Free Stall é sistema de confinamento que garante a produção leiteira

Inicio » Pecuária » Free Stall é sistema de confinamento que garante a produção leiteira
30/07/2019 Por
Free Stall é sistema de confinamento que garante a produção leiteira

O Free Stall é um método de criação de gado leiteiro muito popular e utilizado por produtores de todo o mundo. No sistema Free Stall as vacas possuem uma área livre para caminhadas e recebem o alimento verde nos cochos. Cada animal também possui uma baia para descanso.

O Free Stall é um sistema bastante comum e apresenta diversas vantagens. Através dele, então, é possível manter mais controle sobre os animais, tanto em relação ao cio e parto dos animais como nos cuidados com a alimentação.

  1. O que é o sistema Free Stall?
  2. Como o sistema Free Stall funciona?
  3. Cuidados com o sistema Free Stall
  4. Vantagens do sistema de confinamento Free Stall
  5. Instalações do sistema Free Stall
  6. Indicativos de projeto Free Stall incorreto
  7. Free Stall e o estresse térmico
  8. Quanto custa a implementação do sistema Free Stall?
  9. Qual o melhor sistema de confinamento?
  10. O sistema de confinamento Free Stall

Free Stall

O que é o sistema Free Stall?

Free Stall é o nome dado a um método de criação de gado em confinamento. O método, portanto, é utilizado principalmente na produção de leite.

Dentro do confinamento Free Stall as vacas ficam soltas dentro de uma área cercada e, assim, são restritas às baias somente no momento da ordenha.

O método é um dos mais populares do mundo. O projeto de Free Stall é utilizado em diversos países e consiste basicamente em três áreas principais:

  • Camas individuais
  • Corredores de acesso
  • Áreas de trato

Como o sistema Free Stall funciona?

Existem diversos tipos de confinamento e, desta forma, o produtor rural deve pesquisar qual método se enquadra melhor às suas necessidades.

O valor das instalações e investimentos, portanto, vai depender dos recursos que a fazenda tiver disponível. Também do nível de automatização e equipamentos que pretende instalar.

Sendo assim, confira a forma básica que um sistema Free Stall de baixo custo deve funcionar:

  • As vacas ficam soltas em um cercado.
  • Existe uma baia para cada vaca, e ela serve para o descanso dos animais.
  • Os animais permanecem lado a lado.
  • As baias devem ser forradas com camas de material confortável e seco.
  • Uma parte da instalação deve ser reservada para a alimentação e exercícios das vacas.
  • Quando as vacas estão fora da ordenha, portanto, elas podem caminhar no espaço livre. Este espaço pode ter o solo coberto com concreto ou, ainda, ser de chão batido.
  • Também é importante que elas possuam acesso à alimentação verde, que pode ser silagem, feno, ou capim fresco cortado.
  • A alimentação com alimentos concentrados é realizada na hora da ordenha.

Cuidados com o sistema Free Stall

A construção de Free Stall apresenta muitos benefícios para a produção animal. Uma das vantagens do método é o controle do ambiente. Em uma área fechada, então, o produtor mantém um controle maior sobre os animais, possíveis patologias e outros problemas que possam surgir.

Em um confinamento como este, portanto, é possível oferecer mais conforto aos animais, o que acaba refletindo na produção. Durante os meses muito quentes, por exemplo, o plantel pode ser resfriado com a ajuda de ventiladores. Consequentemente, nos meses mais frios as vacas são protegidas das baixas temperaturas e mal tempo.

Por fim, os especialistas indicam que o sucesso do sistema de confinamento depende também de alguns fatores, como um projeto bem planejado que atenda às necessidades dos animais e da fazenda.

Além disso, é importante realizar o manejo adequado dentro do sistema Free Stall. As camas devem estar sempre limpas, assim como os bebedouros e cochos. Para concluir, a oferta de alimentos deve ser proporcional à quantidade de nutrientes que o plantel necessita.

Free Stall

Vantagens do sistema de confinamento Free Stall

A principal vantagem do confinamento Free Stall é o conforto animal. Como esse sistema permite melhor controle térmico, protegendo o animal contra raios solares e outras condições climáticas extremas, as vacas leiteiras sofrem menos com o estresse e outras doenças.

Além disso, os animais têm mais saúde, pois o produtor tem a possibilidade de oferecer comida de qualidade mesmo em tempos de seca e calor extremo. Assim, a produção de leite dificilmente será afetada de forma negativa.

Outas vantagens do sistema de confinamento Free Stall são:

  • Custo operacional econômico;
  • Mecanização fácil;
  • Flexibilidade de controle;
  • Exercício regular dos animais.

Ademais, esse tipo de confinamento permite a criação de animais em climas onde isso não seria possível. Por exemplo, a vaca holandesa é bastante conhecida por sua altíssima capacidade de produção leiteira e grande lucratividade. Contudo, essa raça não se adapta a regiões de climas muito quentes e com grande incidência solar.

Assim, como o Free Stall protege os animais do sol e permite o controle de temperatura, é possível criar a vaca holandesa em praticamente qualquer lugar do país.

De fato, o sistema de confinamento Free Stall é uma excelente forma de aumentar a produtividade e, consequentemente, a lucratividade da produção, ao mesmo tempo que garante o conforto das vacas.

Instalações do sistema Free Stall

Decerto, as vacas leiteiras só terão alta produtividade se elas estiverem com boa saúde e puderem descansar adequadamente.

Em média, as vacas descansam entre dez e quatorze horas por dia. Por isso, é importante que as instalações do Free Stall ofereçam espaço suficiente para que os animais do rebanho entre e saiam livremente do estábulo, além de serem capazes de se deitar e ficar de pé com facilidade.

Além disso, é importante que a vacas tenham espaço para descansar de frente para cima, mudar de posição e se alongar enquanto deitadas. Também é fundamental que as camas estejam sempre secas, limpas e confortáveis.

Veja, em seguida, algumas medidas que contribuem para o conforto, saúde e bem-estar dos animais no sistema de confinamento Free Stall.

Free Stall

  • Camas, colchões e baias no Free Stall

Vários tipos de materiais podem ser usados nas camas das vacas, como terra, areia, feno, palha e pó de serra. Caso sejam utilizados colchões de borracha, é imprescindível que eles tenham entre três e oito centímetros de altura.

Para evitar o desconforto, a manutenção é essencial. O recomendado é que os colchões sejam trocados a cada dez anos. Além disso, o produtor deve providenciar a limpeza do esterco e a urina sempre que as vacas forem para ordenha (independe do material utilizado nas camas).

Geralmente, o tamanho ideal das baias é dois metros e meio de comprimento e um metro e oitenta centímetros de altura. Contudo, o produtor deverá ter certeza que essa medida será suficiente para todas as vacas do rebanho. Para isso, baseie-se no nas medidas do maior animal.

Quando as baias são pequenas demais, isso dificulta a movimentação dos animais e pode fazer com que eles se machuquem, o que desencoraja o seu uso.

  • Se utilizar areia no Free Stall, fique atento aos detalhes

Caso o produtor opte por utilizar areia, é importante manter as baias sempre cheias, uma vez que os animais tendem a jogar o material para fora ao subir e descer, deixando a cama menos confortável e dificultando a movimentação do animal.

Para evitar que isso aconteça, a areia deve ser inclinada entre dois e três por cento em direção à parte traseira. Além disso, a escolha da areia faz toda a diferença.

De forma geral, as areias com partículas menores do que 0,3 mm de diâmetro não são suficientes para amortecer o peso do animal e dificultam a limpeza. Por outro lado, aerais muito grossas ou com pedras podem machucar os animais.

Outro cuidado que o criador deve tomar com a areia é a sua umidade. Não é recomendado usar areia molhada em camas de Free Stall. Especialmente no caso de reutilização de areia, o ideal é que a sua umidade esteja entre dez e doze por cento, com menos de dois por cento de matéria orgânica.

Indicativos de projeto Free Stall  incorreto

Decerto, o Free Stall tem o objetivo de promover o conforto às vacas leiteiras. Porém, quando a instalação ou manejo não é feita de forma correta, pode haver consequências na saúde e na produtividade dos animais.

Veja seis sinais de que o Free Stall não está sendo feito da forma certa:

  1. Vacas em pé na cama ou que gastam mais de cinco minutos para deitar-se podem ser um indício de que a cama está com comprimento inadequado, de que a barra para o pescoço ou o para peito estão na posição errada ou de que há pouca areia na baia;
  2. Animais grandes que defecam com frequência dentro das camas podem indicar que a barra para o pescoço e para peito estejam muito para frente ou muito para trás;
  3. Vacas que evitam a cama geralmente estão tentando se proteger de algum tipo de desconforto. Um deles pode ser degraus com mais de trinta centímetros que limitam o acesso do animal ao corredor e causam insegurança no momento da saída;
  4. Animais encontrados em posições diferentes do comum, com a cabeça voltada para o corredor ou deitadas diagonalmente, por exemplo, podem ser um indício de que as contenções do Free Stall não estão na largura adequada ou de que o nível de areia está baixo;
  5. Ferimentos também são um sinal de que há algo errado com as instalações, como lascas de metal, parafusos, barra para pescoço partida ou mal posicionada. Caso a vaca se machuque com frequência, ela pode preferir descansar no concreto do corredor e não nas camas;
  6. Vacas que se agrupam em alguma região da instalação mostram um possível erro no dimensionamento da passagem entre os corredores ou algum problema de ventilação.

Caso os animais apresente qualquer um desses sinais no sistema Free Stall, é imprescindível fazer alterações urgentemente.

Free Stall

Free Stall e o estresse térmico

Uma das principais vantagem do sistema de confinamento Free Stall é o alívio do estresse térmico para os animais. Isso acontece porque o seu projeto protege as vacas do calor excessivo e da radiação solar.

Por exemplo, os galpões são construídos de forma a fornecer o máximo de sombra aos animais (sentido leste-oeste). Além disso, o material usado, geralmente metal ou alumínio galvanizado na cor branca, ajuda a manter o local mais fresco, pois reflete a luz solar.

No Free Stall, a ventilação também é um fator muito importante para aliviar o estresse térmico. Por isso, não basta apenas instalar ventiladores em um galpão: é necessário que o sistema de ventilação seja capaz de fazer uma troca de ar completa por minuto, bem como reduzir a temperatura do ambiente.

Em regiões quentes e secas, somente o uso de ventiladores pode não ser o suficiente para promover o resfriamento. Nesses casos, pode-se fazer o uso de aspersores, molhando as vacas. Quando em contato com a pele, a água age como o suor natural, regulando a temperatura do corpo.

Por fim, o consumo de água e alimentação balanceada dos animais tem influência direta sobre o estresse térmico. Como os bebedouros não ficam expostos ao sol no sistema Free Stall, a água fica sempre fresca.

Além disso, o produtor precisa tomar cuidado com a qualidade da comida ofertada. De forma geral, alimentos que permanecem muito tempo no rúmen aumenta o estresse dos animais, principalmente em períodos críticos de calor e baixa humidade do ar.

Quanto custa a implementação do sistema Free Stall?

Agora que já sabemos as vantagens do Free Stall, é preciso saber quanto é necessário investir para instalar e fazer a manutenção desse sistema de confinamento.

Com base no artigo “Comparativo para implantação de um confinamento em sistema Free Stall versus Compost Barn”, publicado no portal Milkpoint, a estrutura e a implementação do Free Stall custam em torno de R$ 427.800,00.

No artigo, o cálculo foi feito com base em um barracão de 1.120 m², com cinco metros de pé direito nas extremidades e seis metros de pé direito no barracão. Além disso, estavam inclusos no orçamento:

  • Cento e quatro baias da cama;
  • Cem colchões;
  • Seis bebedouros de poliuretano;
  • Seis ventiladores 3.0;
  • Um scraper quatro corredores com calha.

Por outro lado, os custos de manutenção mensal do sistema de confinamento Free Stall (levando em consideração os gastos com energia elétrica, funcionários para limpeza e trato do barracão e dos animais, esvaziamento da esterqueira e reposição da serragem das camas) totalizou oito mil e cinquenta reais.

De fato, o Free Stall não é o sistema mais barato para instalar, mas o seu custo de manutenção é baixo em comparação com outros tipos de confinamento.

Porém, será que compensa investir no sistema Free Stall? Confira a seguir.

Free Stall

Qual o melhor sistema de confinamento?

Atualmente, existem quatro principais tipos de confinamento de animais para produção leiteira. São eles:

  1. Free Stall;
  2. Compost Barn;
  3. Loose Housing;
  4. Tie Stall.

O Free Stall, conforme já mencionado, é o sistema que mantém as vacas soltas em uma área cercada dividida em baias individuais.

Embora esse sistema tenha muitas vantagens, o seu custo de construção é alto. Além disso, o Free Stall promove maior competição entre os animais, menos atenção individual e, caso a limpeza não seja feita corretamente, vacas mais sujas.

Por outro lado, no sistema de confinamento Compost Barn, os animais ficam soltos dentro do galpão e podem se movimentar livremente. Por isso, os animais nesse tipo de instalação têm menos problemas de casco e apresentam menos odor dos dejetos, o que ajuda a diminuir a incidência de moscas e doenças causadas por esses insetos.

Porém, esse tipo de manejo resulta em maior dificuldade de manejo das camas.

Em terceiro lugar, o sistema Loose Housing é feito em estábulos com área de descanso coletiva, permitindo que as vacas se movimentem e expressem o seu comportamento natural. A diferença desse tipo de confinamento para os demais é que a ordenha e a alimentação são feitas em galpões diferentes.

A vantagem do Loose Housing é o baixo custo de construção. Contudo, é comum haver problemas com escoamento de dejetos da cama e infestação por moscas.

Por fim, o Tie Stall é o confinamento total dos animais durante o seu período produtivo. Embora esse sistema mantenha as vacas limpas e tenha um manejo muito mais fácil, ele é o mais estressante para os animais. Assim, ele é o sistema menos recomendado para manter o bem-estar das vacas leiteiras.

Em resumo, os melhores sistemas são o Free Stall e o Compost Barn, pois eles garantem o conforto do animal.

O sistema de confinamento Free Stall

Como vimos, o sistema de confinamento Free Stall tem como principal objetivo promover o bem-estar dos animais. Então, quando os animais estão confortáveis e saudáveis, eles tendem a produzir mais leite.

Embora a instalação da estrutura Free Stall tenha um custo elevado, esse tipo de confinamento é um dos melhores para os animais. Como as vacas ficam protegidas da radiação solar e têm espaço para se exercitar, o estresse é aliviado. Além disso, esse sistema garante água fresca e alimento de qualidade mesmo em épocas de calor extremo e secas.

Por outro lado, instalações de Free Stall inadequadas ou sem a devida manutenção podem ser muito prejudiciais. Além de gerar desconforto, estruturas com tamanho errado, sujas e sem o material ideal para as camas podem machucar e causar doenças nos animais.

Atualmente, o Free Stall é o tipo de confinamento mais usado no Brasil para criação de vacas leiteiras. Contudo, o Compost Barn também é um sistema eficaz em garantir o conforto dos animais, com a vantagem de prevenir as infestações por moscas.

Gostou de conhecer mais sobre o sistema de confinamento Free Stall? Então, leia também esse conteúdo sobre vacas lactantes e seus cuidados especiais.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo