Cordeiro e as características da sua criação no Brasil

Inicio » Pecuária » Cordeiro e as características da sua criação no Brasil
01/05/2019 Por
Cordeiro e as características da sua criação no Brasil

O cordeiro é um animal muito comum nos pastos brasileiros pela facilidade na criação

O cordeiro é nada mais que o nome usado para definir a primeira fase de vida das ovelhas e dos carneiros no pasto. Em muitos dos casos, a fase de desenvolvimento é interrompida logo no início para o consumo da carne do animal ainda jovem. Esta atividade é muito comum por conta da diferença da carne durante as fases de criação do animal.

A criação do cordeiro demanda um alto investimento inicial do produtor. O animal precisa de um pasto vasto e um controle de pragas constante. Além disso, sua alimentação deve ser bem regrada, em especial, no caso das fêmeas, para que em seu momento de gestação não sofram complicações.

O cordeiro é um animal que demanda cuidados no pasto

O que é o cordeiro?

O cordeiro é o filhote da ovelha, considerada a fase mais importante na criação do animal. É da espécie dos ovinos e grande parte de sua criação está dentro de rebanhos. Nesta primeira fase da vida, eles são de caráter dócil e, portanto, o manejo é fácil. O animal recebe esta nomenclatura apenas em seu primeiro ano de vida. Eles também podem ser chamados de anhos ou borregos.

A criação acontece em todas as partes do mundo, pois o animal, quando atinge sua maturidade, é uma grande fonte de renda. Isso porque ele tem seu uso voltado para a indústria da lã, de carne, de laticínios e até de couro. As ovelhas passaram a ser domesticadas em uma época conhecida como Idade do Bonze, em 3.300 a.C.

Raças de ovinos

A raça mais conhecida no Brasil é a merino australiano. Esta espécie é a que melhor se adapta ao clima tropical brasileiro. A sua criação no país é voltada para a produção de lã fina e leite.

Outra também bastante conhecida nos pastos é a border leicester; este animal é voltado para a produção de lã e ideal no corte de carne. Ambas as raças foram trazidas do Ocidente e seu manejo não demanda cuidados específicos.

Para a criação de ovinos é necessário um manejo específico e um grande investimento. Os fazendeiros interessados podem desembolsar até 80 mil reais com a criação de cem cabeças de cordeiro. O custo benefício se apresenta a longo prazo e renda muito para o criador.

A melhor forma de iniciar um produção que prometa eficiência é a partir da compra de animais da melhor qualidade; e se atentar à saúde dos filhotes é muito importante. Além do leite que este animal produz em seu período de maturidade, o ovino também é explorado em outros campos grandes da indústria. O uso da sua pele para a fabricação de couro é um bom exemplo disso.

Diferença entre cabrito e cordeiro

A principal diferença entre o cordeiro e o cabrito é a linhagem deles. Enquanto o cabrito é filhote da cabra com o bode, o cordeiro é o filhote da ovelha com o carneiro. O cordeiro é caracterizado pelo seu corpo de caráter robusto e conta com uma cabeça arredondada; além disso, suas orelhas são menores que as do cabritos.

Pelo fato de os cordeiros serem de maior porte e com ossos mais largos, os corte da carne é feito em maior proporção. O consumo da carne deste animal é muito popular em quase todas as regiões do Brasil; em destaque, no Rio Grande do Sul, por conta do alto nível de criação do animal na região.

Já no caso do cabrito, o animal é caracterizado por ter uma cabeça alongada e as orelhas caídas. Entretanto, sua principal diferença para o cordeiro está no sabor da carne, que é de caráter magro e sabor suave.

A coloração da peça é relativamente mais escura que a do cordeiro, e também apresenta mais fibras. Saudável, a carne do cabrito é ideal para os que buscam uma refeição com baixo teor de gordura.

Como funciona a criação de cordeiro

A criação do cordeiro é muito comum no Brasil, em especial nas regiões mais frias do país. Os animais são criados em pasto e lidam bem com outros bichos; sendo que, nesta primeira etapa de vida, são muito dóceis para o manejo.

Entretanto, as fêmeas são muito sensíveis e exigem cuidados especiais diariamente; como, por exemplo, realizar a limpeza do casco constantemente evitar qualquer tipo de infecção. Outro tipo de cuidado é a realização de exames semanais para certificar que não existe a presença de qualquer manifestação de verminoses; que exige o uso de vermífugo nos animais.

Outro ponto importante é estar atento para o período de vacinação dos animais. Isso porque a prevenção de doença por este tipo de método é considerada a mais eficaz entre os veterinários. Vale citar que também é importante manter o ambiente de criação sempre limpo e procurar balancear a alimentação.

Outra forma de evitar a manifestação de verminoses é com a prática do rodízio de pasto. Esta atividade consiste em mudar com certa constância o local em que os animais passam a maior parte de seu tempo, o pasto. Em fazendas de grande extensão, é possível organizar os animais desta forma e manter sua saúde em dia.

Além de todos estes aspectos da criação, é fundamental que o criador tenha uma gestão de qualidade; ou seja, ele deve ser capaz de fazer os animais se desenvolverem de maneira que o custo de criação seja menor que o lucro.

A alimentação dos cordeiros

Em sua base alimentar, estes animais demandam uma maior taxa de energia para permanecer no pasto, assim como para as fêmeas terem uma gestação sem complicações. O criador pode investir em milho e suplementos alimentares na ração destes animais como forma de os manter saudáveis.

Há diversos casos de problemas após o parto em que a ovelha precisa ser abatida, pois não contém nutrientes necessários para sobreviver, muito menos para alimentar o filhote. A maior parte das criações em rebanho são voltadas para a produção de carne e leite.

A carne do cordeiro é menos gordurosa que a da ovelha

Como as ovelhas cuidam dos cordeiros

As fêmeas, após oito meses de vida, já podem ser emprenhadas para dar inicio à cadeia produtiva. Em um cenário saudável, elas podem gerar três filhotes no período de dois anos. Para cada uma das gestações, as ovelhas levam cerca de cinco meses por ciclo.

Depois da cada ciclo, é necessário que o produtor aguarde cerca de três meses para dar início em uma próxima gestação. Entre o nascimento dos filhotes e o período de desmame, são cerca de 60 dias. Durante todo este período, os animais são criados em pasto com cuidados especiais para cada criação. No entanto, ao atingir a maturidade, os animais são abatidos quando alcançam 40 kg.

Um fato curioso sobre as fêmeas é que elas não são de caráter materno. Deste modo, alguns tipos de manejo podem ajudar a evitar que a ovelha abandone o cordeiro logo após o parto. Este tipo de comportamento acontece com ovelhas de primeira cria e também com as que contém alguma dificuldade física em razão do parto.

Para fazer com o animal aceite o filhote, pode ser forçado o contato por algum tempo; já que, sem os cuidados da ovelha, o cordeiro não tem sua sobrevivência garantida, pois é incapaz de viver sem o leite materno.

A produção e o consumo da carne dos ovinos

A carne dos ovinos, em especial das ovelhas, é uma grande fonte de proteínas e fibras. O consumo nacional é em grande escala, contudo, apenas a produção nacional não abastece o país. Atualmente, mais de 20% da carne de cordeiro consumida no Brasil é proveniente do Uruguai.

Outro ponto importante é que a parcela das pessoas já consumiram a carne deste animal não sabe a diferença entre ela e a de outro ovino; como a da ovelha, por exemplo.

O consumo da carne de cabrito é popular tanto no Nordeste do país como em regiões que recebem alto índice de imigrantes nordestinos como, por exemplo, São Paulo. Em âmbito mundial, seu consumo está presente em algumas regiões da Europa, como a Itália, Portugal e na Arábia.

Por conta dos baixos níveis de gordura, a carne do animal está sendo implementada cada vez mais no cardápio. Outro ponto importante é a alta taxa de ômega 3 e 6 que o alimento contém; estas substâncias são responsáveis por ações anti-inflamatórias do sistema imune.

O cordeiro é um animal dócil

Carne de ovelha e de cordeiro

A carne da ovelha e do cordeiro são diferenciadas, justamente, pela fase em que o animal se encontra. No caso dos cordeiros, os animais ainda não desenvolveram dentes e sua carne é mais delicada. Além disso, é de coloração levemente rosada e contém menor teor de gordura que de uma ovelha adulta. Já no caso da carne de ovelha, a carne contém fibras mais robustas e peça pode apresentar um teor mais grosso.

Curiosidade sobre o termo cordeiro

O termo cordeiro não é apenas utilizado para se referir ao filhote da ovelha, e ele também está presente no livro bíblico. A expressão ‘cordeiro de Deus’ é utilizada na religião cristã para se referir à Jesus Cristo. A figura religiosa recebe esta nomenclatura por conta da atitude de sacrifício que está descrita nas passagens da Bíblia.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo