Arroz vermelho foi introduzido no Brasil pelos portugueses no século XVI

Inicio » Agricultura » Arroz vermelho foi introduzido no Brasil pelos portugueses no século XVI
12/09/2019 Por
Arroz vermelho foi introduzido no Brasil pelos portugueses no século XVI

Também conhecido como arroz de Veneza e arroz da terra, o arroz vermelho, de acordo com historiadores, é de origem asiática e possui grande valor nutricional. O arroz vermelho é apreciado na China, Tailândia, França, bem como na Itália, Singapura e Malásia. O cultivo de arroz nesses países, além de gerar lucros, impulsiona a economia e atende a demanda interna.

A plantação de arroz vermelho no Brasil tem como principal destaque o Vale do Piancó, na Paraíba, com uma área plantada de aproximadamente 5 mi/ha e constitui a dieta básica dos habitantes do sertão nordestino.

  1. O que é arroz vermelho?
  2. Benefícios do arros vermelho
  3. Como fazer arroz vermelho?
  4. Receitas com arroz vermelho
  5. História do arroz vermelho
  6. História do arroz vermelho no Brasil
  7. Características do arroz vermelho
  8. Tipos de arroz
  9. Arroz branco
  10. Basmati
  11. Arroz integral
  12. Jasmine
  13. Arroz preto

Arroz vermelho

O que é arroz vermelho?

Arroz vermelho é um tipo de arroz integral amplamente cultivado há mais de 4.000 mil anos no sudeste asiático. Entre as mais de 140.000 variedades de arroz, o vermelho se destaca por seus valores nutricionais elevados.

Cultivado em solos férteis, alagados ou secos, o arroz vermelho é encontrado nas selvas tropicais da África, nos desertos áridos do Oriente Médio, assim como nas planícies costeiras até as montanhas do Himalaia.

O arroz vermelho constitui a dieta básica dos habitantes dos países onde é cultivado. Além disso, ele é encontrado nas artes de uma maneira geral, bem como em festas religiosas e eventos sociais.

Benefícios do arroz vermelho

O arroz vermelho possui 2 vezes mais zinco, além de 3 vezes mais ferro que o arroz integral tradicional. É rico em proteínas, fibras e vitaminas e possui baixo teor de gordura.

Além disso, possui fitoquímicos com ação antioxidante e ômegas 3 e 6. Seu consumo regular auxilia na redução dos níveis de colesterol, bem como na melhoria da circulação sanguínea, evitando problemas cardiovasculares.

Por ser rico em fibras, auxilia no bom funcionamento intestinal, assim como na redução de peso por proporcionar maior saciedade.

Como fazer arroz vermelho?

Como já explicamos, o arroz de cor vermelha é um tipo de grão integral. Portanto, seu cozimento, assim como o líquido utilizado para seu preparo, são maiores. Existem duas opções de cozimento: na panela normal ou na panela de pressão.

Na panela de pressão, a quantidade de líquido e o tempo de fogo são menores. Confira, a seguir, como fazer arroz vermelho na pressão.

Ingredientes

  • 1 xícara de chá de arroz vermelho;
  • 2 ½ xícara de chá de água;
  • 1 colher de sopa de óleo;
  • ½ cebola picada;
  • 2 dentes de alho picado;
  • Sal a gosto.

Modo de preparo

  1. Primeiramente, aqueça o óleo e refogue a cebola e o alho;
  2. Logo após, acrescente o arroz e frite bem;
  3. Em seguida, adicione a água e o sal;
  4. Finalmente, tampe a panela e, assim que levantar pressão, abaixe o fogo e cozinhe por 25 min;
  5. Aguarde sair o vapor, solte com um garfo e sirva.

Para o preparo na panela normal, a quantidade de líquido deverá ser de 3 ½ xícaras de chá de água. Por outro lado, o tempo de cozimento deverá ser entre 40 a 45 min, também em fogo baixo.

Receitas com arroz vermelho

Há uma série de receitas com arroz vermelho que você pode provar.

O arroz simples vermelho pode ser servido como acompanhamento para assados, bem como peixes, camarão e frutos do mar.

Acompanhe, a seguir, uma receita cremosa que confere ao prato a textura de risoto.

Arroz vermelho cremoso

Ingredientes

  • 1 colher de manteiga sem sal;
  • 2 colheres de sopa de cebola picada;
  • 1 xícara de chá de arroz vermelho;
  • Sal a gosto;
  • 200 ml de vinho branco seco;
  • 3 xícaras de chá de água fervente;
  • ½ xícara de chá de leite;
  • 200 g de requeijão cremoso;
  • Parmesão em lascas a gosto.

Modo de preparo

  1. Em primeiro lugar, aqueça a manteiga na panela de pressão e refogue a cebola;
  2. Em segundo lugar, acrescente o arroz, o sal e frite bem;
  3. Então, adicione o vinho e deixe até evaporar;
  4. Depois, acrescente a água, tampe a panela e deixe por 30 min após levantar pressão;
  5. Finalmente, assim que sair o vapor, adicione o requeijão e o leite;
  6. Misture bem, disponha em um refratário e decore o arroz vermelho com lascas de parmesão.

Arroz vermelho

Salada com arroz vermelho

Essa salada, além de ser uma delícia, é muito simples e prática de fazer. Por conseguinte, para preparar o arroz vermelho, você precisará de:

  • 200 gramas de arroz vermelho;
  • Uma folha de louro;
  • 200 gramas de legumes picados finamente (tais como pimentão vermelho, abóbora e cenoura);
  • Pimenta do reino e sal;
  • Dois dentes de alho já picados;
  • Dois litros do caldo de legumes da sua preferência;
  • 50 gramas de cebola picada;
  • 200 gramas de palmito picado;
  • 30 gramas de castanhas do pará cortadas em lâminas;
  • Azeite a gosto.

Para o preparo do arroz, você deve aquecer uma panela com azeite a fim de dourar o alho. Em segundo lugar, acrescente o arroz vermelho. Inesperadamente para muitos cozinheiros de primeira viagem, é necessário fritar por cerca de dois minutos e, depois, incorporar metade do seu caldo quente.

Aguarde levantar fervura, abaixando o fogo e cozinhando sem tampa. Certamente, o resto do caldo deve ser cozinhado paulatinamente, até que o ponto de “al dente” seja atingido.

Não apenas o ponto ideal do arroz merece atenção: os legumes devem ser salteados na frigideira com azeite. Posteriormente, misture tudo, temperando com pimenta e sal. Reserve.

Por causa de suas características particulares, o palmito requer um tratamento diferenciado. De acordo com os especialistas, o melhor a fazer nessa preparação é adicionar a cebola picada depois de dourar o alho no azeite. Reserve.

Mesmo que, em um primeiro momento, você desconfie do resultado, não tem erro: acrescente o palmito, refogando por cinco minutos em fogo médio. Ademais, lembre-se de adicionar algumas castanhas e acertar a pimenta e o sal.

Sem dúvida, a mais bela forma de apresentação dessa salada consiste em colocar, no prato, o palmito salteado ao lado de uma porção de arroz vermelho. A fim de deixar tudo ainda mais bonito, você pode decorar com mais castanhas e ervas frescas, servindo com um tradicional fio de azeite.

Arroz vermelho com pimenta de cheiro e alcatra

Similarmente, os ingredientes para essa saborosa receita são:

  • 400 g de alcatra (cortada, preferencialmente, em 4 bifes);
  • Quatro colheres de sal grosso;
  • Uma colher rasa de urucum em pó;
  • Meia pimenta de cheiro picada;
  • Meia xícara do caldo de carne de sua preferência;
  • Uma cebola picada;
  • Uma colher de coentro picado;
  • 200 g de arroz vermelho;
  • 2 colheres com óleo de milho;
  • Um dente de alho já picado.

De fato, é imprescindível seguir todos os passos para que a sua receita seja perfeita. Primordialmente, tempere em uma vasilha os 4 bifes em sal grosso, cobrindo-os com plástico filme e levando-os à geladeira, idealmente, de um dia ao outro.

Com o propósito de facilitar os procedimentos, lembre-se de cortar, pelo menos, metade da alcatra em cubos. Decerto, a carne deverá ser dourada em óleo de milho, incluindo a pimenta, o alho, a cebola e o urucum.

Ao passo que refogar tudo muito bem, vá acrescentando o arroz e deixe refogar por mais 3 minutos. Antes que a receita esteja pronta, coloque 600 ml de água quente, sal, caldo de carne e cozinhe até que o seu arroz fique realmente macio.

Depois, o mais indicado é utilizar o coentro para finalizar. Seja como for, não deixe de grelhar, enquanto isso, os bifes em uma frigideira. Visto que tudo está em ordem, basta servir com o arroz.

Arroz vermelho

História do arroz vermelho

Certos historiadores sustentam que a região na qual se deu a origem do arroz vermelho é o sudeste asiático. Em conclusão, ele foi classificado, na China, como proibido.

Com toda a certeza, em razão de seu alto custo, apenas o Imperador podia consumi-lo. Eventualmente, durante muitas guerras, alguns dos melhores combatentes recebiam o cereal como forma de recompensa.

No momento em que se alimentavam com o arroz vermelho, segundo acreditava-se, eles se tornariam mais fortes, rápidos e resistentes. Com a finalidade de manter a sua existência, o grão era cultivado, no Japão, apenas em localidades extremamente sagradas.

Em virtude de tais considerações, a Índia – que também conta com diversos tipos de arroz – também o utilizava para fins religiosos e tradicionais. Então, até mesmo no Ocidente, por exemplo, o sul da França, o grão é regularmente cultivado.

História do arroz vermelho no Brasil

Por fim, a história do arroz vermelho no Brasil começou a ser contada a partir do século XVI, quando os portugueses o trouxeram para a Capitania de Ilhéus, no atual estado da Bahia.

Uma vez que chegou às nossas terras, o arroz vermelhou não prosperou imediatamente. Ou seja, a sua ampla aceitação ainda levaria dois séculos e se mostraria mais acentuada no Maranhão.

Com efeito, na segunda metade do Século XVIII, a Coroa portuguesa determinou a proibição de seu plantio no Maranhão. Entretanto, os interesses imperiais recaíram exclusivamente sobre a produção de arroz branco, em quantidades necessárias para o suprimento da metrópole.

Com o fim de superar esse obstáculo legal, a produção do arroz vermelho se deslocou para o semiárido nordestino. A sua plantação pode ser encontrada até os dias atuais, sobretudo, na Paraíba.

Do mesmo modo, o arroz vermelho passou a constituir um dos ingredientes centrais da culinária local. Já que se tornou tão comum, ele tem sido considerado uma fonte especial de alimento para as populações dessa região.

Características do arroz vermelho

Assim também como é conhecido pelo nome de “arroz de Veneza”, o arroz vermelho também é chamado, em alguns lugares, como “arroz da terra”. Anteriormente, vale ressaltar que ele tem um destaque especial no Vale junto ao rio Piancó.

Em outras palavras, trata-se de uma bacia hidrográfica composta por solos naturalmente férteis. Apesar de seu relativo isolamento geográfico, a baixa tecnologia exigida para o cultivo desses grãos não permitiu, até o presente, a introdução de quaisquer outras variedades de arroz.

Por analogia, o Vale do rio Piancó constitui, com uma área plantada de cinco mil hectares, um excelente refúgio para o arroz vermelho em nosso país. Todavia, esse tipo integral de arroz apresenta o triplo de ferro e o dobro de zinco em comparação a outros tipos de arroz.

Aliás, por ser rico em fibras e ter baixos teores de gordura, o arroz vermelho auxilia, também, na redução da absorção, pelo organismo, do colesterol. Em primeiro lugar, esse efeito benéfico se deve à estatina natural chamada “monocolina”. Ainda assim, essa substância está presente em abundância na sua composição.

Por mais que esses benefícios do arroz sejam pouco conhecidos do grande público, o extrato do grão pode ajudar substancialmente na circulação sanguínea, nas funções intestinais e na digestão.

Assim como uma quantidade pequena do arroz vermelho é capaz de saciar, quase que instantaneamente, o apetite, ele também remove toxinas corporais, evitando a formação de diferentes tipos de tumores e deixando a pele mais sedosa.

Arroz vermelho

Tipos de arroz

Por certo, o arroz deve ser considerado muito mais do que um mero acompanhamento. Assim que se converteu em um dos alimentos mais consumidos do mundo (englobando as mais diferentes culturas e nações), ele é cultivado em diversas partes do planeta (principalmente, na Ásia).

Assim, embora o arroz branco seja o mais consumido, há uma ampla gama de tipos aproveitáveis para a composição de deliciosas receitas, como algumas que elencamos acima.

Se acaso ainda não tem familiaridade com as múltiplas alternativas existentes, saiba que esses grãos podem ser classificados em três grandes categorias:

  • Curto;
  • Médio;
  • Longo.

Em síntese, vale destacar o tipo integral (ou marrom), que vem ganhando cada vez mais popularidade. Desse modo, o fenômeno pode ser explicado como consequência da busca, de grandes parcelas da população, por uma vida mais saudável.

Mas, uma das formas mais simples de cozinhar qualquer tipo de arroz consiste, basicamente, em colocar uma porção na panela, deixando-a ferver até que fique macia.

Analogamente, alguns tipos, como os integrais, levam mais tempo para ficarem prontos. Salvo essa diferença, é altamente recomendável seguir as orientações constantes nas embalagens de cada produto.

Logo que dominar as técnicas básicas de preparo, você deve conhecer também a melhor maneira de armazenar o seu arroz. Embora os grãos possam durar anos, os integrais perdem a qualidade depois de seis meses.

Assim sendo, guarde o arroz em recipientes ou potes adequados e em locais secos (o freezer ou, até mesmo, a geladeira, também representam boas alternativas de armazenamento).

Confira a seguir alguns dos principais tipos de arroz.

Arroz branco

É o mais comum, estando disponível tanto nos tamanhos longo e médio, quanto no curto.

Ou por outra, o parboilizado passa por menos processos industriais de refinamento. Por tal motivo, é visto como um arroz mais saudável, preservando melhor os seus nutrientes.

Nesse ínterim, destacamos que ele é uma opção adequada para a maior parte dos pratos.

Basmati

Acima de tudo, o arroz basmati é lembrado por ser cultivado no Paquistão e na Índia. Logo depois, pelas características aromáticas (o seu nome pode ser traduzido livremente por “cheiroso” em sânscrito) e grãos longos.

Nesse meio tempo, os consumidores o encontram na versão branca e na integral. De maneira idêntica, é um bom acompanhamento para frituras, curry e pratos típicos da culinária indiana.

Portanto, o arroz basmati é mais encontrado na gastronomia asiática (na cozinha tailandesa, por exemplo, sua presença é bastante comum). Afinal, o seu aroma é incrível e apresenta uma leve doçura.

Da mesma forma, essas propriedades do arroz basmati fazem com que ele dispense a utilização de muitos condimentos na sua preparação. Igualmente, os grãos apresentam alta capacidade de retenção de água, porém, não fica cremoso e grudento.

Quanto ao valor nutricional, os índices são semelhantes aos do arroz branco.

Arroz vermelho

Arroz integral

Em suma, o termo “arroz integral” se refere aos grãos que não tiveram suas cascas retiradas. Para que você possa aproveitar melhor seu alto valor nutricional, tenha em mente que existem vários tipos desse cereal.

Principalmente, lembre-se de que todos os grãos, em algum momento, foram integrais. A princípio, o arroz integral pode ser utilizado nas mesmas preparações do arroz branco.

Pelo contrário da variante polida, a integral consiste em cereais que não passaram pelos tradicionais processos de remoção de suas cascas. A menos que você não se importe com a questão nutricional, gostará de saber que, graças a esse fato, ele possui mais nutrientes e maior concentração, em suas porções e composição, de fibras.

Pois, devido a contar com sua casa, o tempo de cocção é superior, enquanto o seu sabor é levemente diferente do que a maioria das pessoas está acostumada a encontrar no costumeiro arroz branco.

Surpreendentemente, sua coloração é, também, um diferencial, aproximando-se do marrom.

Jasmine

Conquanto a origem do arroz vermelho seja apontada no sudeste asiático, o arroz jasmine vem da Tailândia, sendo também conhecido como “Hom Mali”. Posto que deve ser apropriadamente lavado antes do cozimento, ele demanda menos água em relação ao arroz branco.

Inegavelmente, para 2 xícaras de água, uma xícara de arroz jasmine já é o suficiente para o seu preparo.

Ainda que a variedade não seja tão conhecida no Brasil, combina muito bem com refogados e grelhados. Vale a pena experimentar!

Arroz preto

O arroz preto é conhecido, por muitos, como o “arroz proibido”. Nesse sentido, era o tipo preferido pelos imperadores chineses. Como resultado dos altos níveis de antocianina, a sua tonalidade escura é marcante.

Porque se trata de um arroz integral, ele contém muitos nutrientes, podendo ser adquirido tanto na versão chinesa (ou curta) quanto na tailandesa (ou longa). Porquanto seja perfeito para o arroz doce, é amplamente usado na Ásia para diferentes tipos de pratos doces.

É provável que, em função de seu sabor único, esse arroz “selvagem”, seja um dos melhores alimentos. Outrossim, o arroz preto é rico em fibras, minerais e proteínas. Além disso, é ainda mais nutritivo do que os seus congêneres.

Antes de mais nada, não se esqueça de que o tempo de cocção do arroz preto é ainda maior, pois a sua casca é bem mais resistente. Precipuamente, esse é um grão sofisticado, tendo sido crescentemente explorado no mercado nacional.

Por menos que ainda não tenha conquistado de vez o gosto popular, seus grãos firmes, longos e escuros garantem uma experiência totalmente diferente para quem o consome – algo que também ocorre ao experimentar, pela primeira vez, o arroz vermelho.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo