Cavalo andaluz e as particularidades deste famoso equino

Inicio » Pecuária » Cavalo andaluz e as particularidades deste famoso equino
12/04/2019 Por
Cavalo andaluz e as particularidades deste famoso equino

Cavalo andaluz é reconhecido pela agilidade e o porte atlético. A raça espanhola de cavalo andaluz é famosa por ser uma das mais antigas e por ter feito parte das origens das civilizações e de antigas guerras dos séculos passado. Além disso, o cavalo andaluz é responsável por formar raças equinas norte-americanas e europeias.

O cavalo andaluz chama atenção por suas características físicas, sendo denominado como a encarnação da perfeição. É uma das raças mais utilizadas em arenas e uma ótima opção para quem procura investir na criação de cavalos.

  1. Como é o cavalo andaluz?
  2. Características do cavalo andaluz
  3. Criação de cavalos no Brasil
  4. Equinocultura no Brasil
  5. Raças de cavalo mais comuns no Brasil
  6. Campolina
  7. Quarto de milha
  8. Cavalo Árabe
  9. Lusitano
  10. Curiosidades sobre o cavalo andaluz
  11. Cavalo mestiço
  12. O que saber antes de comprar um cavalo?

Cavalo andaluz

Como é o cavalo andaluz?

O cavalo andaluz – também conhecido como cavalo cartusiano, cavalo colonizador ou cavalo dos reis – é uma das raças mais antigas e teve surgimento no início das civilizações. Descende do cavalo Ibérico procedente de cavalos Sorraia cruzados com cavalos Berberes. A origem da raça deu-se na Espanha e em Portugal durante o domínio árabe, quando foi tomada por cavalos de exércitos invasores.

Na época de origem da raça, as cores das marcas e da pelagem indicavam se o caráter dos cavalos eram de má ou de boa sorte. Um cavalo andaluz preto, por exemplo, era considerado zangado e repleto de vícios. Já um cavalo andaluz com patas brancas indicada boa ou má sorte dependendo das marcas nas pernas. As marcas no rosto representavam sinais de lealdade e resistência.

Características do cavalo andaluz

Há uma série de marcas que fazem deste um cavalo conhecido e admirado e, entre as principais características do andaluz podemos citar:

  • Cabeça: proporcionou ao corpo, orelhas médias e olhos expressivos e brilhantes
  • Pescoço: mediano, forte e musculoso, levemente curvado
  • Extremidades: músculos fortes, nádegas levemente encurvadas, pernas largas, casco definido, coxas, braços e antebraços musculosos e flexíveis
  • Pelagem: as mais comuns são o alazão, o tordilho e o castanho.

Além das características físicas, o cavalo andaluz é ágil, atlético, resistente, realiza movimentos harmônicos e possui disposição para muitas manobras. Sua personalidade é variável, mansa, equilibrada e nobre, adapta-se facilmente a novos ambientes, cavalheiros e a novas rotinas. Sua relação com os cavaleiros é repleta de obediência e aprendizagem, uma vez que essa raça segue fielmente as ordens que lhe são dadas.

Devido suas características e personalidade, o andaluz foi criado especialmente para ser um cavalo usado em cavalarias. Na Espanha, país que é originário, ele é utilizado em festas, festivais locais e em arenas, além de estar ganhando visibilidade em saltos de obstáculos e adestramentos.

Criação de cavalos no Brasil

A criação de cavalos, de forma geral, exige um equilíbrio entre determinados fatores. Por isso, alimentação, exercícios de rotina e as condições de alojamento devem ser adequados. O ponto principal da criação é saber reconhecer alterações de comportamento e sinais de mal estar mental ou físico. Alguns requisitos necessários são:

  • Machos devem possuir um garrote de 155 centímetros e passar por uma prova de montaria com o intuito de analisarem suas atitudes ao serem montados
  • Fêmeas devem possuir um garrote de 153 centímetro
  • Precisam cumprir os requisitos dos Tribunais de Reprodutores Qualificados
  • Devem passar pelo exame radiológico e estarem livres de doenças como osteocondrose e osteoartrite
  • Devem passar por uma verificação em seu sistema reprodutor e estarem livres de qualquer complicação de dificulte a reprodução

Um dos principais intuitos da criação de cavalos no Brasil parte de fazendeiros que utilizam os animais no trabalho rural; auxiliando nas cargas e nos campos de plantações. Entretanto, também há quem crie os cavalos por hobby ou fins comerciais, já que eles têm alto valor no mercado.

A criação de cavalo andaluz, por exemplo, requer boa estrutura que garante o bem estar dos animais. Os estábulos – áreas de alimentação e descanso – precisam ter condições adequadas de criação. Além disso, os fazendeiros devem seguir fielmente a dieta dos equinos e acompanhar a situação de reprodução deles, realizando exames periódicos e mantendo a vacinação em dia.

Cavalo andaluz

Equinocultura no Brasil

Certamente, a criação de cavalos no Brasil representa um segmento forte do mercado e na geração de empregos.

Dados referentes a 2018 publicados pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo mostram que a equinocultura no Brasil movimentou mais de 16 bilhões de reais. Tal número, na ocasião, representou alta de 15% em relação a 2017.

Outro dado que mostra a importância e a força do segmento para as finanças do país é o fato de empregar mais do que o tradicional e poderoso setor automobilístico.

A atividade de criação de cavalos é responsável por 3,2 milhões de empregos no Brasil (leva-se em conta que esse número foi colhido antes da eclosão da pandemia).

Na época, essa quantidade de postos de trabalho superava em 6 vezes o número de empregos gerados pela indústria automobilística. Números portentosos que, se ainda mantidos, deixam o mercado equino na terceira posição do ranking mundial.

Mas o setor de equinocultura no Brasil não se restringe apenas aos atos de compra e venda. Há vários segmentos que estão relacionados à criação do animal e que ajudam a sustentar o setor.

Podemos destacar o serviço e medicamentos veterinários, as fábricas de ração, selaria e acessórios, escola de ferragens, feno, entre outros segmentos que ajudam a girar a economia do setor.

Sem dúvida, o principal cavalo do Brasil, a raça mais popular e rentável, é o Mangalarga Marchador, que se destaca pela sua robustez e versatilidade. Ela é usada principalmente para cavalgadas, por ser dócil e forte.

Raças de cavalo mais comuns no Brasil

O cavalo andaluz é uma das raças de cavalo mais comuns no Brasil, mas há outras que também se destacam na frequência que são encontradas pelos campos de criação espalhados pelo país.

Temos o já citado Mangalarga Marchador, também conhecido como Cavalo Mineiro, que consegue se adaptar a diferentes climas e terrenos, o que sem dúvida facilita no processo de criação. Ademais, ele pode ser encontrado em diferentes cores.

Há também o Mangalarga conhecido pela garupa e troncos fortes. É recomendado para atividades de lida de fazenda e prática de esportes. Assim como o seu parente mais próximo, tem um temperamento dócil. É considerado, por ter essas referidas características, como um bom cavalo para sela e caça.

Veja outros tipos de cavalos comuns no Brasil.

Campolina

O cavalo Campolina surgiu graças à mistura de diversas raças. Seu nome é uma homenagem a Cassiano Antônio da Silva Campolin, criador de sua variedade.

É tido como um cavalo dócil e de fácil manejo. Entretanto, apesar do temperamento, é considerado um animal bem ativo, por isso, indicado para passeio.

Outras atividades em que é recomendado são lida de gado, tração e enduro.

Apesar da maioria dos animais da espécie ser de cor castanha, há tipos com outras cores.

Quarto de Milha

Sem dúvida, é um dos mais populares no Brasil por ser considerado um dos melhores para ser usados em competições. Isso já denota que é ágil, mas outra qualidade indiscutível e que desperta a cobiça de muitos é a sua inteligência.

Conta também o fato de ter uma musculatura bem desenvolvida e a capacidade de fazer paradas bruscas, características úteis não só para torneios esportivos, mas também para rodeios e exposições.

Cavalo Árabe

O Cavalo Árabe é a raça considerada, sem força de expressão, a mais antiga do mundo. É conhecida por sua agilidade e resistência. Diferente dos anteriores, não é do tipo dócil, tem temperamento forte e costuma ser nervoso.

Seu tempo de recuperação após um longo dia de trabalho é formidável. Tipos da espécie podem ser encontrados com pelagem alazã, castanha ou tordilha.

Lusitano

É o cavalo de sela mais antigo do mundo.

Ora, e o anterior?

Veja, o Cavalo Árabe é considerado o de raça mais antiga. O Lusitano é o de sela mais antigo. É bom deixar claro para se evitar confusão.

O seu nome já deixa a dica: sua origem é Portugal.

Atlético e robusto. Mais um tipo de temperamento dócil, entretanto, ótimo para touradas. Também se destaca na equitação clássica, cavalgada e tração ligeira.

São várias as cores que marcam a espécie. As mais comuns são tordilha e castanha. Outras cores presentes são a alazã, palomina, baio ou preta.

Cavalo andaluz

Curiosidades sobre o cavalo andaluz

Antigamente nutriam-se alguns mitos relacionados às cores e manchas de cavalos como o andaluz.

Dependendo da crença, certas marcas e espirais eram consideradas sinais de boa ou má sorte, boa ou má índole.

A cor constituía o elemento central dessas crenças que colocava o velho dualismo, o velho binômio de bem e mal, representado pelas cores branca e preta, sendo branco o “bem”, “luz”, “céu”, “nuvem”, “anjo”, enquanto o preto representava o “mal”, “trevas”, “noite”, “morte”.

Mas não bastava ter a cor branca. O local da marca tinha influência para se determinar a associação do animal com boa ou má sorte.

Isso podia ser visto com cavalos de patas brancas. Dependendo da perna ou pernas em que houvesse marcas brancas, podiam ser classificados como bons presságios ou maus agouros.

Um cavalo que não tivesse nenhuma marca branca no corpo era considerado um tipo mal humorado e cheio de vícios.

Essa lógica também se aplicava às marcas faciais. A depender do tipo, eram vistas como sinal de honestidade, resistência e lealdade.

O cavalo andaluz como tem pelagem branca ou uma mistura de tons brancos não deixou de ser alvo dessas crendices na antiguidade.

Cavalo mestiço

Em muitos lugares do mundo se utiliza o termo “andaluz” e “PRE” como sinônimos para se referir apenas a uma raça.

No entanto, a Asociación Nacional de Criadores de Caballos de Pura Raza Espanola (ANCCE) se posiciona publicamente afirmando que os termos andaluz e cavalo ibérico referem-se aos cavalos mestiços.

Esses tipos de cavalos são considerados pela associação como tipos sem qualidade e pureza, sem registro de funcionário espanhol Stud Book, em suma, sem documentação oficial.

Até 1960, a exportação de andaluzes na Espanha era restrita. Foi após essa data que a raça passou a se espalhar pelo mundo todo, apesar de ser uma espécie de baixa população.

No ano de 2010, contava-se mais de 185 mil cavalos da espécie registrados no planeta.

O que saber antes de comprar um cavalo?

Ser dono de um animal, não importa se um poodle toy, um sabiá ou um hamster, é sempre uma responsabilidade. É preciso alimentá-lo corretamente, cuidar de sua higiene e, dependendo do caso, cuidar de sua vacinação e assistência médica com mais frequência.

Tal responsabilidade não diminui ao se adquirir um animal de grande porte como o cavalo andaluz ou de qualquer outra raça. Pelo contrário, só aumenta. O investimento naturalmente será maior e a estrutura a se oferecer também.

Mas isso não deve causar surpresa, é algo esperado, mas como criar cavalo não é algo tão comum como ter um cachorro ou gato em casa, certamente há algumas especificidades que não são de conhecimento da maioria e que são importantes de serem observadas.

Para evitar transtornos tanto ao animal como a você mesmo, principalmente no que se refere às suas finanças, separamos algumas dicas do que é necessário saber antes de se comprar um cavalo.

Cavalo andaluz

Qual é o investimento inicial para ter um cavalo?

O investimento inicial varia de 4 mil reais a 100 mil reais. Essa variação está atrelada ao tipo de raça e finalidade de criação.

Se o seu objetivo é usar cavalo para a prática de esporte, há raças que são mais indicadas do que outras. Elas são criadas em locais e condições específicas para se desenvolverem de modo a atingir o melhor desempenho. Por isso, a variação nos valores.

Quais as especialidades de um cavalo?

Os cavalos são divididos em 3 categorias: esporte, serviço e lazer.

Os esportes praticados com equinos são o hipismo e a corrida. Para a prática dessas atividades, os cavalos Brasileiro e Mangalarga são os mais recomendados.

O cavalo andaluz também vem obtendo notoriedade em saltos de obstáculos e adestramento, como informado anteriormente, portanto, pode ser uma boa aposta a depender de suas necessidades de competição.

Já a categoria de serviços é aquela relacionada a controle de rebanhos de gado e búfalo. As características necessárias para a execução desse tipo de serviço, sem dúvida, são força, agilidade e tempo rápido de freada.

As raças que comportam essas características, e por isso são as mais indicadas para a categoria serviços, no Brasil, são a Pantaneira, Crioula, Nordestina e Marajoara.

Essas espécies são criadas em locais de bastante calor e chuva, além de brejo, para reforçar uma de suas qualidades citadas que é a força.

Por fim, temos a categoria lazer, que engloba atividades como passeio e equitação. Para essa categoria, as raças recomendadas são a Piquira, Mangalarga Marchador, Campeira e Campolina.

Todas elas são dóceis e têm a chamada Marcha de Tríplices Apoios Definidos em velocidade média.

E o que viria ser essa marcha? É uma espécie de medidor da intensidade da caminhada desses animais.

Qual é o melhor ambiente para criar cavalos?

O ideal é que você tenha um sítio com uma área grande para que o cavalo possa se exercitar, correr. Previsível essa necessidade, mas em casos de pessoas que não contam com uma estrutura dessas, não há nenhuma alternativa?

Sim, há. Você pode pagar por um haras, um local que cria e cuida desses animais. No entanto, será necessário pagar um valor mensal para manter o equino nesse ambiente. Também precisará arcar com a limpeza e comida do animal.

Se tiver à disposição uma chácara ou sítio, certamente o gasto será menor com a manutenção do cavalo.

Caso não possa cuidar dele diretamente ou pela maior parte do tempo, é um bom investimento contratar uma pessoa para ficar dedicada a prestar todos os tipos de serviços que o animal possa precisar.

A área a se instalar o animal precisa ser plana, ou ao menos essa é a melhor condição para a criação de cavalo. Além disso, é importante que a área seja de terra – não é obrigatório, mas é preferível.

O que é obrigatório é a limpeza do estábulo, a qual deve ser feita diariamente. Essa limpeza constante é o melhor remédio para impedir que o equino tenha contato com fezes e urina, fundamental para preservar a sua saúde e mantê-lo relaxado por mais tempo.

Cavalo andaluz

Alimentação do cavalo

Independente se é o cavalo andaluz ou de outra espécie, diferente do que ocorre com cães e gatos, a alimentação dessa classe de animal não deve se basear apenas em ração. A ração deve ser tratada apenas como um complemento da alimentação.

Uma boa dieta para cavalo é um mix de feno, aveia e capim verde. Não obrigatoriamente misturar esses elementos, mas usá-los como forma de variar o cardápio ao longo da semana.

Outro item não menos importante é a água. Deixe à disposição, sempre, muita água. A desidratação é muito perigosa e pode causar a morte do cavalo. Seus efeitos são mais céleres e fulminantes até mesmo do que a falta de comida.

Saúde do cavalo

As ferraduras não são um artigo dispensável, pois elas são importantes para a saúde dos cavalos. Elas são essenciais pois se encarregam de sustentar o peso do cavalo, por isso precisam estar em condições excelentes.

A consequência da falta de uso de ferraduras pode ser o surgimento de calos nos cascos ou de infecções, situações que tornam o cavalo inapto para cavalgar.

Um detalhe que costuma escapar dos desavisados é que não existe apenas ferraduras de ferro. Há modelos de plástico e de borracha. Com essas novas tecnologias, o impacto do trote do animal é menor, o que reflete na expectativa e qualidade de vida.

Caso o seu cavalo seja voltado especialmente para corridas, uma boa prática é deixá-lo de repouso por 2 dias após as competições. Essa medida ajuda a aliviar a tensão causada durante os eventos.

Seja o cavalo andaluz ou de outra espécie, é indispensável fazer visitas recorrentes a um veterinário experiente e de confiança, pois é uma garantia da manutenção da saúde do cavalo ou prevenção contra possíveis males que podem vir acometê-lo ao longo da vida.

Tags: ,

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo