionamento.

  1. O que é aprisco?
  2. Manejo adequado do aprisco
  3. Cuidados no aprisco
  4. Construção de apriscos
  5. Mercado de ovinos no Brasil
  6. Criação de ovinos
  7. Como começar a criação de ovinos?
  8. Ambiente ideal para criar ovinos
  9. Apriscos para ovinos
  10. Sistema de criação de ovinos
  11. Alimentação de ovinos
  12. Reprodução de ovinos
  13. Higienização do aprisco

Aprisco

O que é aprisco?

O significado de aprisco consiste em uma espécie de curral usado para ordenhar ou abrigar animais, como as ovelhas, principalmente. Geralmente, é construído de pau-a-pique, madeira ou pedra, podendo ter algum tipo de cobertura ou não. O tipo de material usado para a construção do aprisco para ovinos é levado em consideração as condições de resistência deles.

Os mais utilizados são:

  • Curral de madeira: tem como vantagem o maior tempo de durabilidade.
  • Curral de cordame: tem como vantagem o baixo valor de custo e praticidade na manutenção, que também é mais barata.

Manejo adequado do aprisco

Para obter um manejo e produtividade eficientes dos animais, faz-se necessário uma construção adequada do ambiente, uma vez que o desenvolvimento dos bichos possa ser comprometido. Um aprisco inadequado coloca em riscos de acidentes os animais que ali são ordenhados.

Para que o ambiente tenha uma eficiência precisa, é importante que o espaço seja adequado para marcação, apartação, castração, vacinação, inseminações, exames, cirurgias, embarcação, desembarcação e pesagem dos animais.

Além disso, o aprisco para ovelhas, por exemplo, deve ter alta comodidade e aconchego para elas. Ao contrário disso, as práticas ruins de manuseio do local podem resultar em estresse, lesões, desconforto e, possivelmente, baixa produtividade, gerando danos econômicos.

O ponto mais importante a ser analisado durante a construção de apriscos é a estrutura, tanto em pequenas ou médias propriedades. O auxílio de especialistas e mão de obra qualificados fazem diferença no resultado final, a fim de garantir um espaço eficiente para os animais, trabalhadores e cuidadores.

Cuidados no aprisco

Animais estressados e lesionados produzem menos, resultando em baixo nível de rentabilidade. Além disso, o estresse causado aos animais impacta direta na qualidade da carne deles. Ou seja, o funcionamento produtivo da fazenda é comprometido, podendo sofrer muitas perdas devido às práticas inadequadas de manejo.

Há, dentro do curral para ovelhas, uma espécie de tronco usado para cuidados zootécnicos dos bichos. A utilização deste tronco deve ser analisada da melhor maneira, uma vez que os equipamentos usados para os cuidados aos bichos devem ser escolhidos atendendo às necessidades, além de ser seguro e qualificado. É importante que o tronco esteja bem localizado, para que não haja risco nem para os cuidadores e nem para os animais.

Construção de apriscos

Antes de iniciar a construção de apriscos, é importante que alguns pontos sejam analisados e estudados. As principais preocupações são:

  • Localização do tronco: deve ser instalado no centro de um lugar com espaço suficiente para a movimentação tranquila dos animais.
  • Estrutura: deve ser instalados pisos de concreto e uma passagem ligada ao tronco, para que os ovinos sejam conduzidos tranquilamente. Além disso, as paredes devem ser todas fechadas, com o intuito de fazer com que os animais sejam direcionadas para uma só saída.
  • Embarque: as paredes do embarque também precisam ser fechadas. É preciso que haja a instalação de uma plataforma, até o local em que acontecerá a embarcação.
  • Treinos: a equipe que terá contato direto com os animais precisa ser qualificada e capacitada para exercer as atividades necessárias. O intuito é que o manejo seja eficiente e benéfico tanto para os animais quanto para a mão de obra.

Portanto, o planejamento preciso para a construção de aprisco garante maior eficiência de manejo e bons rendimentos produtivos, ligados à economia. O grau de desempenho das animais é melhorado e suas produções geram maior aproveitamento. Profissionais e mão de obra qualificada ajudam diretamente na adequação ao ambiente e às necessidades dos ovinos, principalmente.

Aprisco

Mercado de ovinos no Brasil

O tema aprisco é uma boa oportunidade para saber como está esse mercado atualmente no Brasil.

Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o rebanho nacional de ovinos está girando em torno de 18,2 milhões de cabeças. Esse rebanho, apesar da produção se concentrar em uma região do Brasil, está espalhado por todo o território nacional.

O estado do Rio Grande do Sul, por exemplo, é um histórico produtor desse tipo de produto, mas o tamanho de seu rebanho vem diminuindo nos últimos anos e aumentando na região Nordeste.

Essa queda na produção gaúcha, aliada à migração da ovinocultura para pequenos e médios produtores, a desorganização do setor e a falta de participação das grandes agroindústrias, são as principais travas que impedem o setor de atingir todo o seu potencial no Brasil.

O potencial de crescimento se verifica pela diversidade das raças de ovinos.

Os animais desse grupo são adaptáveis para diversos biomas e regiões do país, seja em climas muitos secos, como o semiárido do Nordeste, ou em regiões alagadas e frias, como se vê no Sul e Sudeste do país.

Tal característica possibilita a ovinocultura em praticamente todo o território brasileiro.

  • Carne de ovinos

O principal produto da criação de ovinos é a carne. Temos tamanho razoável de rebanho e potencial de crescimento gigante como evidenciado acima, mas, afinal, o mercado de carne de ovinos no Brasil é atrativo ou sofre por muitas restrições?

Dúvida pertinente, considerando que o tipo de carne mais famosa e consumida é de outro tipo, ou seja, a bovina.

De fato, a carne de ovinos tem um mercado mais restrito no Brasil. Contudo, isso não ocorre em razão de sua inferioridade em relação à carne bovina ou por causa de valores muito díspares. Os motivos principais são a falta de informação e o preconceito para com esse tipo de carne.

A carne de cordeiro é um produto de alta qualidade e se origina de animais com 12 meses de idade, no máximo.

Esse tipo de carne apresenta características que a elevam à condição de produto gourmet, por isso tem valor agregado mais significativo. Tais características estão relacionadas a marmoreio, coloração, sabor e maciez, por exemplo.

O fato de ter uma oferta bem menor em comparação à carne bovina também influencia no seu preço.

Portanto, depreende-se que os consumidores desse tipo de carne costumam ter poder aquisitivo um pouco mais elevado ou, no mínimo, são grandes apreciadores das mais diversas variedades do alimento.

O consumo anual de carne de ovino no Brasil varia de 400 a 700 gramas per capita. Essa variação se deve ao abate informal de cordeiros que, devido a essa condição de informalidade, não é contabilizada.

É um dos reflexos da falta de organização da cadeia produtiva, questão encarada como um problema até sob o ponto de vista da saúde pública.

Sem dúvida, a região que se destaca no consumo é a região Sul, onde também se verifica o maior número de abate formal.

  • Popularização da carne de ovinos

Para especialistas, a popularização da carne de ovinos se dará naturalmente com o aumento do rebanho, por isso é importante o setor se organizar e superar os principais gargalos que impedem o crescimento desse tipo de carne na mesa dos brasileiros.

O raio-x de momento aponta que a remuneração com o trabalho de criação e venda de carne de ovinos é apenas aceitável no Brasil.

Para os que pensam em investir no setor, a expectativa correta inicialmente, portanto, é ter lucro razoável com possibilidade de crescimento conforme o setor se desenvolver com o passar dos anos.

Aprisco

Criação de ovinos

Sem dúvida, a utilização de aprisco está inserida no método de criação de ovinos. Como vimos mais cedo, o uso de aprisco é importante para obter manejo e produtividade eficientes.

Mas, claro, trabalhar na construção de um aprisco adequado para a criação de ovinos é apenas uma parte que não garante que o animal irá se desenvolver bem e, consequentemente, render bons lucros.

Há uma série de requisitos a se cumprir, principalmente quanto à higiene do local de manejo e o programa de vacinação.

  • Como começar a criação de ovinos?

O primeiro passo a se tomar em uma criação de ovinos é definir o projeto de ovinocultura e o sistema de produção a ser implantado.

Para essas definições, é importante olhar para o mercado local, analisar a demanda que mais pede e assim definir a atividade de produção que mais se adéqua às necessidades manifestadas na região.

Por exemplo, a região pede mais corte ou lã? A escolha de raças a ser criada está condicionada a essa preferência.

  • Ambiente ideal para criar ovinos

Como informado anteriormente, uma das vantagens da criação de ovinos é a alta capacidade de adaptação para os mais diferentes tipos de climas.

Existem raças plenamente adaptadas às condições do Semiárido Nordestino e aos invernos exigentes do Sul.

No entanto, independente do caso, do clima e da raça, cuide em assegurar um local seco e ventilado.

  • Apriscos para ovinos

Sim, já passamos algumas informações essenciais sobre apriscos para ovinos, mas informação nunca é demais e aqui vão mais algumas que ajudarão no trabalho de criação desses animais que podem render diversos produtos, seja baseado no leite que produzem, seja nas suas saborosas e suculentas carnes.

O aprisco, ou curral, como preferir, não precisa necessariamente ficar fechado por inteiro. Só tenha cuidado nas áreas mais frias e coloque cortinas para impedir a entrada de correntezas de ar.

O cenário ideal é que os terrenos sejam bem drenados, com solos duros e consistentes.

Caso não conte com ripados, cama de forração sobre piso de chão batido é um bom substituto.

Aliás, esse tipo de piso é o mais indicado para os animais mais pesados, pois os ripados podem causar problemas de aprumos, além de terem pouca durabilidade, levando em conta o investimento que é necessário para obtê-los.

Aprisco

  • Sistema de criação de ovinos

Conforme explicado no início desse tópico de criação de ovinos, o sistema de criação está atrelado à necessidade da região de criação.

Para responder às possíveis dúvidas, vamos passar a seguir as características dos principais sistemas para a criação desse tipo de animal.

Se entender que será mais rentável para o seu negócio investir em rebanho comercial de ovinos voltado para a produção de carnes e lã, o principal requisito será ter área grande, porque esse tipo de sistema exige muitos animais.

Para os que tiverem propriedades de dimensões mais modestas, o sistema de criação mais indicado é o de engorda e venda de reprodutores. Para essa criação, é necessário contar com uma infraestrutura com divisões de pasto, além de cabana e galpões. Isso sem contar o investimento em alimentação suplementar e mão de obra.

  • Alimentação dos ovinos

E por falar em alimentação, qual tipo é mais indicado para esses animais, principalmente durante a fase de desenvolvimento?

O recomendado é oferecer volumosos. Destaque para os fenos, pastagens, capineiras e silagens. Esses alimentos, entretanto, pedem orientação de profissionais da área para garantir a manutenção da qualidade da alimentação dos ovinos.

É importante incluir, na dieta dos ovinos, suplemento a base de farelos e de grãos.

Também é importante não deixar em falta na refeição desses animais elementos como ferro e cobalto.

Outra dica: coloque os comedouros sempre do lado de fora do galpão e em lugar que os carneiros consigam acessar sem dificuldades. Os saleiros podem, inclusive, ser espalhados por toda a propriedade como, por exemplo, perto dos apriscos, desde que estejam sempre cheios.

  • Reprodução de ovinos

A reprodução varia um pouco conforme as raças que se trabalha.

Por exemplo, as raças que se originam em áreas próximas da linha do Equador são capazes de parir praticamente o ano todo. Exemplo desse tipo de raça são as deslanadas brasileiras.

Já as raças que têm como local de origem a Europa apresentam picos de cio, que se repetem a cada 15 dias. No entanto, esses picos ocorrem entre os meses de março e maio.

Contudo, tem sido cada vez mais normal a prática de inseminação artificial nos criadouros. Essa prática se trata da transferência de embriões com fertilização in vitro.

A expansão do rebanho por meio da reprodução não ocorre de maneira rápida, como acontece com outras espécies, pois nasce apenas um filhote por parto.

Entretanto, isso não é uma regra, já que há ovelhas que dão à luz mais de um filhote por parto. Porém o percentual é baixo e por isso é mais prudente se planejar contando que a maioria terá apenas um filhote por vez.

Aliás, esse é mais um motivo para ter muita atenção com o animal durante a fase de gestação. Garanta que receba todos os cuidados de alimentação e proteção contra as adversidades do clima para evitar perdas no nascimento que, sem dúvida, são terríveis para os produtores, principalmente em início de atividades.

O desmame dos filhotes ocorre normalmente entre 2 a 3 meses após o nascimento, contudo pode ocorrer a partir de 45 dias após o parto.

Higienização do aprisco

A essa altura, deve ter ficado claro que a higiene do aprisco é fundamental para o bom desenvolvimento dos ovinos, para garantir a saúde deles e evitar a propagação de doenças para outros animais e humanos também.

Contudo, até o momento, demos informações gerais sobre essa importante tarefa a se fazer no aprisco. Nos próximos tópicos, forneceremos informações detalhadas de como realizar esse procedimento.

  • Lavar as mãos diariamente

O primeiro passo precisa ser dado pelos próprios cuidadores, principalmente para fazer o trabalho de ordenha. Sempre antes dessa tarefa, lave as mãos com água e sabão.

Seja vigilante também quanto às unhas de todos os ordenadores. Elas devem estar limpas e aparadas.

  • Limpar os cochos

Outro procedimento obrigatório a se fazer no aprisco é retirar, diariamente, os excrementos dos boxes. Mudar a água, limpar os cochos e varrer os corredores.

  • Escovar a pele

Não é obrigatório todos os dias mas, pelo menos uma vez por semana, escovar a pele das cabras ajuda na circulação sanguínea.

A pele, desse modo, fica mais lisa e também brilhante. O ato também colabora para a retirada de larvas e parasitas.

Aprisco

  • Limpar por debaixo do ripado

Outro procedimento que não é obrigatório que seja diário, no entanto, é importante que ocorra ao menos uma vez por semana: limpar as fezes por baixo do ripado.

  • Faxina geral

Outra ação de higiene a se fazer no aprisco é promover uma limpeza geral a cada 15 dias. E quando falamos fazer limpeza geral, é limpar tudo mesmo: varrer, lavar e desinfetar todos os pisos.

  • Pulverização dos boxes

Um procedimento a ser realizado mensalmente é o de pulverizar os boxes. A pulverização pode ser feita usando Biocid ou produto similar.

  • Exames bimestrais

Outra medida preventiva que certamente ajuda muito para evitar a propagação de doenças no aprisco é a realização de exames de fezes bimensais.

Não precisa ser feito com todos os animais do aprisco. Exames em apenas 10% do rebanho são suficientes para se prevenir contra infestações.

Uma dica é escolher o vermífugo somente após os exames. Os exames indicarão o remédio e a dosagem adequada. É uma medida mais vantajosa em termos financeiros, pois evita a troca constante e aleatória de marcas.

  • Combate de carrapatos e associados

Sabe quando o animal é alvo de carrapatos, piolhos e bernes? Chato, não é? Então, uma forma de evitar esse transtorno: periodicamente combatê-los.

  • Avaliação dos animais

A avaliação, no caso, não é fazer exames sempre e a qualquer hora.

Claro que exames periódicos ajudam, mas constantemente é desnecessário e oneroso. Estamos falando de observar mesmo os animais, a olho nu, uma análise empírica para verificar o comportamento deles.

Se estiverem tristes, apáticos, imóveis, é sinal de que algo errado está ocorrendo. É possível perceber alterações diretamente no corpo.

Ao identificar sinais de pus, sangue ou diarreia, além de tremores, tosse, calafrios, catarro nas narinas, respiração ofegante, focinho quente, pulsação acelerada, perda de peso, irritação, inquietação e calombos espalhados pelo corpo, perigo à vista.

Certamente, algo não vai bem com o seu animal e o mais prudente nesses casos é se dirigir a um veterinário.

  • Vacinação do rebanho

Caso identifique no aprisco movimentação de ratos, a reação não pode ser outra e nem tardia. Vacine todo o rebanho contra leptospirose.

Tags: ,
Agro20 | Portal Vida No Campo