Couve chinesa é rica em nutrientes e traz diferentes benefícios à saúde

Inicio » Agricultura » Couve chinesa é rica em nutrientes e traz diferentes benefícios à saúde
01/08/2019 Por
Couve chinesa é rica em nutrientes e traz diferentes benefícios à saúde

A couve chinesa é uma excelente opção para saladas, refogados ou composição de pratos. É muito consumida na Ásia e também ganhou espaço na mesa dos brasileiros. O vegetal é bastante saboroso e muito versátil, pode ser utilizado em sopas ou servido com proteínas.

Uma das principais vantagens da couve chinesa são os seus benefícios para a saúde. A planta é rica em vitaminas e fortalece o sistema imunológico, protegendo contra a chegada de possíveis doenças.

  1. O que é couve chinesa?
  2. Qual a diferença entre acelga e couve chinesa?
  3. Tipos de couve
  4. Como preparar a couve chinesa?
  5. Como se planta couve chinesa?
  6. Cuidados e colheita da couve chinesa
  7. Tipos de couve chinesa
  8. Benefícios da couve chinesa para a saúde
  9. Nutrientes da couve chinesa
  10. Uso da couve chinesa na culinária
  11. Curiosidades sobre a couve chinesa
  12. Como armazenar a couve chinesa?

Couve chinesa

O que é couve chinesa?

Couve chinesa – também conhecida como repolho chinês ou couve-china – é um vegetal que pertence a uma família chamada brássica. Além de saborosa, ela também faz muito bem para a saúde pois é rica em ácido fólico, que é muito importante para a formação do sangue.

Embora a sua origem não seja 100% conhecida, acredita-se que essa couve tenha origem na Ásia, mais especificamente na China. Consumida há muitos anos, desde a época anterior à Cristo, a hortaliça teria chegado no Brasil por volta do início do século XX.

Vale dizer que a couve chinesa ou acelgacomo também é chamada, possui vitamina A, B e cálcio. Além disso, a vitamina C e o potássio também fazem parte dos nutrientes oferecidos pela espécie.

Qual a diferença entre acelga e couve chinesa?

Embora a couve-china seja, muitas vezes, chamada de acelga, os vegetais são diferentes. Isso porque, enquanto esse tipo de couve é uma brássica – da família da couve-flor e brócoli, por exemplo – a acelga é outro tipo de hortaliça, e faz parte da família da beterraba.

Tipos de couve

Atualmente existem diversos tipos de couve disponíveis no mercado. Assim, cada uma delas traz benefícios específicos para o corpo. Além disso, são excelentes vegetais para serem consumidos na forma de salada, ou como acompanhamentos.

Confira alguns tipos:

Couve chinesa

Como preparar a couve chinesa?

Você sabe como preparar a couve chinesa? Pois saiba que o vegetal pode ser preparado de diferentes formas. Fica ótimo na salada, servida como acompanhamento e, em alguns casos, até mesmo na forma de suco.

A couve chinesa refogada, por exemplo, é um grande atrativo na mesa e faz muito bem para a saúde. É rica em fibras, o que auxilia no funcionamento do organismo. Além disso, pode compor um prato tradicional, junto com arroz e feijão.

A salada de couve chinesa também é uma ótima opção. Assim, os talos e folhas podem ser lavados e consumidos crus.

Para as pessoas que evitam o consumo de glúten, a couve pode ser uma excelente substituta. Algumas receitas usam o vegetal em lasanhas e, assim, trocam a massa pelas folhas verdes. Também é utilizada como recheios de tortas e salgados, ou junto com alguma proteína.

Uma dica para colorir o prato, então, é cozinhar a couve junto com o arroz, por exemplo. Além de saudável, o vegetal oferece um sabor diferenciado à mesa.

Como se planta couve chinesa?

Conforme já foi mencionado anteriormente, esse tipo de couve pode oferecer uma série de benefícios ao consumidor. Por conta disso, muitas pessoas acabam procurando aprender como plantar couve chinesa.

A saber, o cultivo dessa couve não exige muitos cuidados especiais. Em suma, essa planta se dá melhor com um clima ameno. Temperaturas abaixo de 20º C são as mais indicadas, o que possibilita que a couve resista a temperaturas consideradas frias.

Em contrapartida, a planta gosta muito de luz solar, tendo preferência por locais com boa luminosidade. O ideal é que ela receba entre 4 à 5 horas de luz solar diariamente, a fim de garantir o seu bom desenvolvimento.

A planta pode exigir um período entre 70 à 80 dias para o seu crescimento e desenvolvimento, além de necessitar de um solo bem nutrido. Dessa maneira, é conselhado incluir fertilizantes, ou até mesmo, compostos orgânicos, para manter a saúde do solo.

A rega da couve chinesa deve ser conduzida com cuidado, visto que a planta não resiste a longos períodos de seca. Entretanto, o devido cuidado deve ser tomado, a fim de evitar o acúmulo de água. Vale lembrar que a boa drenagem da lavoura é fundamental.

A semeadura pode ser feita tanto dentro de casa, em bandejas, como diretamente na terra. Porém, é importante ressaltar que o ideal é inserir as sementes em uma profundidade de 2 à 3 centímetros, dispostas a uma distância de 30 à 40 centímetros entre as plantas.

A couve-china tem preferência por temperaturas mais frias, e o mais indicado é que ela seja plantada na estação do outono, principalmente nas regiões mais quentes do país. Ainda assim, na hora de semear, é importante garantir que o solo se mantenha úmido.

Couve chinesa

Cuidados e colheita da couve chinesa

Depois de seguir todos os passos descritos acima, é preciso tomar os devidos cuidados com a planta, a fim de garantir o seu bom desenvolvimento. Dessa forma, é preciso prevenir doenças e pragas, já que a couve chinesa possui um ciclo médio.

É importante tomar cuidado com as larvas, lesmas e lagartas, que poderão acometer a plantação das couves. Por conta disso, utilizar chorume de urtiga pode ser uma boa forma de prevenir esses ataques, bem como utilizar-se de algum detergente biológico para pulverizar as plantas.

Uma doença conhecida como “podridão negra” costuma acometer as brássicas, principalmente em períodos de calor intenso. Portanto, a rega por aspersão deve ser evitada, bem como o controle das ervas daninhas deve ser constante.

Caso o cultivo seja contínuo, é aconselhado que seja feita a rotação das culturas na horta. Desse modo, é possível evitar que uma série de problemas prejudiquem o cultivo das couves chinesas.

A colheita deve ser feita quando as couves tiverem uma aparência de solidez e firmeza, independente do tamanho das folhas. Ainda assim, a planta deve ser colhida inteiramente, cortando-se a base dela, antes do começo das folhas.

O ideal é deixar cerca de 3 centímetros de caule, para possibilitar que a planta venha a brotar novamente. Entretanto, o clima é decisivo para isso, ou seja, se as condições climáticas não forem favoráveis, a planta não brotará de novo.

Vale lembrar que a chuva excessiva pode danificar as couves maduras. Portanto, é sempre indicado colhê-las antes de que sejam acometidas por chuvas intensas. Da mesma forma, é válido salientar que, na hora de replantar, a rotação pode evitar uma série de doenças.

Tipos de couve chinesa

Entre essas plantas, existem principalmente dois tipos de couve chinesa. A primeira possui o nome científico de Brassica rapa pequinensis, e a segunda é chamada Brassica rapa chinensis. No entanto, não há grandes diferenças visuais entre essas duas couves.

Ambas são tratadas popularmente como couve chinesa, apesar de existirem algumas diferenças. A couve pequinensis é também chamada de napa, que é a mais comum em território brasileiro. Em contrapartida, a chinensis é mais rara, sendo chamada de pak-shoi, bok shoi ou tsoi sum, entre outros.

A saber, existem outros tipos dessa couve, porém, são encontrados em outros países. Em território nacional, existem predominantemente dois tipos de híbridos, que são o Canton e o Choyuhu.

Em suma, a mais comum no país é a chamada pequinensis, que é a couve chinesa encontrada mais comumente no mercado.

Benefícios da couve chinesa para a saúde

Conforme já foi mencionado anteriormente, essa planta é rica em fibras, vitaminas e minerais. Por conta disso, são diversos os benefícios da couve chinesa para a saúde, e esses pontos serão abordados mais detalhadamente a seguir.

Esse tipo de couve é riquíssimo em ácido fólico, que é muito importante para a formação sanguínea. Além disso, também conta com as vitaminas A, B e C, bem como é fonte dos minerais cálcio e potássio.

Cada 100 gramas de couve chinesa possuem cerca de 21 Kcal, 4,6 gramas de carboidratos, 1,4 gramas de proteínas, 1,1 gramas de fibras e 1 miligrama de sódio. Por conta disso, é altamente indicada para compor dietas de emagrecimento.

Entre os principais benefícios da couve chinesa para a saúde, pode ser citado a sua ação anti-inflamatória. Dessa forma, a planta pode ser utilizada para tratamento e prevenção de inflamações crônicas, por conta da vitamina K e dos antioxidantes.

Por isso, também e indicada para ajudar a combater os radicais livres e prevenir o câncer. Da mesma forma, ela pode contribuir para a saúde cardíaca e circulatória, além de fortalecer o sistema imunológico.

A saúde dos olhos e dos ossos também podem ser beneficiadas através do consumo desse vegetal. Isso porque o vegetal conta com a vitamina A e os betacarotenos, além da vitamina K e todos os minerais presentes em sua composição.

Ainda assim, existem outros benefícios da couve chinesa para a saúde, como a pele mais saudável e as vantagens geradas na gravidez. Isso tudo se deve a composição riquíssima desse vegetal, que vai desde vitaminas e minerais, até os mas variados nutrientes e componentes.

Couve chinesa

Nutrientes da couve chinesa

Conforme foi possível perceber acima, a couve chinesa possui uma composição nutricional rica e vasta, capaz de oferecer diversos benefícios ao corpo humano. Dessa maneira, pode-se ter uma boa ideia dos seus diversos benefícios para a saúde.

Além disso, é importante lembrar que, dentre os diferentes tipos de couve chinesa, podem ocorrer variações nos valores nutricionais. Da mesma forma, essas quantidades de vitaminas e nutrientes pode variar conforme o modo de preparo.

A saber, para dietas destinadas à pacientes com câncer, a indicação médica é de que os vegetais sejam consumidos crus, a fim de conservar melhor os antioxidantes. Outra indicação é de sempre procurar comprar as plantas orgânicas.

Por conta de sua composição, outra indicação alternativa é utilizar as folhas em forma de cataplasma, para aplicar sobre ferimentos. Desse modo, cálculos da vesícula, hemorroidas e furúnculos também podem ser tratados com a planta.

Outro componente que pode trazer benefícios é a niacina, que pode contribuir para o bom funcionamento do sistema digestivo e do sistema nervoso. Em suma, existem diversas aplicações alternativas para essa planta, como os remédios caseiros.

Por isso é que os benefícios da couve chinesa para a saúde são os mais variados, dependendo da forma como a planta é utilizada. Nesse sentido, é possível afirmar que a couve chinesa é um alimento muito indicado para consumo no dia a dia.

Uso da couve chinesa na culinária

Conforme já foi mencionado anteriormente nesse artigo, a couve chinesa pode ser preparada de diversas formas, seja ela como salada, refogada ou até mesmo como acompanhamentos de arroz. Entretanto, existe uma receita muito tradicional com esse vegetal.

Essa receita, assim como a couve chinesa, é de origem oriental. Trata-se do conhecidíssimo yakisoba. Dessa forma, basta se utilizar da couve chinesa e de outros vegetais para fazer o molho, e então preparar o prato.

Assim sendo, são utilizados vegetais como a cebola, cenoura, brócolis, a couve chinesa, pimentão, vagem, entre outros. Como carne, geralmente se utiliza a carne de frango, mais precisamente o peito do animal.

O molho é preparado com margarina, sal e molho shoyu, sendo utilizada a quantidade equivalente ao espaguete utilizado. Entretanto, o tipo de macarrão usado nessa receita é o chamado espaguete japonês, que é um tipo especial para preparar o yakisoba.

Geralmente, 300 gramas de macarrão servem quatro porções, podendo ser utilizado para servir duas pessoas ou mais, dependendo dos acompanhamentos. Dessa maneira, é necessário uma cebola, uma cenoura, quaro folhas de couve e 400 gramas de peito de frango.

As quantidades podem ser adaptadas conforme o gosto dos consumidores, bem como a quantidade de pessoas que serão servidas. Em suma, essa é uma receita muito requisitada na culinária oriental, principalmente dentro do Brasil.

Ainda assim, a couve chinesa pode ser utilizada nos mais diversos refogados, sendo um excelente substituto para a couve tradicional e para o repolho. É ideal também para ser preparada em sopas e molhos de carne, dos mais variados.

Curiosidades sobre a couve chinesa

A saber, a couve chinesa é um alimento muito curioso, já que possui origem oriental. No entanto, essa planta que e amplamente cultivada em território brasileiro é uma variável do vegetal originário da China, inclusive com algumas características híbridas.

Além disso, a couve chinesa se dá melhor com o frio, conforme já foi falado acima. Isso porque o frio faz com que a planta cresça e mantenha a sua “cabeça” mais fechada, assemelhando-se mais a um repolho. Por isso é também chamada de repolho-chinês.

Conforme já foi citado, existem principalmente dois tipos de couve chinesa, porém, é possível encontrar outros tipos no mercado nacional. Só para exemplificar, pode ser citado a chamada Brassica oleracea, que é conhecida também como Petsai.

A Dinastia Ming estudava a couve chinesa como um ingrediente medicinal, muito antes de ser distribuído por todos os países. Depois disso, o vegetal foi se espalhando por todo o mundo, ganhando nomenclaturas diferentes conforme a região.

Em suma, sabe-se que a origem é da China, e que as propriedades medicinais são diversas, bem como o consumo alimentício. Por conta disso, a couve chinesa acabou se popularizando amplamente entre as nações, ao ponto que pode ser visto atualmente.

A versatilidade desse vegetal na cozinha é outro ponto interessante, visto que pode ser utilizado em diversas receitas, incluindo comidas secas e com molhos. Ainda assim, foi somente no século XX que a couve chinesa foi inserida no Brasil.

Quanto mais compactadas as cabeças dessa couve, mais própria para consumo ela demonstra ser. Em outras palavras, quando a planta começa a ficar mais aberta e apresentar uma coloração mais creme ou marrom, isso indica início de apodrecimento.

Couve chinesa

Como armazenar a couve chinesa?

A forma correta de armazenamento da couve chinesa pode fazer toda a diferença na hora de conservar o vegetal. Por conta disso, é importante observar bem as condições da planta na hora da compra, bem como manuseá-la com o devido cuidado.

Caso os talos sejam quebrados na compra e transporte, isso pode prejudicar a conservação da couve chinesa. Dessa maneira, o ideal é manter o vegetal em saco plástico, isolado do ar e mantido sob refrigeração. Quanto mais alta a temperatura do ambiente, antes a planta murcha.

Para conservar o vegetal por mais tempo, existe o método de congelamento. Assim sendo, é necessário colocar as folhas em água quente, por um período de 2 a 3 minutos. Depois disso, deve-se então resfriar as plantas em água gelada.

Desse modo, deve-se colocar as folhas em saco plástico ou em pote e depois encaminhar ao freezer. Utilizando esse método, é possível conservar o vegetal por um período de até 90 dias. Isso garante que as frágeis folhas não acabarão sendo desperdiçadas e jogadas fora.

Em hipótese alguma deve-se deixar a couve chinesa em temperatura ambiente, principalmente em regiões quentes ou em estações de calor. Afinal, a planta é habituada com o frio, e temperaturas altas podem fazer com que as folhas murchem muito rapidamente.

Em suma, a couve chinesa é um vegetal capaz de oferecer diversos benefícios à saúde, além de ser um alimento versátil que pode ser empregado em diversas receitas. Além disso, plantá-la é uma tarefa fácil, desde que em locais e estações de pouco calor.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo