Gabiroba tem origem brasileira, é comum no cerrado e traz benefícios

Inicio » Agricultura » Gabiroba tem origem brasileira, é comum no cerrado e traz benefícios
12/09/2019 Por
Gabiroba tem origem brasileira, é comum no cerrado e traz benefícios

Infusão de gabiroba é excelente relaxante muscular

Gabiroba é um nome de origem tupi. De acordo com estudiosos da língua, o nome significa “árvore da casca amarga”. De fato, a casca do tronco da árvore constitui um importante elemento para o reconhecimento dessa espécie.

Afinal de contas, como uma grande parcela das Mirtáceas, a gabirobeira desprende lascas das cascas. Esse comportamento garante à árvore de gabiroba um bonito aspecto, repleto de manchas claras ao longo de sua extensão. A seguir, você aprende mais sobre as características e cultivo da gabiroba.

gabiroba

O que é gabiroba?

Gabiroba é uma planta pertencente à família das Myrtaceae. Também chamada de guabiroba (Campomanesia xanthocarpa), a espécie é nativa do Brasil, embora não seja endêmica do país.

A incidência da planta ocorre nos biomas do Cerrado e da Mata Atlântica. A guabiroba pode ser descrita como uma árvore de porte mediano, afinal, sua altura varia entre dez a vinte metros. Além disso, a árvore ostenta uma copa densa e alongada.

Seu tronco é ereto e possui caneluras de trinta a cinquenta centímetros de diâmetro, com cascas fissuradas em tons castanhos. As folhas, por sua vez, são opostas, simples, brilhantes e membranáceas, além de serem tradicionalmente assimétricas.

Tipos de gabiroba

Apesar das características marcantes das árvores amazônicas e do cerrado, existem muitos tipos de gabiroba. De fato, nas matas tropicais e úmidas, é possível encontrar a chamada guabiroba da Amazônia ou guabiroba açu (Campomanesia lineatifolia).

A gabiroba miúda (Campomanesia laurifolia), por outro lado, é nativa do cerrado, sendo uma variação mais comum, mas também mais saborosa da fruta.

Afora estas espécies mais conhecidas, outras espécies que podem ser encontradas são:

  • Gabiroba do campo (Campomanesia adamantium);
  • Gabiroba do litoral (Campomanesia guaviroba), nativa dos arredores dos rios da região da Mata Atlântica, conhecida também como “guavira”;
  • Gabiroba arbórea (Campomanesia xanthocarpa), objeto de estudos para usos medicinais.

Além disso, a guabiroba pode aparecer com as seguintes variações de nome:

  • Guabiroba;
  • Guabirova;
  • Guaviroba;
  • Gavirova;
  • Araçá congonha;
  • Gabiraba;
  • Gabiroba do campo.

gabiroba

Frutas brasileiras

Estima-se que existam nada mais nada menos do que trezentas e doze frutas brasileiras. No entanto, a despeito do número surpreendente de frutos tipicamente brasileiros, somente seis deles são cultivados e comercializados em maior escala.

Por isso, a lista de frutos brasileiros não comercializados pode causar estranheza na maioria. Como, por exemplo:

  • Banana de macaco;
  • Marôlo;
  • Araticum cagão;
  • Taperebá;
  • Cariota de espinho;
  • Pau alazão;
  • Marajá;
  • Fruta de ema.

Já as frutas nativas comercializadas são mais populares e muitos desconhecem sua origem brasileira. São elas:

  • Maracujá;
  • Abacaxi;
  • Goiaba;
  • Cacau;
  • Caju.

Fruta gabiroba

A fruta gabiroba é uma fonte rica em vitaminas do complexo B, sais minerais, niacina, carboidrato e proteínas. Além de ser um fruto consumido in natura, a guabiroba pode ser utilizada no preparo de pudins, sorvetes, doces e sucos. Em alguns licores, a fruta ainda pode ser usada como matéria-prima principal.

Sua árvore é frutífera do mês de dezembro até o mês de maio. De acordo com a medicina popular, possui excelentes qualidades curativas, sobretudo em tratamentos de ordem gastrointestinal, tal como a diarreia.

Quando passadas por infusão, as folhas da guabiroba podem ser utilizadas em banhos de imersão relaxantes para aliviar dores nos músculos. Conheça mais sobre os usos da planta abaixo!

gabiroba

Para que serve a guabiroba?

  • O consumo regular, de maneira moderada, ajuda a aliviar a diarreia e a disenteria;
  • Atua na prevenção da gripe, no alívio de cãibras e no tratamento de doenças do trato urinário;
  • A infusão das folhas de guabiroba tem efeito semelhante ao relaxante muscular. São úteis em banhos de imersão para aliviar dores corporais;
  • Quando transformada em chá, a casca da árvore de guabiroba é uma aliada no tratamento de complicações como uretrite e cistite;
  • Sua utilidade culinária é variada e pode compor diversos pratos e receitas. É possível incluir o ingrediente em sobremesas, saladas de fruta, mousses, picolés e deliciosos sorvetes;
  • Os frutos da guabiroba podem servir de alimento para um extenso número de peixes, pássaros, mamíferos de pequeno porte e répteis. Um destes é o lagarto teiú (Tupinambis teguixin) que, acompanhado do muriqui (Brachyteles arachnoides), configura entre os dois principais agentes dispersores das sementes da planta;
  • As características da guabiroba a classificam como uma espécie chave quando o assunto é a restauração da Mata Atlântica, agindo sobretudo nas áreas degradadas e de matas ciliares;
  • A madeira da gabirobeira é moderadamente dura, pesada e resistente. Sua textura é média e apresenta uma ótima durabilidade natural. Por essa razão, o material é empregado em cabos de ferramentas, confecção de instrumento musical e para tabuado de modo geral.

Como plantar gabiroba?

Devido aos seus tantos benefícios, muitos se perguntam como plantar gabiroba e os requisitos do seu cultivo.

A planta não é muito exigente com cuidados e seu crescimento é de médio a rápido. Além disso, além de sua abundância nas áreas úmidas das matas, a gabirobeira é resistente aos climas frios.

Anualmente, a árvore de gabiroba é responsável por produzir uma quantidade significativa de sementes e frutos. No entanto, uma vez que as sementes são extraídas do fruto, é indicado semeá-las na sequência. Afinal, suas sementes perdem a capacidade de germinação muito rápido.

Em 1 quilo de sementes de guabiroba é possível encontrar, estimadamente, treze mil unidades.

Muda de gabiroba

O plantio da muda de gabiroba é feito por intermédio de suas sementes. Graças à sua condição recalcitrante, as sementes da planta deverão ser semeadas imediatamente após a extração.

Se o semeio não for feito logo após a extração, as sementes secarão, desidratando e perdendo suas capacidades germinativas. Nesse aspecto, o plantio da gabiroba se distingue das plantas cujas sementes devem ser secas antes de serem plantadas.

Para realizar a extração de sementes, é preciso colher as frutas saudáveis e maduras. É possível retirar as sementes ao amassar os frutos, lavando-as em água corrente para a remoção de sua polpa.

As sementes da gabiroba devem ser dispostas e secas acima de uma folha de jornal por, no máximo, duas horas. Em seguida, as sementes devem ser plantadas em sementeiras com o uso de substrato rico em matéria orgânica.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo