Gabiroba tem origem brasileira, é comum no cerrado e traz benefícios

Inicio » Agricultura » Gabiroba tem origem brasileira, é comum no cerrado e traz benefícios
12/09/2019 Por
Gabiroba tem origem brasileira, é comum no cerrado e traz benefícios

Gabiroba é um nome de origem tupi. De acordo com estudiosos da língua, o nome significa “árvore da casca amarga”. De fato, a casca do tronco da árvore constitui um importante elemento para o reconhecimento dessa espécie.

Afinal de contas, como uma grande parcela das Mirtáceas, a gabirobeira desprende lascas das cascas. Esse comportamento garante à árvore de gabiroba um bonito aspecto, repleto de manchas claras ao longo de sua extensão. A seguir, você aprende mais sobre as características e cultivo da gabiroba.

  1. O que é gabiroba?
  2. Tipos de gabiroba
  3. Frutas brasileiras
  4. Fruta gabiroba
  5. Para que serve a gabiroba?
  6. Como plantar gabiroba
  7. Muda de gabiroba
  8. Diferenças entre as gabirobas
  9. Quais são os benefícios da gabiroba
  10. Curiosidades sobre a gabiroba
  11. Onde encontrar gabiroba?
  12. Como é o sabor da gabiroba?
  13. Fruticultura e gabiroba no Brasil
  14. Gabiroba ou araçá?

Gabiroba

O que é gabiroba?

Gabiroba é uma planta pertencente à família das Myrtaceae. Também chamada de guabiroba (Campomanesia xanthocarpa), a espécie é nativa do Brasil, embora não seja endêmica do país.

A incidência da planta ocorre nos biomas do Cerrado e da Mata Atlântica. A guabiroba pode ser descrita como uma árvore de porte mediano, afinal, sua altura varia entre dez a vinte metros. Além disso, a árvore ostenta uma copa densa e alongada.

Seu tronco é ereto e possui caneluras de trinta a cinquenta centímetros de diâmetro, com cascas fissuradas em tons castanhos. As folhas, por sua vez, são opostas, simples, brilhantes e membranáceas, além de serem tradicionalmente assimétricas.

Tipos de gabiroba

Apesar das características marcantes das árvores amazônicas e do cerrado, existem muitos tipos de gabiroba. De fato, nas matas tropicais e úmidas, é possível encontrar a chamada guabiroba da Amazônia ou guabiroba açu (Campomanesia lineatifolia).

A gabiroba miúda (Campomanesia laurifolia), por outro lado, é nativa do cerrado, sendo uma variação mais comum, mas também mais saborosa da fruta.

Afora estas espécies mais conhecidas, ainda podemos encontrar outras espécies:

  • Gabiroba do campo (Campomanesia adamantium);
  • Gabiroba do litoral (Campomanesia guaviroba), nativa dos arredores dos rios da região da Mata Atlântica, conhecida também como “guavira”;
  • E a gabiroba arbórea (Campomanesia xanthocarpa), objeto de estudos para usos medicinais.

Além disso, a gabiroba pode aparecer com as seguintes variações de nome:

  • Guabiroba;
  • Guabirova;
  • Guaviroba;
  • Gavirova;
  • Araçá congonha;
  • Gabiraba;
  • Gabiroba do campo.

Frutas brasileiras

Estima-se que existam nada mais nada menos do que trezentas e doze frutas brasileiras. No entanto, a despeito do número surpreendente de frutos tipicamente brasileiros, somente seis deles são cultivados e comercializados em maior escala.

Por isso, a lista de frutos brasileiros não comercializados pode causar estranheza na maioria. Como, por exemplo:

  • Banana de macaco;
  • Marôlo;
  • Araticum cagão;
  • Taperebá;
  • Cariota de espinho;
  • Pau alazão;
  • Marajá;
  • Fruta de ema.

Por outro lado, as frutas nativas comercializadas são mais populares e muitos desconhecem sua origem brasileira. São elas:

  • Maracujá;
  • Abacaxi;
  • Goiaba;
  • Cacau;
  • Caju.

Gabiroba

Fruta gabiroba

A fruta gabiroba é uma fonte rica em vitaminas do complexo B, sais minerais, niacina, carboidrato e proteínas. Além de ser um fruto consumido in natura, a guabiroba pode ser utilizada no preparo de pudins, sorvetes, doces e sucos. Em alguns licores, a fruta ainda pode ser usada como matéria-prima principal.

Sua árvore é frutífera do mês de dezembro até o mês de maio. De acordo com a medicina popular, possui excelentes qualidades curativas, sobretudo em tratamentos de ordem gastrointestinal, tal como a diarreia.

Você pode passar as folhas guabiroba em infusão para banhos de imersão relaxantes com o objetivo de aliviar dores nos músculos. Conheça mais sobre os usos da planta em seguida.

Para que serve a guabiroba?

  • O consumo regular, de maneira moderada, ajuda a aliviar a diarreia e a disenteria;
  • Atua na prevenção da gripe, no alívio de cãibras e no tratamento de doenças do trato urinário;
  • A infusão das folhas de guabiroba tem efeito semelhante ao relaxante muscular. São úteis em banhos de imersão para aliviar dores corporais;
  • Quando transformada em chá, a casca da árvore de guabiroba é uma aliada no tratamento de complicações tais como uretrite e cistite;
  • Sua utilidade culinária é variada e pode compor diversos pratos e receitas. Assim, você pode incluir o ingrediente em sobremesas, saladas de fruta, mousses, picolés e deliciosos sorvetes;
  • Os frutos da guabiroba podem servir de alimento para um extenso número de peixes, pássaros, mamíferos de pequeno porte e répteis. Um destes é o lagarto teiú (Tupinambis teguixin) que, acompanhado do muriqui (Brachyteles arachnoides), configura entre os dois principais agentes dispersores das sementes da planta;
  • As características da guabiroba a classificam como uma espécie chave quando o assunto é a restauração da Mata Atlântica, agindo sobretudo nas áreas degradadas e de matas ciliares;
  • A madeira da gabirobeira é moderadamente dura, pesada e resistente. Sua textura é média e apresenta uma ótima durabilidade natural. Por essa razão, então, o material é empregado em cabos de ferramentas, confecção de instrumento musical e para tabuado de modo geral.

Como plantar gabiroba?

Devido aos seus tantos benefícios, muitos se perguntam como plantar gabiroba e os requisitos do seu cultivo.

A planta não é muito exigente com cuidados e seu crescimento é de médio a rápido. Além disso, além de sua abundância nas áreas úmidas das matas, a gabirobeira é resistente aos climas frios.

Anualmente, a árvore de gabiroba é responsável por produzir uma quantidade significativa de sementes e frutos. No entanto, uma vez que as sementes são extraídas do fruto, é indicado semeá-las na sequência. Afinal, suas sementes perdem a capacidade de germinação muito rápido.

Em 1 quilo de sementes de guabiroba é possível encontrar, estimadamente, treze mil unidades.

Muda de gabiroba

O plantio da muda de gabiroba é feito por intermédio de suas sementes. Graças à sua condição recalcitrante, as sementes da planta deverão ser semeadas imediatamente após a extração.

Se o semeio não for feito logo após a extração, as sementes secarão, desidratando e perdendo suas capacidades germinativas. Nesse aspecto, o plantio da gabiroba se distingue das plantas cujas sementes devem ser secas antes de serem plantadas.

Para realizar a extração de sementes, é preciso colher as frutas saudáveis e maduras. É possível retirar as sementes ao amassar os frutos, lavando-as em água corrente para a remoção de sua polpa.

As sementes da gabiroba devem ser dispostas e secas acima de uma folha de jornal por, no máximo, duas horas. Em seguida, as sementes devem ser plantadas em sementeiras com o uso de substrato rico em matéria orgânica.

Gabiroba

Diferenças entre as gabirobas

Quais são as principais diferenças entre os variados tipos de gabiroba? Sem dúvida, as diferenças se concentram na forma e dimensões das folhagens.

Por exemplo, a gabiroba do cerrado é uma planta arbustiva que apresenta uma grande variação quanto a sua altura. Pode medir de 0,20 a 1,50m. Já outro tipo de gabiroba, a gabiroba da mata, outro exemplo, pode alcançar até 15 metros de altura.

Como pertencem a uma mesma família, suas propriedades não diferem muito. No entanto, não podem ser encaradas como idênticas.

Cabe sempre fazer uma análise prévia do tipo de planta que está prestes a se consumir. Verifique, por exemplo, se não contém componente que pode provocar alguma reação adversa no indivíduo.

Quais são os benefícios da gabiroba?

Falamos da utilidade da planta e do fruto para combater determinados transtornos relacionados à saúde. Também já relatamos brevemente as principais propriedades da gabiroba.

Contudo, para fornecer informações mais completas, vale detalhar mais essas propriedades. Tais funções explicam a capacidade da planta de nos auxiliar na superação de determinadas condições adversas.

  • É rica em carboidratos, proteínas e sais minerais

A gabiroba é rica em carboidratos.

Carboidratos são macronutrientes, um elemento químico que precisamos absorver, pois fornece energia ao nosso corpo. Sem energia, nosso organismo não consegue desempenhar diversas funções. Muitas delas, vitais para nos manter firmes e fortes.

Também é rica em proteínas. Proteínas são moléculas orgânicas compostas por aminoácidos. Elas são responsáveis pelo crescimento e reparação de tecidos. As proteínas contribuem decisivamente para a produção de massa muscular, anticorpos e energia.

Proteínas ajudam a manter pele e cabelos saudáveis. Além disso, ajudam a equilibrar os hormônios e transportar oxigênio, bem como desempenham diversas outras funções de grande importância ao organismo humano.

Sais minerais são outros elementos presentes em farta quantidade na gabiroba. Os sais minerais são nutrientes muito importantes para o organismo humano. Eles contribuem para a formação de hormônios, ossos e até de dentes.

Por fim, sais minerais também colaboram para a regulação da pressão sanguínea.

  • Contém niacina, vitamina C e vitaminas do complexo B

A fruta gabiroba tem grande quantidade de niacina.

A niacina é uma vitamina (vitamina B3) que auxilia na remoção de substâncias químicas tóxicas do corpo. Ela também participa do processo de digestão e absorção dos carboidratos, gorduras e proteínas.

Outro elemento de destaque na gabiroba é a vitamina C, nutriente que proporciona diversos benefícios ao organismo, como pele mais saudável e iluminada. Causa esses benefícios por meio do combate aos radicais livres, ação que também ajuda a evitar o envelhecimento precoce da pele.

A vitamina C ajuda no clareamento de manchas e uniformiza o tom da pele. Além disso, corrige rugas e linhas de expressão. Contudo, seus benefícios não se restringem apenas à pele.

Você já deve ter visto, em comerciais de remédios para gripe, e em grande destaque em suas embalagens nas farmácias, a associação da vitamina + laranja = igual super eficiência no combate a gripe.

Isso ocorre porque a laranja de fato é rica em vitamina C. O nutriente fortalece o nosso sistema imunológico. Esse sistema é uma barreira de proteção natural do corpo humano. Assim, combate a ação de agentes externos nocivos, como vírus e bactérias.

Sistema imunológico fortalecido, portanto, garante mais resistência a gripes e resfriados.

As vitaminas do complexo B são conhecidas por ajudar a reduzir o estresse. Elas servem para regular a produção de energia no organismo. Além disso, mantêm a saúde do sistema nervoso, do intestino, dos cabelos e da pele.

Elas também fortalecem o sistema imunológico. Essa é uma das explicações para conseguirem reduzir o estresse. São importantes também para prevenir anemia (transtorno alimentar relacionado à falta de ferro no sangue).

Gabiroba

Curiosidades sobre a gabiroba

A folha e a fruta têm várias curiosidades interessantes. Algumas dizem respeito à produtividade, outras sobre o seu papel na alimentação de alguns seres na natureza.

Veja, em seguida, algumas dessas curiosidades relacionadas à gabiroba.

  • Extração química de sementes de gabiroba

Na região do Cerrado brasileiro, consegue-se extrair sementes de gabiroba sem necessitar da fase de mucilagem.

Pesquisadores desenvolveram, na região, uma técnica de extração química de sementes de alta qualidade. Tal técnica, sem dúvida, gera boas perspectivas de produção comercial no cerrado.

  • Gabiroba tem breve poder germinativo

As sementes dessa planta, a exemplo da mangaba, perdem em pouco tempo o poder germinativo. Por isso, é recomendável semear as sementes tão logo os frutos sejam extraídos das plantas.

Você pode cultivar as sementes em canteiros.

  • O lobo-guará adora gabiroba

Espalhou-se a crença que o lobo-guará se alimenta de galinhas. Mas, isso é fantasia. Na verdade, esse animal tem preferência por frutos. Adivinha qual se destaca no seu cardápio? A gabiroba, claro.

  • Marsupial cuíca ajuda a proteger a gabiroba

A cuíca, marsupial, não raro confundido com um gambá, é capaz de percorrer mais de 400 metros, à noite, na mata.

Mas, qual a relação dela com a gabiroba? Ela é uma grande preservadora da planta, ainda que de modo bem involuntário.

Esse animal, ao correr pela floresta, espalha, junto com as fezes, as sementes das frutas que comeu anteriormente. Como essas sementes passaram pelo seu trato intestinal, ficam naturalmente aptas para germinar.

Não deve causar espanto, a essa altura, saber que a cuíca é uma grande apreciadora de gabiroba.

Onde encontrar gabiroba?

Quais locais se destacam na produção de gabiroba no Brasil? Caso queira sair de casa agora, para onde deve se dirigir para saborear uma gabiroba? É possível encontrá-la na internet, por exemplo?

Quanto aos locais, a planta marca presença em matas de bacia de rios. Sem dúvida, os estados que mais se destacam na produção de gabiroba são:

  • Minas Gerais;
  • São Paulo;
  • Mato Grosso;
  • Mato Grosso do Sul;
  • Santa Catarina;
  • Paraná;
  • Rio Grande do Sul.

Quanto aos locais de venda, certamente feiras livres e mercados são os lugares mais indicados para se procurar pela fruta.

Na internet, existem sites que comercializam as mudas e plantas de gabiroba. São ótimas opções para as regiões que não contam com uma grande oferta da planta e seu fruto, mesmo em mercados e feiras livres.

Atente-se, caso esteja atrás da planta para se automedicar, que plantas medicinais não substituem ida ao médico. O consumo das propriedades dessa planta em altas doses pode causar mais danos do que benefícios à saúde.

Como é o sabor da gabiroba?

Para muitas, pessoas o sabor da gabiroba está associado à infância. Dizem que fazem uma viagem instantânea no tempo ao colocarem a fruta na boca. São transportadas à época de garotos e garotas quando saiam à caça do fruto pela mata.

Esse fator nostalgia está tão atrelado ao fruto para moradores de algumas cidades brasileiras que leva muitas pessoas a fazerem viagens de uma cidade para outra para comprá-lo. Isto quando este se encontra em falta nas regiões onde vivem.

Essa memória afetiva ocorre principalmente com pessoas mais velhas.

A gabiroba é uma planta nativa do Brasil. Assim, se encontra mais concentrada nas regiões do cerrado e do sudeste brasileiro. As crianças de antigamente, em destaque as do interior do Brasil, costumavam entrar no mato em busca da fruta. Tal busca era considerada uma aventura.

Muito provável que seja o motivo de trazer tão boas lembranças aos mais velhos, pois os fazem lembrar da juventude e de suas peripécias.

Mas, dizer que a fruta tem “gosto de infância” não vale, convenhamos. Qual, afinal, é o sabor da fruta gabiroba?

O sabor dessa fruta é adocicado. Lembra muito a goiaba e os araçás, pois é da mesma família dessas frutas: as mirtáceas.

Gabiroba

Fruticultura e gabiroba no Brasil

Aproveitando a pauta de gabiroba, sem dúvida, é uma boa oportunidade para dar um panorama sobre o mercado de fruticultura no Brasil.

A fruticultura é um dos setores de maior destaque do agronegócio brasileiro. O Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do mundo. Fica atrás apenas de China e Índia.

Anualmente, o Brasil produz cerca de 45 milhões de toneladas ao ano. Desse total, 65% são consumidos internamente. Isto é, são comercializados para o mercado interno. Para o mercado externo, são destinados 35% da produção total.

Apenas a banana responde por 6,752 milhões de toneladas. A laranja é outra fruta que se destaca, até mais no quesito produção em comparação com a banana. Por ano, são produzidas mais de 16 milhões de toneladas de laranjas.

O terceiro maior volume fica reservado à melancia. Em 2019, teve produção de 2,24 milhões de toneladas.

Dezenove espécies frutíferas, aliás, produziram 37,28 milhões de toneladas.

Sem dúvida, uma das razões do mercado de fruticultura ter esse grande desempenho para a economia nacional se deve à qualidade do solo e a diversidade do clima em nosso país para a plantação de diversos tipos de culturas.

O setor vinha apresentando crescimento nos últimos anos e a projeção era de crescimento em 2020 e nos anos subsequentes.

No entanto, as previsões tiveram que passar por revisões, ainda em andamento, que não se restringem apenas ao mercado de fruticultura.

A crise provocada pelo novo coronavírus pegou a todos de surpresa e levou a maioria dos setores da economia mundial despenhadeiro abaixo.

Ainda não se sabe concretamente os efeitos provocados pela queda de consumo em razão da diminuição da circulação de pessoas e da crise financeira instalada no país.

Coronavírus, fruticultura e a gabiroba

É provável que todos os setores sejam abalados negativamente. No entanto, as projeções não são tão sinistras para a agricultura e para frutas como a gabiroba.

Em razão das medidas de isolamento e da falta de uma previsão exata sobre o fim dessa crise, muitos países, em especial a China, decidiram investir para estocar alimentos e assim garantir o sustento de seus cidadãos.

O Brasil foi um dos beneficiados por essa política de investimento. Isso porque é uma das maiores fontes de alimentos do mundo.

A economia do país está fortemente estruturada na exportação de commodities, posição que coloca o país em vantagem em algumas situações e desvantagem em outras.

Por exemplo, quando há uma crise mundial e as exportações no mundo todo desabam, o país é profundamente afetado, pois depende muito das exportações de suas matérias-primas. Mas, quando a economia mundial vai bem ou há um movimento para aumentar as exportações, o país tende a se beneficiar economicamente.

O aumento das exportações se deve à essa condição sui generis provocada pela crise, tanto que o Brasil passou a ter problemas para atender a demanda interna quanto a determinados alimentos. Essa situação levou à alta de preços.

No entanto, a queda de consumo em razão da crise que o país atravessa há vários anos também tem que ser colocada na balança.

Será que o aumento das exportações compensou a redução do consumo interno? Será que a redução puxou o setor e a economia para baixo, apesar do aumento das exportações?

O quadro ainda é nebuloso e, além disso, só os próximos meses de 2020 e 2021 deixarão mais clara a situação da fruticultura e de outros setores nesse período de crise.

O futuro da gabiroba e das frutas do Brasil

A projeção de futuro, próximo ou não, não passará de mero palpite nesse momento. Assim, há muitas variáveis que ainda precisam ser entendidas e que podem surgir no meio do caminho.

Por exemplo, como estará o controle da crise sanitária no Brasil e no mundo em 2021? Uma vacina já terá sido desenvolvida? Quem vencerá as eleições norte-americanas? Como será o relacionamento das principais potências após o pleito?

Todos esses fatores influenciam, uma vez que o mundo globalizado conecta a economia de vários países, propiciando que um evento em uma região remota do planeta acabe desencadeando efeitos globais.

O Brasil se encontra em uma posição muito vulnerável nesse contexto, pois, como dito, sua economia é muito dependente dos ventos internacionais.

Tal condição gera debates internos há décadas sobre a necessidade do Brasil modernizar a sua economia, se industrializar, para passar a produzir e exportar tecnologia em maior escala, a exemplo dos países desenvolvidos, pois dessa forma ficaria menos vulnerável às crises externas.

Gabiroba ou araçá?

Muitas pessoas confundem gabiroba com araçá. De fato, externamente, os frutos se parecem. Entretanto, são distintos.

Para diferenciar um fruto do outro, então, a melhor forma é examinar o interior deles. Assim, vale lembrar que o interior da gabiroba é parecido com o da jabuticaba, enquanto o interior do araçá se parece com o da goiaba.

Compartilhe sua opinião

Agro20 | Portal Vida No Campo