Silvicultura e a sua importância para a conservação ambiental

Inicio » Meio Ambiente » Silvicultura e a sua importância para a conservação ambiental
13/03/2019 Por
Silvicultura e a sua importância para a conservação ambiental

A silvicultura engloba atividades voltadas para a conservação e preservação ambiental, visando o crescimento florestal e produtivo das espécies plantadas.

Sendo praticada de forma sustentável, a silvicultura faz parte das atividades com maior destaque dentro da economia brasileira.

  1. O que é silvicultura?
  2. Divisões da silvicultura
  3. Silvicultura sustentável
  4. Silvicultura de precisão
  5. A silvicultura no brasil
  6. Importância da silvicultura
  7. Os impactos da silvicultura
  8. Origem da silvicultura
  9. Silvicultor
  10. A formação do silvicultor
  11. Silvicultura urbana
  12. A silvicultura na economia
  13. O solo e a economia
  14. O futuro da silvicultura

Silvicultura: florestas

O que é silvicultura?

Silvicultura é o nome dado ao estudo de técnicas artificiais e naturais de melhoramento e regeneração das florestas, fazendo parte da engenharia florestal. Ela tem como intuito suprir as necessidades do mercado, destacando métodos de conservação, aplicação e uso consciente de florestas. Esta ciência também está diretamente relacionada à cultura madeireira. A silvicultura utiliza o plantio de mudas para que a recuperação florestal seja feita.

Em geral, o intuito central é acompanhar o crescimento e desenvolvimento das árvores, para que haja uma produção precisa e adequada de produtos ou serviços – sem impactar o ecossistema florestal. Alguns dos principais esforços e produtos envolvidos nessa cadeia são:

  • Lenha;
  • Madeira;
  • Madeira industrial;
  • Estoque de carbono;
  • Hospitalidade;
  • Lazer
  • Proteção do solo;
  • Qualidade e boas condições de paisagem.

Assim, plantas regionais são cultivadas, visando a ampliação de conservação dos biomas presentes; além da restauração dos recursos hídricos e da biodiversidade. Quando relacionada à cultura madeireira, a silvicultura é chamada de megassilvicultura, e está voltada para a exploração da madeira visando o comércio.

Em outras palavras, a prática da silvicultura é aplicada para o plantio de espécies de plantas ou florestas para que, depois, aconteça a venda dos produtos plantados. Ou seja, ela está relacionada tanto aos objetivos comerciais quanto com as atividades de passatempo (ou hobby) ou ativismo ambiental.

Divisões da silvicultura

Ela pode ser divida em:

  • Silvicultura clássica: refere-se ao manuseio de florestas naturais, visando estímulos de produção que não danifiquem o ecossistema;
  • Silvicultura moderna: refere-se ao manuseio de florestas plantadas de forma artificial.

Os pontos mais influentes da prática são, basicamente:

  • Determinação das espécies;
  • Fatores climáticos;
  • Determinação do material genético;
  • Produção de mudas;
  • Preparação do solo;
  • Tratamento de culturas;
  • Planejamento da colheita;
  • Controle de pragas e invasores indesejados, como as ervas daninhas.

Silvicultura: plantio de árvores

Silvicultura sustentável

manejo florestal sustentável é extremamente importante para que as florestas sejam recuperadas, principalmente por meio do plantio de espécies de mudas. Dessa forma, as atividades de silvicultura estão voltadas para esta recuperação, focada principalmente em áreas já degradadas.

Os biomas locais e o recursos naturais afetados pela degradação do meio ambiente são cuidados pelas técnicas de restauração vegetal. Ou seja, são plantadas espécies que, anteriormente, haviam sido retiradas daquela região.

Para que a silvicultura sustentável seja realizada, é preciso planejamento com base em estudos sobre a região a ser trabalhada. O objetivo é, por exemplo, saber as condições da área, a quantidade de árvores danificadas, a porcentagem de desmatamento, os recursos naturais impactados e qualidade do solo.

Assim, encontrar espécies adequadas, propícias e eficientes para o reflorestamento é um dos principais desafios. O importante é fazer a escolha levando em conta as necessidades do mercado e a preservação do meio ambiente.

Um dos grandes benefícios desta prática é a administração adequada das espécies a serem cultivadas e, futuramente, utilizadas como matéria prima. Além disso, a população em torno da região também acaba sendo favorecida devido ao reflorestamento local, que contribui para a qualidade de vida dos seres, da fauna e da flora regional.

Dessa forma, a atividade é sustentável, pois as indústrias e empresas que farão uso dos produtos estarão utilizando matéria prima que não impactará a natureza, diminuindo os riscos de desequilíbrio ambiental.

Silvicultura de precisão

As indústrias estão optando pelo uso de máquinas, serviços e tecnologias que auxiliam no aumento da produtividade, diminuem os custos operacionais e têm maior disponibilidade. O uso destes implementos propicia uma administração melhor das florestas. Por exemplo, a inserção da silvicultura de precisão possibilita o uso de:

  • Fotogrametria;
  • Fotointerpretação;
  • Cartografia;
  • Sistemas de informações geográficas;
  • Sensoriamento remoto;
  • Videografia;
  • Sistemas de posicionamento global.

Este tipo de silvicultura auxilia em maior nível de ganhos, principalmente por possibilitar o controle dos dados, permitindo selecionar um local adequado e fazer o planejamento da produtividade por cada espécie. São práticas semelhantes às da agricultura de precisão.

Minimizar os impactos ambientais e obter maior rendimento do solo são pontos realizados por meio da administração e acompanhamento das informações regionais. Sendo assim, o principal objetivo é focar nos recursos naturais mais importantes para as atividades.

Portanto, a silvicultura de precisão conta com variações na produtividade e no desenvolvimento tecnológico, que servem de auxílio para realizar as atividades de manejo dos plantios florestais.

Silvicultura

A silvicultura no Brasil

Assim que os portugueses chegaram no Brasil, as atividades de exploração tiveram início, principalmente, com a descoberta do pau-brasil. Desde então, estas atividades vêm tendo destaque dentro da economia brasileira.

O desenvolvimento da silvicultura brasileira é baseado na inserção do eucalipto e na produção de madeira, destacada pelo grande crescimento de produtos e indústrias. Dessa forma, a madeira industrial é um dos principais produtos, sendo responsável pela fabricação de:

  • Celulose;
  • Papel;
  • Painéis;
  • Serragem;
  • Compensados;
  • Cavaco;
  • Lenha;
  • Carvão vegetal.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), atualmente a silvicultura corresponde a 79% de toda a produção madeireira do Brasil. Porém, a região Norte não está inclusa, pois a Floresta Amazônica ainda engloba a maior parte de produtos do segmento.

No entanto, a Floresta Amazônica corre o risco de grandes impactos, podendo não mais ter a grande quantidade de recursos madeireiros. Por mais que o manejo florestal sustentável tenha o intuito de assegurar as condições do meio ambiente, isso ainda não garante a manutenção do nível de desenvolvimento e crescimento das árvores e demais espécies.

As principais espécies plantadas no Brasil são:

  • Eucalipto;
  • Pau de balsa;
  • Sumaúma;
  • Taxi branco;
  • Ipê;
  • Tauari;
  • Teca;
  • Acácia mangium;
  • Paricá.

Essas são as espécies mais utilizadas nos plantios, pois evitam o despejo das árvores remanescentes e garantem o fornecimento de diversos produtos, seja para a comercialização interna ou para exportação.

silvicultura no Brasil faz uso de algumas espécies, principalmente, por possuírem uma madeira com boa qualidade e com valor alto no mercado. Outras árvores contribuem para a fixação de nitrogênio na atmosfera, tornando-se importantes nas áreas já degradadas.

Além disso, há no país uma Sociedade Brasileira de Silvicultura (SBS), responsável por cuidar e representar todo o setor florestal. Pública e sem fins lucrativos, tem como intuito a maior preservação e conservação ambiental.

Importância da silvicultura

Conforme estamos observando ao longo deste artigo, a silvicultura trata da preservação e conservação ambiental voltadas às florestas. A partir disso, é correto afirmar que a silvicultura é uma atividade que não pode ser menosprezada quando se deseja o equilíbrio do meio ambiente.

Isso porque, sem os devidos cuidados na exploração dos recursos florestais, os efeitos podem ser devastadores. Em outras palavras, os impactos podem atingir não só a flora, mas a fauna, os solos, os rios e todos os ecossistemas presentes.

Através da silvicultura bem elaborada, seja de forma clássica ou moderna, é possível garantir que uma série de efeitos negativos sejam causados. Dessa maneira, o meio ambiente é preservado e isso atinge, inevitavelmente, a qualidade de vida do homem.

Se o próprio homem explorar de maneira inadequada os recursos florestais, os efeitos sempre acabarão o atingindo, como parte de um ciclo. Nesse sentido, a silvicultura evita que a humanidade sofra com os próprios erros e negligências.

Oriundo do latim, o significado de silvicultura é “cultivo de árvores e floresta”. Em suma, a silvicultura tem como objetivo garantir que as florestas sejam preservadas e, consequentemente, todas as formas de vida nela presentes, macroscópicas ou microscópicas.

Dessa forma, é possível garantir a produção madeireira sem danificar o meio ambiente. Ainda assim, a silvicultura também envolve os bens e serviços que se utilizam das madeiras, tendo uma forte influência em toda a economia brasileira.

Assim sendo, é possível compreender facilmente o que é silvicultura, de modo a perceber a sua grande importância para o bem-estar da sociedade e do meio ambiente.

Silvicultura: cultura madeireira

Os impactos da silvicultura

Indiretamente, a silvicultura causa impactos em diversos outros pontos, como na fauna e nos recursos naturais. Nesse sentido, é importante compreender que, por mais que não pareça, a vida humana pode sentir os efeitos positivos da silvicultura.

Para melhor compreender o que é silvicultura, é válido mencionar que o silvicultor é incumbido de controlar a intervenção nas florestas, procurando extrair a maior produtividade sem causar problemas ao equilíbrio ecológico.

Desse modo, o desmatamento desregrado pode prejudicar a natureza das mais variadas formas, sendo a primeira delas o próprio desmatamento. Com a extração inconsequente de madeiras, os ecossistemas são destruídos, comprometendo a fauna e a flora.

Além disso, o desmatamento desregrado também pode gerar impactos climáticos, como o efeito estufa e até o desequilíbrio local das temperaturas. Isso porque a vegetação absorve o gás carbônico, bem como também protege os corpos d’água.

Ainda assim, desmatar as encostas de rios e lagos pode causar o chamado assoreamento, o que pode prejudicar toda a bacia hidrográfica de um determinado local. Se essa prática for elevada, os efeitos podem ser ainda maiores, acabando com a vida aquática.

Em suma, a preservação da qualidade do ar, das águas e da vida em geral também é garantida através da silvicultura. Por isso, vale sempre levar em consideração todas as formas de proteção do meio ambiente, sabendo que uma causa gera diversas consequências.

A saber, a silvicultura atua indiretamente contra a erosão, a desertificação e o enfraquecimento do solo. A principal função é proteger as florestas, garantindo a exploração adequada, seja dos pequenos produtores ou até mesmo das grandes indústrias.

Origem da silvicultura

No Brasil, durante as últimas décadas, houve uma transformação na produção madeireira. Ou seja, uma série de grandes empresas que atuam nesse segmento passaram a utilizar-se da silvicultura para garantir a produtividade de maneira sustentável.

Nesse sentido, as grandes produtoras passaram a se preocupar com o meio ambiente e com os impactos da extração madeireira. Isso fez com que o Brasil se destacasse no mundo todo, se tratando da aplicação da silvicultura focada no eucalipto e no pinus.

Desse modo, a produção madeireira nacional conta com as melhores tecnologias do mundo, se tratando dos métodos aplicados na produção de eucaliptos. Seguindo todos os parâmetros nesse tipo de cultivo, muitos benefícios são garantidos.

Dentre esses benefícios, podem ser citados a diminuição da pressão nas florestas nativas, o reaproveitamento das terras, a proteção dos recursos naturais e a homogeneidade dos produtos, o que contribui para a adequação industrial.

Da mesma forma, a silvicultura aplicada nesse segmento garante o combate às pragas e o controle dos casos de incêndios. O corte adequado e o reflorestamento são os principais fatores padronizados, o que conduz a exploração adequada e sustentável.

Silvicultor

A saber, não é possível que a silvicultura ofereça todos os benefícios citados ao longo do artigo se não contar com a atuação do silvicultor. Assim sendo, o silvicultor é o profissional capacitado para elaborar todos os estudos e análises, a fim de conduzir a produção madeireira de modo correto.

Para ter uma boa visão sobre o que é silvicultura, é necessário compreender exatamente a importância do silvicultor. Em outras palavras, esse é o profissional responsável por conhecer e aplicar as técnicas de silvicultura.

Dessa forma, o silvicultor se utiliza das técnicas e dos estudos referentes à silvicultura para acompanhar, analisar e definir as formas adequadas de produção madeireira. É responsabilidade dele garantir o reflorestamento e o uso racional das florestas.

Esse profissional elabora o plano e as normas que devem ser seguidas pelos produtores e empresas madeireiras a fim de respeitar o meio ambiente. Da mesma forma, também compete ao silvicultor elaborar a preservação de diversos ecossistemas.

Entre esses ecossistemas, pode-se mencionar a irrigação, a renovação das espécies em extinção e o equilíbrio de todos os ciclos para a renovação dos nutrientes. Ou seja, a atuação do silvicultor também proporciona a preservação de biomas.

A formação do silvicultor

Para atuar como silvicultor, existe uma série de formações que podem ser utilizadas. Ou seja, pode-se atuar na silvicultura tendo formação em engenharia ambiental, agronomia, ciências biológicas, biotecnologia, entre outras formações.

Além disso, existe um curso específico para a formação desse profissional, que é o tecnólogo em silvicultura. Esse curso forma um profissional focado nessa área, ao contrário do engenheiro florestal, que pode atuar em diversas funções.

O profissional silvicultor pode atuar a nível urbano, rural ou industrial, tendo como objetivo a utilização sustentável das florestas. Desse modo, todo o planejamento fica a encargo desse profissional, que é responsável tanto por produzir mudas quanto por evitar pragas.

Os programas de preservação e conservação são obrigações desse profissional, que pode também atuar prestando serviços aos órgãos públicos. Em suma, a atuação é vasta e inclui disciplinas relacionadas ao solo, meteorologia, genética, botânica, entre outras.

A formação do tecnólogo em silvicultura leva cerca de três anos e pode ser encontrada em diversas instituições de ensino. Dessa maneira, para atuar como silvicultor, um indivíduo pode se utilizar do curso tecnólogo ou de uma das formações mencionadas anteriormente.

A atuação do profissional silvicultor é de suma importância para a produção sustentável da indústria madeireira e sem esse profissional não é possível respeitar a legislação. Portanto, esse é um campo que deve ser considerado por aqueles que sentem afinidade com o agronegócio.

Silvicultura

Silvicultura urbana

Conforme foi mencionado nesse artigo, a silvicultura de precisão e a silvicultura sustentável visam garantir a preservação a nível industrial. Além disso, o silvicultor pode atuar a nível urbano, desempenhando uma atividade um pouco diferente.

Dessa forma, a silvicultura urbana trata da preservação e análise de ambientes urbanos com vegetação arbórea. Independente desses locais serem públicos ou privados, o silvicultor pode atuar garantindo o bom emprego ecológico, econômico e, até mesmo, social.

O bem-estar da sociedade urbana exige que determinados pontos da cidade contem com uma certa concentração de mata verde. Nesse sentido, a atuação do silvicultor trata de observar os recursos tecnológicos e o posicionamento geográfico desses locais.

Em outras palavras, a silvicultura urbana visa garantir a exploração vegetal, o reflorestamento e a gestão econômica de forma adequada e sustentável dentro do perímetro urbano. Isso garante que o meio ambiente seja preservado, independente do local em que existam ecossistemas.

Dessa maneira, é possível compreender mais claramente ainda o que é silvicultura e quais as diferentes possibilidades de aplicação e atuação de um silvicultor. Em suma, tudo se resume ao emprego consciente e preservação das florestas.

A silvicultura na economia

A economia é impactada direta e indiretamente pela silvicultura, isso porque ela interfere diretamente na extração e utilização das florestas. Desse modo, a indústria madeireira precisa se adequar às exigências da silvicultura.

O primeiro ponto a ser considerado sobre a economia é a utilização da madeira, que é um recurso natural. Ou seja, sem um planejamento que vise garantir a preservação e reflorestamento das matas, é inevitável que a escassez acabe acontecendo.

Isso porque é necessário um certo tempo para o crescimento de novas árvores, bem como o planejamento e execução desse reflorestamento. Assim sendo, sem a silvicultura, a economia acabaria com as florestas e depois a escassez acabaria com a economia.

Portanto, um planejamento de reflorestamento, bem como o controle da extração madeireira, são necessários a fim de garantir o bom aproveitamento dos ciclos. Ainda assim, a economia também pode ser impactada de outras formas.

Caso a silvicultura não fosse aplicada de uma maneira inteligente e sustentável, a aquicultura e outras diversas formas de cultivo seriam prejudicadas. Dessa maneira, seria causado um efeito “bola de neve”, fazendo com que a economia fosse atingida em vários pontos.

A agricultura seria inevitavelmente prejudicada por conta dos danos causados ao solo e isso seria o suficiente para parar a economia. Em suma, a silvicultura desempenha um papel fundamental ao bom andamento da economia brasileira, em diversos segmentos.

Além dos impactos econômicos, toda a sociedade sofreria os maus efeitos do uso indevido dos recursos florestais e por isso é tão importante que a silvicultura seja sempre empregada. Pode-se afirmar também que o silvicultor é um profissional importantíssimo.

O solo e a economia

Conforme foi possível observar, o solo é analisado e observado pela silvicultura. Além disso, o solo é um recurso natural não renovável que, se não for preservado, pode afetar diversos setores, principalmente a agricultura.

Dessa forma, vale lembrar que o mau uso e a danificação do solo podem ocasionar a desertificação, o que torna esse recurso totalmente impróprio para a produção agrícola. Segundo o programa da ONU para o Meio Ambiente, 20 milhões de toneladas de grãos deixam de ser produzidas anualmente.

Esse número anual é ocasionado pela desertificação, que ocorre pelo mau emprego dos recursos florestais e pela erosão, sendo que essa última pode ser evitada pela preservação das vegetações. A saber, esse impacto pode ser controlado pela silvicultura.

Os ganhos ambientais do reflorestamento são cientificamente comprovados, conforme indica a Sociedade Brasileira de Silvicultura. Nesse sentido, cada hectare de floresta replantada produz o equivalente a 30 hectares de florestas nativas.

Desse modo, é possível perceber outro efeito positivo na silvicultura, que além de garantir a preservação do meio ambiente, também influencia a produtividade e a economia. Isso pode gerar mais efeitos positivos do que os citados, levando em conta os resultados indiretos.

No ano de 2004, 62% da produção madeireira foi extraída da silvicultura, enquanto 38% foi originado a partir das florestas nativas. Além disso, a movimentação nesse ano foi de 8,5 bilhões de reais, correspondendo a cerca de 4% do PIB nacional naquele ano.

Mais recentemente, no ano de 2009, a produção madeireira correspondeu a 5% do PIB nacional, sendo que em São Paulo e Minas Gerais se concentrou cerca de 41% da produção oriunda de florestas plantadas.

Esses números continuam crescendo, principalmente em eucaliptos e pinus, que ocupam grande parte dessas madeiras de reflorestamento.

O futuro da silvicultura

Estima-se que, para os próximos anos, a quantidade de produção florestal oriunda de florestas plantadas aumente, bem como a porcentagem do PIB movimentada pela indústria madeireira.

No ano de 2018, foram movimentados 20,6 bilhões de reais nesse setor e, nesse valor, um total de 13,6 bilhões (79,3%) é oriundo da silvicultura. A projeção é que esses números continuem crescendo nos próximos anos, focando em pinus e eucalipto.

Em suma, é possível perceber a grande influência da silvicultura para a economia, bem como para a preservação dos recursos florestais. Dessa maneira, levar em consideração essa importância é muito útil, visto o futuro promissor que pode ser vislumbrado a partir desses dados.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo