Moreia é peixe de aparência estranha e carne saborosa

Inicio » Pecuária » Moreia é peixe de aparência estranha e carne saborosa
08/02/2021 Por
Moreia é peixe de aparência estranha e carne saborosa

A moreia é um peixe feio, isso não se pode negar. Ela tem o corpo longo e cilíndrico que lembra uma serpente e um rosto achatado que dá à espécie uma aparência assustadora. No entanto, seu sabor pode surpreender quem decidir experimentar esse estranho ser dos mares.

A moreia é conhecido como caramuru pelos índios Tupinambá. Além disso, também é chamada de serpente dos mares por causa do seu formato. Pertence à família dos muraenidae, que tem mais de 200 espécies conhecidas, divididas em 15 gêneros.

  1. O que é moreia?
  2. Características da moreia
  3. Hábitos da moreia
  4. Curiosidades sobre a moreia
  5. Planta moreia
  6. O peixe moreia dá choque?
  7. Moreia verde
  8. Moreia gigante
  9. Habitat da moreia
  10. Moreia do mar
  11. Pode comer moreia?
  12. O peixe moreia é venenoso?
  13. Qual a diferença entre enguia e moreia?
  14. Como criar moreia?
  15. Como pescar moreia?
  16. Existe moreia no Brasil?

moreia

O que é moreia?

Apesar de parecer uma cobra, a moreia é da mesma família da enguia. A maior chega a ter 4 metros de comprimento. É um peixe sem escamas e sem couro. Sua pele é formada por cores que servem de camuflagem.

Para proteger-se ela solta um muco cheio de toxinas. Embora não seja um peixe agressivo, ele ataca mergulhadores que, após a mordida, têm intoxicação pelo veneno do animal.

Características da moreia

A moreia está presente nas regiões tropicais, subtropicais e temperadas e em todos os oceanos. Também podemos encontrá-la em toda a costa brasileira. A preferência do animal, contudo, é por áreas onde existem recifes de corais.

A maioria apresenta uma nadadeira diferenciada com três raios moles. Esses raios, por sua vez, são articulados e começam na barbatana dorsal, atrás da cabeça, passam pelo tronco e vão até o ânus. Curiosamente, o peixe não tem barbatanas, nem pélvicas nem peitorais.

Além disso, o peixe moreia tem dois pares de mandíbulas na garganta, com dentes. Quando ela engole alguma presa, por exemplo, essas mandíbulas se mexem e empurram o alimento da garganta para o aparelho digestivo.

Hábitos da moreia

A moreia tem olhos pequenos, mas usa seu olfato bastante desenvolvido para caçar. Graças a esse sentido aguçado, alcança a presa rapidamente. As guelras, por sua vez, são circulares e estão nas partes posteriores da boca. Isso exige que internamente haja um espaço vazio no meio da boca para possibilitar a respiração.

Os animais podem estar na superfície, mas também habitam as profundezas dos oceanos. Em níveis mais profundos, costumam ficar escondidos em cavernas, nas quais passam o dia “dormindo”. Quando na superfície, ficam com a cabeça de fora e a boca aberta com dentes à mostra. Para quem observa, a visão é assustadora.

A maioria das moreias vive em águas salobras do mar. No entanto, algumas espécies vivem em água doce. Essas possuem cores para disfarce até dentro da boca. Em Portugal, esses animais são pescados para consumo do homem, embora exista o risco de intoxicação pela ciguatera, um tipo de veneno.

Curiosidades sobre a moreia

O animal tem hábitos noturnos e é solitário. Uma curiosidade é que ele tem a companhia constante do peixe limpador, com quem vive em simbiose. Com apenas 10 cm de comprimento, o limpador faz uma verdadeira faxina na pele da moreia para tirar restos de alimentos presos nos dentes.

A moreia é carnívora e sua alimentação e basicamente constituída de crustáceos, polvos, lulas e outros peixes. Os predadores da moreia são os barracudos, meros e serpentes marinhas.

Os alevinos da espécie, por sua vez, apresentam outra curiosidade. Quando estão para nascer, eles adquirem o aspecto de folha transparente que tem o nome de leptocéfalo.

Planta moreia

Quando se fala a palavra moreia, muita gente pensa de imediato na planta. Isso porque ela é amplamente utilizada como ornamento pela beleza de suas flores e folhagens.

O vegetal é da família das herbáceas e tem duas espécies: a branca e a amarela. Tanto uma como outra estão presentes em projetos de paisagismo pela estética que apresentam. A planta moreia, também conhecida como bicolor ou dietes bicolor, é uma planta que tem origem na África do Sul. Tem altura pequena, que varia entre 50 e 70 centímetros. Além disso, é de perfil reto e ramificado. As folhas são lisas, planas e formam touceiras.

Para florescer várias vezes ao ano, contudo, precisa de sol direto e solo rico de materiais orgânicos. Cresce tanto em clima frio como em clima quente e, além disso, não necessita de cuidados especiais.

moreia

Diferenças entre as plantas moreia

A moreia branca pode ser cultivada em floreiras e jardineiras tanto dentro de casa como em jardins. Ela tem baixo custo e normalmente é comprada em grandes quantidades para enfeitar casamentos, espaços e locais de cerimônias e festas. Exige cuidado para proteção contra o frio e insetos.

Já a moreia amarela exige terras de alta qualidade e regas regulares para florescer o ano todo e com toda a beleza da planta.

O peixe moreia dá choque?

Como as moreias são peixes elétricos, a resposta é sim, elas dão choque. Isso acontece porque os animais possuem células musculares modificadas que são responsáveis pelos impulsos elétricos chamados eletrócitos.

Moreia verde

Essa espécie é da mesma família muraenidae, mas a moreia verde tem como característica a cor verde, como o próprio nome diz. A espécie é encontrada a uma profundidade de até 40 metros e tem comprimento é 2,5 metros. Menor, portanto, que outros peixes da mesma família.

Ela está presente desde o Atlântico ocidental de Nova Jersey, passando pelas Bermudas e norte do Golfo do México, chegando até o Brasil,.

Moreia gigante

Essa espécie é a maior da família muraenidae que pode alcançar até 3 metros de comprimento e pesar 30 quilos. A moreia gigante jovem é da cor canela com enormes manchas pretas. Por outro lado, o peixe adulto só mantém as pintas pretas em uma área em volta da abertura branquial.

A moreia gigante tem a visão fraca, por isso depende mais ainda do olfato para caçar. Uma curiosidade, contudo, é que ela procura suas presas junto com a garoupa de coral, da espécie plectropomus pessuliferus. Para se ter uma ideia, é a única junção cooperativa em que famílias diferentes se reúnem para caçar.

O convite para a o trabalho conjunto é feito através de um sinal de cabeça. A caça cooperativa entre os dois animais acontece porque a garoupa não consegue entrar em buracos estreitos onde estão as presas. Sendo assim, a moreia gigante, que tem o corpo mais fino, penetra nas fendas e expulsa os intrusos que servem de alimento para a garoupa.

A moreia gigante come também outras moreias, além de moluscos e peixes. Ela migra em uma viagem de mais de 6 mil quilômetros, durante sete meses, para a reprodução. Curiosamente, depois de dar cria a fêmea morre. É encontrada na região do Indo-Pacífico, no Mar de Andaman, Mar Vermelho, África Oriental, Ilhas Pitcairn, ilhas do Havaí e Ryukyu, Nova Caledônia, Fiji e Ilhas Austrais.

Habitat da moreia

Compreender o local onde a moreia habita faz parte de saber o que é moreia, já que o longo processo de seleção natural ocorrido para que as muitas espécies desse animal se instaurassem funcionalmente e perdurassem até os dias de hoje dependeu de sua adaptação bem-sucedida às particularidades do meio ambiente ao qual faz residência.

Em outras palavras, o entendimento completo de um animal só é possível ao se ter em vista o local em que ele vive.

Em termos gerais, pode-se dizer que as moreias são um bom exemplo de animal adaptado ao seu meio, e isso fica evidente em sua estrutura física, que se assenta confortavelmente no habitat em que se encontra, que são, invariavelmente – como anteriormente citado –, regiões de arrecifes coralinos e fundos rochosos, onde naturalmente formam-se complexos ecossistemas e abundam as principais fontes de alimento das moreias, que se resumem a basicamente qualquer peixe que caiba em sua boca.

Outro fato interessante sobre estes animais é que eles se dão bem em ambientes multicoloridos e saturados de relevos, como são as estruturas de corais, graças à sua pele composta de padrões de tonalidades neutras, ideal para a camuflagem em meio aos cenários nos quais comumente escondem-se para se alimentar.

Além disso, as moreias sobrevivem muito bem em águas oceânicas de praticamente todas as temperaturas, desde as frias até as mais tropicais, o que só reforça a tese de sua adaptabilidade.

moreia

Afinal, moreia é de água doce ou salgada?

A grande realidade é que existem ambos os casos: moreias de água doce e moreias de água salgada. Porém, entre as mais de 200 espécies catalogadas desta família, apenas uma quantidade muito pequena vive em água doce, como é o caso da Gymnothorax polyuranodon.

Popularmente, as pessoas conhecem essa espécie por “moreia de água doce”. Com alguns cuidados especiais, você pode criá-la facilmente em aquários. Já a grande maioria destes animais habita águas salinas.

Estudos científicos revelam que, se por alguma razão externa moreias de água salgada forem inseridas em meios dulçaquícolas – geralmente tendo sido capturadas por amadores e colocadas em aquários sem controle salífico –, elas conseguirão sobreviver por meses e até anos, porém, seu sistema imunológico irá gradualmente se deteriorando e o animal ficará mais suscetível a formas parasitárias e bactérias oportunistas.

Em determinados casos, foi observado também que, forçadamente em água doce, as moreias podem deliberadamente recusar-se a se alimentar por semanas, além de demonstrar comportamento agressivo e peculiar.

Com a qualidade de vida reduzida, os animais enfraquecidos por exposição a estas condições eventualmente cederão e encontrarão destinos significativamente mais curtos do que se estivessem em seu ambiente natural, onde poderiam atingir uma vida média de mais de 20 anos.

Um bom exemplo de moreia de água salgada é a Gymnothorax funebris, conhecida vulgarmente como moreia verde, encontrada em profundidades baixas, de até 30 m da superfície, em trechos do Oceano Atlântico que desaguam países equatoriais, como Venezuela, Cuba, México e partes dos Estados Unidos e do Brasil.

Moreia do mar

As moreias recebem diversos nomes. Afinal, muitos são os países onde esse peixe é pescado e consumido.

“Moreia do mar” não se trata exatamente de uma das variedades de espécies deste animal tão singular, mas sim de uma denominação comum, que abrange todos os tipos de moreia que são encontrados em águas marítimas, separando-os das que vivem em lagoas e são próprias da água doce.

Muitas destas espécies, por receberem mais destaque em pescarias ou por possuírem alguma característica marcante, inevitavelmente tornaram-se mais famosas do que as demais.

Porém, todas representam elementos de significância no meio ambiente e são peças-chave no controle populacional marítimo de algumas regiões, tendo posições importantes dentro da cadeia alimentar.

Há inúmeros exemplos a mencionar. Sobretudo, quando falamos sobre este peixe. O mais curioso é que muitos ainda não sabem que é um peixe. Isso ocorre, por exemplo, como a moreia gigante, mencionada anteriormente.

Dentre as mais populares, estão:

  • Muraena helena, ou moreia pintada, certamente uma das espécies de moreia mais comuns, cujo comprimento normalmente não excede 1,5 m e o peso vai até em torno de 15 quilogramas;
  • Gymnothorax miliaris, conhecida como moreia dourada, que possui uma coloração muito vistosa e é dona de uma estatura consideravelmente menor que a das demais, medindo em média de 40 a 50 centímetros;
  • Pardalis enchelycore, a moreia leopardo (ou moreia dragão, para os orientais), que exibe em sua pele uma impressionante estampa de padrões malhados, que a tornam uma verdadeira perita na arte da camuflagem entre os corais.

Pode comer moreia?

Devido a sua aparência nem um pouco amistosa, e que pode até ser repelente aos olhos mais sensíveis, muitos se perguntam se a moreia peixe se come.

Em esclarecimento a estes questionamentos tão comuns, a resposta é: sim. Sem embargo, o peixe moreia é um animal que funciona como alimento. Não só isso, sua comercialização é ampla, enquanto componente principal de receitas típicas. Isto é, a culinária típica das mais variadas culturas meditarrâneas aprecia grandemente esse peixe.

A carne de moreia, tida como exótica em alguns lugares, é substanciosa e mantém-se suculenta após o cozimento, o que permite que ela seja assada ou frita, de acordo com o gosto de cada consumidor.

Os registros históricos demonstram que a moreia é um alimento consumido desde a Antiguidade Clássica. Um dos povos que são famosos por esse consumo são os antigos romanos.

Estes são peixes especificamente “cultivados” por eles em pequenas lagoas litorâneas e sendo seus preparos considerados os da mais alta gastronomia, dedicados a generais e imperadores.

Embora, é claro, versões menos sofisticadas sejam servidas da mesma forma às pessoas de baixa hierarquia social.

Na atualidade, o local que conta com a maior variedade de receitas que envolvem a utilização da carne da moreia são as Ilhas Canárias. Esta é uma das localidades onde as moreias mais se proliferam e sua disponibilidade em termos de quantidade é mais generosa.

Provavelmente, isso se deve às formações magmáticas que cercam o conjunto de ilhotas, que são essencialmente vulcânicas, oferecendo o ambiente preferido deste peixe tão peculiar.

O peixe moreia é venenoso?

Que a mordida da moreia é dolorosa, não existe qualquer dúvida, no entanto, há algumas divergências a respeito de que esta seja realmente venenosa ou até mortal.

Para esta questão, a resposta é que, de acordo com pesquisas, se não todas, a grande maioria das espécies de moreia possui uma mordida venenosa. Ou, pelo menos, muitas possuem toxinas que causam intensas alergias e infecções na superfície cutânea ferida por sua mandíbula.

Apenas 5 entre mais de 200 variedades possuem toxinas fortes o bastante para levar os seres humanos ao óbito. Na realidade, diversas espécies de moreia possuem vários tipos de toxinas naturalmente distribuídas em mais de uma parte do corpo. Esse fenômeno não se limita ao fato de sua boca ser inoculada no ato de sua mordida.

Na mucosa da pele da moreia, por exemplo, existe, entre algumas outras, uma substância chamada hemaglutinina.

Entrar em contato com ferimentos de banhistas ou pescadores descuidados é muito perigoso. Essa glicoproteína dá início a um processo hemolítico. Ou seja, causa a destruição dos glóbulos vermelhos do sangue do indivíduo.

Há também as proteínas tóxicas encontradas em seu sangue, chamadas ictionstoxinas. Esses elementos estão armazenados, também, em sua carne e em órgãos específicos. Se consumidos, podem acarretar em problemas como crises espasmódicas e dificuldade respiratória.

Para evitar esses efeitos desagradáveis decorrentes da intoxicação, a única saída é aquecer a carne da moreia em temperaturas acima de 75 °C. Esse procedimento deve ser observado no momento de seu cozimento, destruindo assim estas substâncias.

moreia

Qual a diferença entre enguia e moreia?

Como previamente citado, as moreias são da mesma família das enguias e carregam em suas características físicas e biológicas semelhanças muito perceptíveis.

Isso vai desde seus corpos esguios e de longos comprimentos – o que frequente lhes confere o apelido de “serpentes do mar” – até o sabor de sua carne. Tanto que muitos consumidores julgam possuir similaridades gustativas extremamente próximas.

Uma das maiores curiosidades da moreia e que também gera muita dúvida é que, assim como suas parentes próximas, a enguia, a moreia dá choque, como vimos no início do artigo. Ambas as espécies contam com a chamada “eletroplaca”.

Trata-se de um órgão elétrico, funcionando mais ou menos como uma bateria que acumula alguns volts. Sua carga pode ser disparada sempre que seu portador desejar. Isso ocorre, normalmente, em situações onde sente-se ameaçado.

De maneira geral, a moreia e a enguia se diferem uma da outra somente por um mero detalhe morfológico. Não há barbatanas peitorais nas moreias. As enguias, por outro lado, possuem esse órgão em diversas partes de sua fisionomia.

Como criar moreia?

Criar moreias não é uma tarefa tão difícil. Mas, tome cuidados especiais e assegure que o animal receba os tratamentos adequados.

Um deles é preservar o ambiente em que a moreia estiver inserida, proporcionando um local de calma e tranquilidade. Lembre-se que as moreias são peixes extremamente irritáveis. Ao receberem muitos estímulos, podem entrar em um estado de estresse muito profundo. Isso as fará ter comportamentos impulsivos ou deixarem de comer.

É também indispensável manter os níveis de qualidade da água, principalmente se o anterior habitat da moreia se tratar de um meio salino.

Uma moreia do mar, ou seja, acostumada à água salgada, que é depositada num tanque com água doce, com o tempo, desenvolverá uma porção de problemas de saúde que poderiam facilmente ser evitados com a manutenção hídrica correta.

Naturalmente curiosas, as moreias costumam procurar por brechas e reentrâncias em busca de alimento. Por isso, mantenha em aquários com tampas muito bem fechadas. Caso contrário, elas poderão escorrer para fora.

Os aquários precisam necessariamente possuir uma paisagem que lembre o ambiente natural das moreias.

Por isso, é interessante acrescentar como forro do tanque escolhido um substrato adequado, preferencialmente de cascalho, bem como inserir elementos que lembrem a superfície rochosa ou coralina, onde a moreia peixe está mais adaptada a permanecer.

Uma dica importante para quem busca sua reprodução em cativeiro é que, em temperaturas mais elevadas, as chances de acasalamento bem-sucedido aumentam.

Como pescar moreia?

As moreias são predadoras ativas, porém, geralmente costumam realizar sua caça utilizando-se de artimanhas. Um bom exemplo consiste em esconder-se entre rochas e corais mantendo a boca aberta.

Se algum peixe, lula ou caranguejo inadvertido tiver a infelicidade de pisar em sua mandíbula externa (elas possuem duas, a externa – ou oral – e a faringeal), a moreia o engolirá sem cerimônias. Para tanto, basta que o animal caiba em sua boca.

Assim, é de se concluir que ela, para manter seu disfarce, não se movimentaria muito. Isto é, ela raramente persegue as suas vítimas por longas distâncias ou sequer envolvendo-se em perseguições. Tal fato, por si só, torna mais difícil a pesca focalizada desse peixe. Especialmente, em algumas regiões mais ricas em fauna aquática.

Mas, a pesca da moreia não é impossível e pode ser feita utilizando-se a isca ideal, preferencialmente viva e com pesos para que atinja até o fundo, onde as moreias gostam de permanecer.

Para se capturar moreias, não são necessários equipamentos muito sofisticados. Na verdade, essa tarefa ocorre apenas com uma linha de mão, com vara simples de molinete ou carretilha.

Quando fisgadas, elas tendem a esconder-se em suas tocas e em meio aos corais. As linhas de pesca rompem-se em função da aspereza desses locais. Se isso eventualmente acontecer, é importante que o pescador não perca a paciência.

moreia

Existe moreia no Brasil?

As moreias são muito comuns no Brasil. Os brasileiros a apreciam grandemente. Todas as regiões costeiras do país contêm moreias. A única área onde sua pesca é mais escassa é na região Sul.

Seu consumo, em nosso país, remonta aos velhos tempos anteriores ao Descobrimento. Com efeito, a maioria das, ao menos, cerca 30 espécies conhecidamente endêmicas no país, compõem a culinária indígena de várias tribos. De tal forma que, entre estes povos, a moreia assume outros nomes, como caramuru, para os Tupinambá.

E não só o peixe moreia tem espaço nas terras brasileiras, como também a planta moreia, cuja utilização é amplamente explorada no paisagismo.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo