Ecótono é região de transação entre dois ecossistemas

Inicio » Meio Ambiente » Ecótono é região de transação entre dois ecossistemas
17/04/2019 Por
Ecótono é região de transação entre dois ecossistemas

Um ecótono são espaços naturais que existem entre os habitats, que permitem a mudança de um para o outro. Nele podem viver espécies específicas da fauna e da flora.

O Brasil possui diversos exemplos de ecótono, entretanto, os maiores e mais expressivos estão nas regiões do Cerrado, da Caatinga e da Amazônia.

  1. O que é ecótono em biologia?
  2. Como sobrevivem as espécies em um ecótono?
  3. Características de um ecótono
  4. Ecossistemas do Brasil
  5. Bordas, fronteiras e ecótonos
  6. Fronteiras atrópicas e ecótonos
  7. Bordas e ecótonos
  8. Caracterízação heterogênea do ecótono
  9. Principais tipos de ecótonos
  10. Como identificar ecótonos??
  11. Ecótonos representam riscos?
  12. É possível plantar no local dos ecótonos?
  13. Ecótonos e o agronegócio
  14. Manutenção de ecótono

Ecótono

O que é ecótono em biologia?

Ecótono é uma área onde dois habitats diferentes entram em contato. Uma região, portanto, de transição ambiental. Um ecótono pode possuir uma grande diversidade de espécies devido aos ambientes diferentes que se unem.

Uma das características de um local como este é a mudança acentuada de vegetação, que pode demonstrar indicadores de mudanças climáticas.

Os ecótonos, então, podem ser entendidos como o ambiente que existe entre dois ecossistemas vizinhos. Ele define o espaço de fronteira entre duas comunidades ambientais diferentes.

Como sobrevivem as espécies em um ecótono?

Diferentes espécies podem interagir e conviver em um ecótono. Em alguns casos, entretanto, as plantas não poderiam se reproduzir e sobreviver em um ambiente vizinho, por isso se proliferam somente nos limites de sua comunidade.

  • Plantas que vivem nos limites: algumas espécies não são adaptadas para sobreviver no ecossistema seguinte, por isso, vivem somente até os limites de seu próprio ambiente.
  • Plantas com maior tolerância ambiental: contudo, existem algumas espécies com maior capacidade de adaptação. Estas podem se distribuir através de um ecótono e sobreviverem, também, no ecossistema próximo.
  • As Plantas que vivem exclusivamente no ecótono: há, ainda, algumas espécies que encontram seu habitat perfeito justamente na transição destes dois ecossistemas. Assim, elas possuem um pouco das características dos dois ambientes, e podem se adaptar.

Características de um ecótono

Existem duas principais explicações para o surgimento de ecótonos: a primeira delas esclarece que ele é um ecossistema formado entre outros ecossistemas. Já a segunda explicação afirma que esta região é a união de áreas marginais, ou ainda, o centro de regiões em transição.

Apesar disso, algumas características definem estes espaços na natureza. Os ecótonos são:

  • Duas áreas formadas por diferentes fatores ambientais
  • Influenciadas por diferenças no solo e índice de chuvas, por exemplo
  • Dispersão das sementes: dependendo de onde caem, podem formar um novo ecótono
  • Regiões dinâmicas: estes espaços estão em constante transformação, podem mudar de tamanho e até posição geográfica, dependendo das mudanças ambientais

Ecossistemas do Brasil

Algumas pesquisas indicam que existem três principais regiões de transição ambiental no Brasil. O primeiro deles, então, seria entre o Cerrado e a Amazônia. Um ecossistema gigantesco que ocupa quase 5% do território brasileiro.

Outro exemplo seria a transição entre a Caatinga e a Amazônia. Entretanto, menos expressivo, esse ecossistema corresponde a aproximadamente 1,7% do território nacional. Por fim, outro exemplo fica na transição entre o Cerrado e a Caatinga, que ocupa pouco mais de 1% do solo brasileiro.

Infelizmente, o ecótono Cerrado-Amazônia fica em uma das regiões de desmatamento da floresta. Conforme os dados, este ecossistema já perdeu mais de 50% de sua área, devido a desmatamentos irregulares e plantações.

Bordas, fronteiras e ecótonos

Mesmo após saber o que é ecótono, é comum encontrar muitas pessoas que acabam se confundindo e caracterizando outras regiões também como ecótono. Um exemplo disso são as bordas e as fronteiras.

O fato é que, como o ecótono é algo que pode se apresentar de maneira semelhante a outras regiões, as mesmas podem ser caracterizadas dessa forma. No entanto, a partir disso começam a surgir certas dúvidas em relação ao que é ou não ecótono.

Para ter uma melhor ideia, em 1933, o efeito de borda por caracterizado também como ecótono. O motivo para isso é que nos ecótonos há uma quantidade maior de espécies, maior que nos ecossistemas adjacentes.

Entretanto, no ano de 2011, foi dito que o conceito de ecótono é algo bem mais inclusivo do que a borda. Afinal, consegue abranger todo o gradiente de transição entre dois ecossistemas, como já se sabe.

A explicação para isso foi a de que um campo e uma floresta estão separados por uma linha, que é a borda. No entanto, a área que se encontra sob o efeito da borda, na parte de dentro do campo e floresta, constitui o ecótono.

Uma teoria que envolve o ecótono, provinda de 1979, diz que a distinção dos conceitos está sendo analisado a partir de uma visão sistêmica. Ou seja, isso significa que o primeiro caso é passível de espacialização. Logo, cartografável.

Já no segundo, não é possível ter uma dimensão mais definida, já que remete de maneira principal à estrutura lógica que existe entre os elementos.

Ecótono

Fronteiras antrópicas e ecótonos

É possível ressaltar que as fronteiras antrópicas são consideradas por muitos como ecótonos. Afinal, trata-se de uma abordagem voltada para uma visão ecológica e que se baseia em análises de pequena escala. Tais análises permitem, então, uma visão mais ampla.

Nessas análises, por exemplo, integram-se diferentes conceitos que incluem limites antrópicos. Todos, logicamente, dentro de teorias gerais sobre os limites (no caso, fronteiras). Assim, é possível classificar a estrutura e a função das fronteiras dentro dos mais variados grupos, incluindo ecótonos.

Bordas e ecótonos

Em relação às bordas, definidas agora como tipos diferentes de ambientes, a sua situação acaba sendo totalmente dependente de como determinados fragmentos são caracterizados e devidamente definidos dentro de uma paisagem.

Tudo isso faz com que muitos autores e estudiosos acabem considerando o ecótono como um sinônimo de borda. No entanto, ainda assim existem muitos especialistas que reafirmam que, na verdade, o ecótono nada mais é do que um conceito funcional e ecológico.

Enquanto isso, a borda é, na verdade, também um conceito. Porém, conceito que seria caracterizado como espacial geográfico.

Ainda assim, é comum que haja uma certa confusão, tendo em vista que existem tipos de bordas que são muito semelhantes a ecótonos.

Caracterização heterogênica do ecótono

Analisando o ecótono na Biologia, é comum que os ecótonos em geral apresentem muita diversidade em relação às aparências que mostram. Um exemplo muito grande disso é o fato de que podem ser considerados regiões amplas, por exemplo.

Ou então, também é muito comum encontrar a caracterização do ecótono como uma região onde há um limite. Nesse limite, regiões de grande diversidade se separam em comunidades distintas, por exemplo: terra e água.

É importante ressaltar também que as regiões onde se apresentam os ecótonos possuem características heterogêneas. Logo, isso significa que existe uma grande biodiversidade no local. Além disso, essa biodiversidade indica que processos de especiação são muito comuns em regiões como essas.

Ademais, também é importante ressaltar que essa especiação acaba gerando um alto número de espécies endêmicas. Logo, é comum encontrar espécies que somente existem no local, fazendo com que seja algo muito próprio de toda a região.

Ainda assim, é importante ressaltar que nem todos os ecótonos possuem características marcantes e que farão com que todos consigam identificá-lo a partir de sua endemicidade. Na verdade, alguns são formados por espécies já existentes em suas adjacentes. Logo, estes tornam-se relativos na questão da diversidade.

Ecótono

Principais tipos de ecótonos

Para explicar de melhor forma os principais tipos de ecótonos, é muito importante levar em consideração os sistemas de transição da vegetação que há em território brasileiro. Tais sistemas foram caracterizados como “zonas de tensão ecológica”.

Isso porque, em diferentes habitats, é possível encontrar diferentes comunidades. Assim, nessas comunidades, as espécies se interpenetram e constituem as transições conhecidas popularmente como “transições florísticas”.

No entanto, sempre que um tipo de ecótono passa por algum estudo para ser caracterizado, é importante ressaltar que é necessário levar em consideração a escala de estudo e também a mistura florística.

Como visto anteriormente, além de saber o que são ecótonos, também foi possível observar as suas principais características. Isso, por exemplo, pode ajudar na hora de identificar. Ainda assim, há uma diferença muito grande dentre as suas principais formações.

Logo, mesmo que possuam características semelhantes e que muitas vezes se repetem, é importante analisá-los através de fotos para identificar o tipo de vegetação presente no local, bem como suas principais características.

Mesmo que a identidade florística no ecótono seja algo que não mostre tanta fitofisionomia entre uma flor e outra, ainda assim são caracterizadas algumas diferenças que permitem a identificação. De qualquer maneira, ao detectar o tipo de ecótono presente, notam-se três tipos:

  • Ecótono de transição abrupta;
  • Ecótono de transição abrupta entre ecossistemas;
  • E o ecótono estendido.

No primeiro caso, o ecótono se refere ao momento em que há uma descontinuidade. Dessa maneira, ocorre uma transição abrupta.

No entanto, o segundo tipo já está se referindo ao momento em que duas comunidades competem fortemente entre si. Assim sendo, ocorre uma transição de maneira muito abrupta, fazendo com que ocorra o ecótono de transição abrupta entre ecossistemas.

Por fim, o último diz respeito aos fatores do meio. Ou seja, ele é formado a partir das mudanças que ocorrem entre as comunidades de plantas. No entanto, para que seja caracterizado dessa forma, é altamente indicado que essas mudanças ocorram de maneira gradual.

Denominação de uma área

Antes de imediatamente denominar uma área como ecótono, é preciso levar em conta mais de uma questão. Em suma, é preciso ter em mente as seguintes características:

  • Padrões próprios;
  • Estrutura dependente;
  • Tensão instável.

Ou seja, é comum encontrar estudiosos e curiosos que caracterizam qualquer região dividida como ecótono. Entretanto, o que ocorre é que tais características citadas acima são muito relevantes para ter certeza do que se está afirmando.

Afinal, um ecótono possui uma área de tensão extremamente instável. Isso significa que nem sempre ele segue padrões estabelecidos e será daquela forma. Logo, é correto afirmar que os ecótonos possuem padrões muito próprios. Esses padrões, inclusive, podem variar também.

Até mesmo porque suas estruturas são dependentes de tensões que podem se impor a dois ecossistemas que se encontram de maneira adjacente.

É importante ressaltar também, no entanto, que tais características não são somente próprias do ecótono. Afinal, é comum encontrá-las em todos os ecossistemas terrestres.

Por isso a identificação do ecótono causa muita divergência, fazendo com que ambientes que não podem ser caracterizados como ecótonos sejam, de fato, chamados como tal.

Ecótono

Como identificar ecótonos?

Mesmo que sejam mais comuns do que se imagina, os ecótonos causam uma certa dificuldade para que sejam devidamente identificados. Em suma, dependendo do estudo que está sendo realizado, indica-se a análise de fotos aéreas ou desenhos das áreas.

Como dito anteriormente, uma das formas de identificação dos ecótonos é justamente a observação de suas flores e plantas. Afinal, essas podem apresentar características muito próprias de áreas de ecótonos. Assim, torna-se mais fácil encontrar semelhanças para que estudos sejam realizados.

Ecótonos representam riscos?

Na verdade, uma dúvida muito comum de alguns indivíduos é se realmente o ecótono apresenta algum risco. Logicamente, ele pode se mostrar perigoso por outros motivos, mas não pelo simples fato de sua existência.

Logo, se alguém reside perto de um ecótono ou conhece algum, não significa que o chão pode estar rachando ou algo do tipo. Em suma, os ecótonos podem apresentar riscos porque podem conter alguns animais peçonhentos como cobras, por exemplo.

No entanto, é importante ressaltar que ele é uma ótima alternativa para quem deseja averiguar o clima. Isso porque ele é um dos melhores identificadores naturais de mudanças climáticas.

Muito comum em tempos antigos, era utilizado como uma espécie de medidor de temperatura, chuvas, frentes frias, etc.

Preservação ambiental

É indispensável falar dos ecótonos e citar a questão da preservação ambiental. Atualmente, nota-se um grande desdém para com a natureza como um todo.

O ecótono é o resultado de quando há contato entre dois ou mais biomas fronteiriços. Por conta disso, como já se sabe, é caracterizado como uma área de transição ambiental.

Assim, o ecótono mostra ser rico em diversas espécies, independente de terem sido provenientes de biomas ou espécies endêmicas.

Ou seja, como os ecótonos são dotados de características muito especiais, tais quais são facilmente notadas após descobrir o que são ecótonos, é indispensável pensar de maneira mais cuidadosa e especial em relação a sua preservação.

Afinal, o seu traço principal e aquele que o caracteriza é justamente o fato de ser um ecossistema que é formado entre demais ecossistemas. Assim, seu tamanho, recursos, microclima e demais características são todas diferentes em cada ecótono formado.

Lembrando que todos eles são influenciados por diversos fatores externos, tais como:

  • Clima;
  • Altitude;
  • Latitude;
  • Longitude;
  • Tipo de solo.

Portanto, ecótonos podem ser tranquilamente considerados áreas muito dinâmicas e que, com o tempo, podem mudar a sua largura e até mesmo posicionamento. Afinal, são voláteis às principais mudanças ambientais.

Partindo desse princípio, fica fácil entender por que se trata de algo que precisa tanto de preservação ambiental. Para ficar mais claro, os ecótonos são extremamente sensíveis às mudanças climáticas que ocorrem – não somente em sua região, mas em todo o globo.

Por isso, são considerados os mais eficazes e conhecidos indicadores naturais de mudanças climáticas. Além disso, é importante ter em mente a grande versatilidade que eles oferecem, já que criam um pequeno universo dentro de si.

É possível plantar no local dos ecótonos?

Isso não é possível de se realizar. Na verdade, geralmente há uma grande quantidade de água onde os ecótonos estão presentes. Além disso, há também a sua vegetação pessoal, que é aquela que faz com que sejam caracterizados.

Porém, como merecem e devem ser preservados, os ecótonos devem ser mantidos para que sigam o seu desenvolvimento natural e comum. Ou seja, como são voláteis e podem aumentar, diminuir ou simplesmente mudar de lugar, poderão simplesmente desaparecer e reaparecer em outro local.

Dessa maneira, é importante ressaltar que os ecótonos não devem ser invadidos e menos ainda mexidos para que algo seja realizado no local. Até mesmo porque possuem uma densidade maior, o que os torna de difícil acesso.

Ecótono

Ecótonos e o agronegócio

Em suma, os ecótonos não atrapalham o agronegócio. Logicamente, ocupam locais onde poderiam ser construídos alguns empreendimentos. Porém, muitos estão ali para preservar de fato uma parte da natureza e criar seus ecossistemas.

Ademais, é importante ressaltar que o ambiente utilizado para que seja realizado o plantio e demais características dos negócios agro estão em constante movimentação e bem distantes dos locais onde ocorrem os ecótonos.

Logo, não há a necessidade de se preocupar, já que eles possuem locais e condições favoráveis para que apareçam.

Manutenção de ecótono

Os ecótonos são mantidos de maneira protegida por indivíduos que realizam, geralmente, rondas locais. Geralmente são indígenas e demais pessoas da região que se envolvem em causas ambientais ou trabalham para algum órgão.

Dessa maneira, conseguem manter o ecótono de maneira eficaz e longe de ser agredido, fazendo com que seja poupado das agressões físicas humanas e até mesmo que tenham grande divergência ambiental.

Em suma, uma das características para fazer com que o ecótono seja de fato protegido e mantido de maneira adequada é sempre deixá-lo seguir seu curso natural, seja aumentando ou diminuindo de acordo com as mudanças que a própria natureza oferece.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo